Aliados dos EUA rejeitam plano de Biden de combate à China

Para Macron Formação de Bloco é contraproducente

Por Emel Akan

WASHINGTON – O presidente Joe Biden prometeu elevar a diplomacia e buscar uma abordagem mais coordenada com os aliados dos EUA para enfrentar os desafios comerciais colocados pela China .

Sua estratégia para unir nações amigas para pressionar Pequim, no entanto, enfrenta uma cisão, já que parceiros como Alemanha e França já sinalizaram que não estão na mesma página.

O presidente francês Emmanuel Macron se manifestou na semana passada contra a ideia de construir um bloco contra a China, chamando-a de “contraproducente”.

“Este é um cenário da maior conflitualidade possível”, disse Macron em 4 de fevereiro, durante uma entrevista com o think tank Atlantic Council.

“Este, para mim, é contraproducente porque pressionará a China a aumentar sua estratégia regional”, disse ele, acrescentando que também desencorajaria Pequim de cooperar em questões globais como a mudança climática.

Os comentários de Macron vieram depois que a chanceler alemã, Angela Merkel, se recusou a ficar do lado dos Estados Unidos para conter a China.

“Eu gostaria muito de evitar a construção de blocos”, disse Merkel ao Fórum Econômico Mundial de Davos em 26 de janeiro. “Não acho que faria justiça a muitas sociedades se disséssemos que estes são os Estados Unidos e ali está a China e estamos agrupados em torno de um ou de outro. Este não é o meu entendimento de como as coisas deveriam ser”.

Trabalhar com aliados é a pedra angular da política do governo Biden em relação à China na resolução de uma ampla gama de questões espinhosas, de comércio a direitos humanos e Hong Kong.

Defensores dos direitos humanos na Alemanha têm pressionado o governo de Merkel a adotar uma abordagem mais linha-dura ao regime chinês em relação a Hong Kong e Xinjiang, mas os interesses econômicos estão no caminho, segundo os críticos .

Philip Stephens, colunista do Financial Times, não caracteriza a Alemanha como um parceiro confiável dos EUA devido aos interesses comerciais do país na China e na Rússia.

“Não se pode esperar que Berlim escolha entre os direitos humanos e as vendas no exterior de, digamos, Volkswagen, BMW ou Mercedes”, escreveu ele em seu artigo recente.

Merkel deu um forte impulso para concluir o acordo de investimento empresarial UE-China em 30 de dezembro de 2020, algumas semanas antes de Biden assumir o cargo.

acordo abrangente , que levou sete anos para ser feito, permite maior acesso ao mercado para investidores europeus. Pequim também concordou em garantir um tratamento justo às empresas da UE e tratar de questões de trabalho forçado como parte do acordo. O acordo atraiu críticas da equipe de Biden, que havia pedido “consultas antecipadas” com o novo governo.

Não está claro como a Casa Branca trabalhará com os aliados dos EUA para lidar com o desafio da China.

Clete Willems, ex-negociadora comercial importante e vice-diretora do Conselho Econômico Nacional durante a administração Trump, apóia a estratégia de Biden de trabalhar em conjunto com os aliados. No entanto, ele também reconhece os laços comerciais da Europa com a China como um grande obstáculo.

“Se essa estratégia for bem-sucedida, realmente vai tirar mais ambição da Europa”, disse ele ao Epoch Times.

Ele disse que a UE deveria estar mais determinada a lutar por políticas comerciais voltadas para o mercado, apesar das pressões das empresas e do regime chinês.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em 5 de fevereiro, evitou responder a uma pergunta da imprensa quando questionada se o governo Biden pode confiar na Europa, após os comentários de Macron.

“Este governo vê os Estados Unidos engajados em uma competição estratégica com a China, e a tecnologia é um domínio central dessa competição”, ela respondeu, acrescentando que o governo Biden não permitiria que Pequim minasse a liderança dos Estados Unidos em tecnologia e pesquisa.

“Isso é certamente o que o presidente transmite em suas conversas com nossos parceiros e aliados”, disse ela.

Psaki também disse em 11 de fevereiro que o governo “não está com pressa” e está “adotando uma abordagem estratégica” para lidar com a China.

Seus comentários foram feitos depois que Biden, em 10 de fevereiro, fez seu primeiro telefonema com o líder chinês Xi Jinping desde que assumiu o cargo. Durante a ligação, que durou duas horas, Biden expressou “suas preocupações fundamentais sobre as práticas econômicas coercitivas e injustas de Pequim, repressão em Hong Kong, abusos dos direitos humanos em Xinjiang e ações cada vez mais assertivas na região, inclusive em relação a Taiwan”, de acordo com um Declaração da Casa Branca.

Siga Emel no Twitter: @mlakan
 
Matérias Relacionadas