Alfafa transgênica: coexistência não funciona, dizem especialistas

A União Nacional de Agricultores (NFU, da sigla em inglês) está indignada com o “plano de convivência” lançado pela indústria que tem como objetivo preparar os agricultores para a introdução da alfafa geneticamente modificada (GM) no leste do Canadá. Idealizado pela Associação Comercial de Sementes canadense (CSTA), grupo que representa as grandes empresas de sementes, o plano inclui uma lista de melhores práticas de gestão para manter separadas as culturas de alfafa GM e de variedades não-GM.

O Conselho de Especialistas diz que o plano tem como objetivo proporcionar aos agricultores a “liberdade de escolha e oportunidade de fazer parte de vários mercados.” Mas o plano foi recebido com desdém pela NFU, que mantém um grande aviso na primeira página do documento, protegendo a responsabilidade da CSTA como prova de que a organização sabe que a convivência está fadada ao fracasso.

“A negação de qualquer responsabilidade derivada da CSTA indica que eles não têm confiança em seu próprio plano, e que estão profundamente preocupados que, se o plano falhar, sejam processados”, disse Phil Woodhouse, presidente local da União Nacional de Agricultores do Condado Grey.

A NFU, que tem sido contrária aos cultivos geneticamente modificados, afirma que a introdução de alfafa GM beneficiaria uma pequena minoria de agricultores, ao mesmo tempo em colocaria em risco o mercado industrial de exportação. Segundo o sindicato, o plano ignora o alto risco de contaminação genética devido às realidades agrícolas, alegando que eles foram desenvolvidos para pavimentar o caminho das grandes empresas internacionais, como Monsanto e Genética de forragem, e introduzir sem qualquer oposição a alfafa GM no Canadá.

“Depois de protestos generalizados contra a alfafa GM, a Foraje Genetics International disse que não venderia sementes de alfafa geneticamente modificadas até que um plano de convivência fosse satisfatoriamente elaborado”, disse Woodhouse. “É inaceitável usar este plano, cuja indústria de sementes que foi claramente rejeitada, justifique a venda de sementes de alfafa GM que, uma vez plantadas, não podem ser ignoradas.”

Se for introduzida no mercado, a alfafa GM será a primeira cultura perene GM lançada no Canadá. Os críticos pediram a proibição do produto, dizendo que, se a alfafa não-GM for contaminada,  causará um efeito dominó e grandes prejuízos aos agricultores que dependem dos mercados não-GM para a exportação de feno, animais de granja, laticínios e outros onde a alfafa é parte da rotação de culturas.

“Isso poderia afetar a indústria de sementes de alfafa no oeste do Canadá. Eles exportam para a China, Rússia e Europa, uma grande quantidade de jurisdições que exigem a segregação e rotulagem de transgênicos. Poderia afetar nosso negócio de exportação de feno, e a integridade da indústria pecuária ecológica”, disse Woodhouse.

Contaminação ‘inevitável’

Dois casos suspeitos de contaminação GM estão atualmente sob investigação nos EUA. A exportação de alfafa de um agricultor de Washington foi recentemente rejeitada, depois de constatada a modificação genética. Em maio, foi detectada  contaminação transgênica no trigo de um agricultor no Óregon, o que levou à proibição da exportação.

A Canadian Biotechnology Action Network NFU e a CBAN dizem que a contaminação de alfafa GM também é “inevitável” no Canadá, porque o pólen da planta é carregada por insetos em longas distâncias, e que isso é impossível evitar.

“A realidade é que a alfafa GM contaminará os campos dos agricultores, e nada poderá detê-la. A indústria fez uma lista de medidas impraticáveis ​​a serem seguidas pelos agricultores, e chamou-o de ‘um plano’, disse Lucy Sharratt, da CBAN.

Mas o CSTA diz que devido à genética de forragem, a empresa líder no desenvolvimento de alfafa GM no Canadá só pretende comercializar a produção de feno de alfafa, sem a produção de sementes, e com isso pode-se assegurar “o risco mínimo” de contaminação. “Dado que o produto estaria disponível para a produção de feno, o tempo de corte do feno é uma das melhores maneiras de garantir o mínimo risco de fluxo gênico do pólen”, diz Patty Townsend, CEO da  CSTA. “Evitar o fluxo gênico de pólen foi uma preocupação primordial na preparação do plano de convivência”.

O plano de convivência também faz sugestões sobre o local de campos de feno de alfafa transgênica, como uma medida para lidar com o risco potencial de fluxo de pólen. Townsend disse que o plano tem como objetivo dar aos agricultores uma outra opção, mas se você segue realmente suas instruções, em última análise, isso depende da pessoa. “Acreditamos que os agricultores devem ter a opção de usar o sistema para melhor adaptar a produção nas fazendas e mercados”, diz Townsend.

Contaminação transgênica

Enquanto isso, a agência de supervisão GM Testbiotech publicou uma lista de países que experimentaram o que ela chamou de “crescimento descontrolado” de sementes geneticamente modificadas (canola): Canadá, EUA, Japão, Austrália e Europa.

De acordo com o relatório, em muitos casos, as plantas escaparam para muito além dos campos no meio ambiente. Em alguns casos, os OGM se mudaram para áreas silvestres, e novas combinações de DNA demonstraram que nunca tiveram aprovação para sua utilização.

“O Canadá cultiva a canola geneticamente modificada em grande escala. Desde cerca de 10 anos sabe-se que estas plantas estão se espalhando sem controle no meio ambiente. Mas até agora não foi tomada nenhuma providência para detê-las “, disse Christoph Then, da Testbiotech. O que estamos vendo é a falta de aceitação da responsabilidade, especialmente por parte da indústria”.

O relatório observou que, embora nunca tenha havido um crescimento em larga escala de canola GM na Europa, as colheitas têm sido contaminadas em várias ocasiões devido à canola GM produzida pela Bayer, que foi autorizada pela Comissão da União Europeia a produzir sementes.

 
Matérias Relacionadas