Alemanha contratou cientistas para justificar medidas autoritárias contra Covid-19, diz jornal

Por Bruna de Pieri, Terça Livre

Um dos maiores jornais da Alemanha, o Die Welt, obteve evidências de que o Ministério do Interior alemão contratou cientistas do instituto Robert Koch e de várias universidades para justificar os lockdowns no país. As informações foram divulgadas no último domingo, 7.

Os documentos com mais de 200 páginas recuperadas após uma batalha judicial com o Instituto Koch revelam correspondência interna entre o Ministério do Interior e os pesquisadores.

Nas páginas divulgadas pelo jornal, o secretário de Estado Markus Kerber pede aos pesquisadores que desenvolvam um modelo no qual possam basear “medidas preventivas e repressivas”.

Em apenas quatro dias os cientistas – trabalhando em estreita coordenação com o ministério –  desenvolveram um documento que descreveu o “pior cenário” em que mais de um milhão de pessoas na Alemanha poderiam morrer de Covid-19 se a vida social continuasse como foi antes da pandemia.

Com base nas terríveis projeções, o estado alemão respondeu com mudanças legislativas abrangentes em leis antigas para promulgar medidas rígidas – incluindo os bloqueios sem precedentes que começaram em março.

Isso gerou uma enxurrada de ações judiciais questionando a constitucionalidade das medidas, que vão desde a perda de renda ao isolamento de idosos, passando pela obrigatoriedade de que as pessoas permaneçam em suas casas e evitem locais públicos, o que viola os “direitos fundamentais de liberdade pessoal”.

Em resumo, as autoridades alemãs teriam pago ao Instituto Koch e outros centros de pesquisas para produzir estudos referentes a uma “pandemia terrível” e os usaram para promulgar leis inconstitucionais que agora estão sendo derrubadas pelos tribunais.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas