Alejandro Sanz critica comunismo cubano com 16 adjetivos diferentes

Por Alicia Marquez

O cantor e compositor espanhol Alejandro Sanz criticou fortemente o regime comunista de Cuba nesta quinta-feira, e pediu que a ditadura peça desculpas ao povo cubano.

Com 16 adjetivos diferentes, o cantor descreveu o comunismo cubano:

“Como eles podem chamar algo tão acomodado, intransigente, chato, injusto, velho, decadente, áspero, obsoleto, imóvel, inútil, doloroso, insosso, abusivo, desesperado, servil e desajeitado?” Sanz escreveu em 26 de agosto.

“Que o chamem de ‘sinto muito’ e que Cuba continue”, acrescentou, referindo-se à crise de repressão que vive a ilha pelo regime comunista de Castro, que aumentou depois dos protestos massivos que começaram em 11 de julho.

Não é a primeira vez que o artista espanhol expressa sua desaprovação ao regime cubano. Durante uma entrevista em 2010 onde expôs as razões pelas quais decidiu não participar no evento “Concerto pela Paz” em Havana.

“Basicamente porque eles colocaram condições restritivas sobre o que podíamos ou não dizer. E também porque não acredito que haja guerra em Cuba – não há guerra, não há opiniões e não há nada. Lá eles fazem o que o regime diz e está acabado “, respondeu ele  .

Em 2019, após a passagem de um tornado em Havana que deixou pelo menos 4 mortos e mais de 100 feridos, o artista criticou que a ajuda arrecadada para a ilha não foi entregue ao povo cubano.

“Que colocam restrições alfandegárias ou que se apropriam delas para poder vendê-las a PESSOAS que ficaram sem nada? Sinto-me desamparado e o silêncio do governo não ajuda ”, disse Sanz.

E após a recente eclosão de protestos históricos contra a ditadura em julho, clamando pela liberdade da ilha, o cantor madrilenho postou  a hashtag #SOSCuba, e em outra mensagem separada, a bandeira da ilha.

Esse ato foi replicado no Twitter por outros artistas como o músico de reggaeton Daddy Yankee e o porto-riquenho Ricky Martin.

Diversos artistas internacionais decidiram unir-se ao apoio à reivindicação do povo cubano contra o comunismo com a hashtag #SOSCuba, tornando-se uma tendência no Twitter internacionalmente durante as marchas.

E durante o Premios Juventud,  vários  hispânicos decidiram enviar mensagens de apoio aos cubanos.

“A liberdade não é gratuita, mas também não tem um preço”, disse o cantor cubano Pitbull. “Estamos aqui para o povo de Cuba, para apoiá-lo e para dizer à Casa Branca que desperte para apoiar o que os Estados Unidos apoiam: a liberdade”.

Siga Alicia Márquez no Twitter:  @AliceMqzM

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 

 
Matérias Relacionadas