Pilotos da Air China estão envolvidos em esquema de envio de tecnologia com aplicações militares dos EUA para a China

Por Omid Ghoreishi e Jenny Liu

LOS ANGELES / TORONTO – Um esquema elaborado para enviar a tecnologia dos Estados Unidos com aplicações militares para a China  envolveu a utilização de pilotos da Air China em um determinado ponto, alegam as autoridades dos Estados Unidos.

Em janeiro de 2018, o FBI prendeu os americanos Yi-Chi Shih e Kiet Anh Mai, por supostamente comprarem microchips que podem ser usados para aplicações militares de uma empresa dos Estados Unidos, sob o pretexto de que eles eram para uso doméstico, enquanto planejavam enviar a tecnologia para a China. Um terceiro suspeito, o canadense Ishiang Shih – professor da Universidade McGill e irmão de Yi-Chi Shih – também é acusado pelas autoridades dos Estados Unidos em relação ao caso, embora ele ainda não tenha sido extraditado e esteja livre no Canadá.

Documentos relacionados aos processos judiciais em andamento de Yi-Chi Shih, na Califórnia, alegam que seu envolvimento no envio de tecnologia restrita para a China começou em 2005. Os promotores dizem que, a partir de 2009, ele enviou microchips para seus contatos na China, via Cingapura ou os forneceu aos pilotos da Air China em Los Angeles para que voassem para a China.

Pedidos de comentários da Air China sobre as reivindicações não foram respondidos.

Entre as provas incluídas no caso do tribunal, há uma apresentação do PowerPoint de 2012, que as autoridades dizem que contém os nomes de ambos os irmãos Shih. Os promotores alegam que a apresentação foi um “plano de negócios para o desenvolvimento de uma fundição de semicondutores na RPC para fabricar MMICs [circuitos integrados de microondas monolíticos]”.

MMICs são usados para guerra eletrônica, radar e comunicações militares, entre outras aplicações.

A apresentação lista o nome da empresa americana especializada na fabricação de MMICs, cuja tecnologia foi posteriormente enviada para a China sem o conhecimento da empresa no suposto esquema envolvendo os irmãos Shih e Mai.

Documentos judiciais dizem que Ishiang Shih enviou dois e-mails separados para seu irmão em 2012, anexando apresentações que tinham detalhes sobre a tecnologia MMIC, incluindo os da empresa norte-americana não-identificada.

Em uma das apresentações, o cabeçalho tinha o nome de uma empresa chinesa, a Chengdu Gastone Technology Co. (CGTC), cujo presidente era Yi-Chi Shih, dizem as autoridades. A CGTC estabeleceu uma fábrica de MMIC em Chengdu, China. Em 2014, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos adicionou a empresa à lista de empresas estrangeiras que necessitam de uma licença especial para exportação porque “ela estava envolvida na aquisição ilícita de commodities e tecnologias para uso final militar não autorizado na China”.

FBI
Um prédio do FBI em Washington. (Eric Baradat / AFP / Getty Images)


Documentos judiciais alegam que, em 2013, Mai, que trabalhou anteriormente com Yi-Chi Shih em duas empresas diferentes – com pelo menos uma sendo um contratada autorizada da defesa norte-americana  – correspondeu à empresa americana vítima, manifestando interesse em seu produto.

Segundo as autoridades, Mai é acusado de ter se apresentado como um cliente dos Estados Unidos que buscava obter MMICs personalizados da empresa, alegando que era para uso doméstico. Yi-Chi Shih subseqüentemente providenciou para que as peças fossem enviadas para a China.

“Este caso descreve um esquema para proteger tecnologia proprietária, algumas das quais foram supostamente enviadas para a China, onde poderiam ser usadas para fornecer às empresas vantagens significativas que comprometessem os interesses comerciais dos Estados Unidos”, disse no ano passado o advogado dos Estados Unidos Nicola T. Hanna. “As informações muito sensíveis também beneficiariam os adversários estrangeiros que pudessem usar a tecnologia para promover ou desenvolver aplicações militares que seriam prejudiciais à nossa segurança nacional”.

As autoridades dizem que Mai foi reembolsado pelos pagamentos que fez à empresa americana vítima pela Pullman Lane Productions, uma empresa americana registrada para Yi-Chi Shih, bem como pela JYS Technologies, uma empresa canadense que lista Ishingng Shih como co-diretor.

Yi-Chi Shih supostamente providenciou o envio dos microchips para a China, enviando-os primeiro a Hong Kong, ou a seu irmão no Canadá, “com o propósito de fornecer tecnologia para a CGTC”.

Documentos judiciais mostram que os promotores afirmam ter um registro de um e-mail enviado por Yi-Chi Shih para seu irmão que tem a ata de uma reunião da diretoria de uma empresa da qual Yi-Chi Shih também faz parte. O e-mail mostra que os diretores planejam fazer MMICs na China para uso em orientação de mísseis.

Os documentos revelam ainda que os promotores querem que a corte ouça testemunhos especializados no fato de que a Qing’an International Trading Company (QTC), uma empresa com sede na China que investiu US$ 1 milhão em uma conta administrada por Yi-Chi Shih, é controlada pelo Exército de Libertação do Povo da China, e que “o QTC usa regularmente empresas de fachada como as deste caso para evitar o escrutínio internacional e os controles de exportação”.

De acordo com documentos judiciais, Yi-Chi Shih argumentou no tribunal que ele estava envolvido em “pesquisa puramente acadêmica na China” e exceções de exportação aplicadas à sua conduta.

Os promotores alegam que Yi-Chi Shih estava ciente das aplicações militares de MMICs e restrições aplicáveis à China.

Documentos judiciais dizem que em 2010, Ishiang Shih enviou um e-mail para Yi-Chi Shih de uma cópia da “Política de China” do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, cuja primeira página declarava que as autoridades haviam ampliado o escopo de produtos proibidos de serem exportados para incluir itens. que poderia fazer “contribuição direta e significativa para os militares chineses”.

Nenhuma das alegações foi provada no tribunal.

Um porta-voz da RCMP, em Quebec, disse que as autoridades dos Estados Unidos entraram em contato com eles sobre o caso no verão de 2017 e pediram que eles ajudassem na investigação de Ishiang Shih.

“Há uma investigação em andamento”, Sargento Camille Habel disse, explicando que a investigação é para ajudar o FBI e não é o caso do próprio RCMP.

Um porta-voz do Departamento de Justiça canadense disse que, uma vez que as solicitações de extradição são “comunicações confidenciais de Estado para Estado”, o departamento não pode comentar sobre a existência ou o status de qualquer possível pedido de extradição.

Um processo judicial envolvendo Ishiang Shih está atualmente perante o Superior Tribunal de Quebec, relacionado ao envio para o exterior dos documentos apreendidos durante as investigações.

Os advogados de Ishiang Shih dizem que seu cliente nega as acusações feitas pelos promotores norte-americanos.

“Dr. Ishiang Shih nega com veemência as alegações que as autoridades dos Estados Unidos fizeram contra ele ”, escreveram os advogados Julio Peris e Rose-Mélanie Drivod em uma resposta por e-mail. “A acusação dos Estados Unidos neste caso é de natureza puramente política e comercial.”

John Hanusz, advogado de Yi-Chi Shih, disse em um e-mail que seu cliente nega as acusações e se declarou inocente. Ele disse que não tem mais comentários sobre o caso.

O advogado de Mai, John Littrell, disse que seu cliente se declarou inocente, exceto por uma acusação relacionada à falha em fornecer documentação técnica para a exportação de produtos para a China. Ele diz que os produtos eram simples conectores de baixa voltagem “semelhantes aos tipos de cabos usados para conectar um computador doméstico ao seu monitor. Nenhuma licença foi necessária”.

Siga Omid no Twitter: @OGhoreishi

 
Matérias Relacionadas