Alberto Nisman foi assassinado, conclui nova perícia oficial argentina

Peritos da polícia argentina concluíram que o promotor Alberto Nisman foi assassinado. É o que revelam trechos da nova perícia oficial que será entregue às autoridades e que vêm sendo publicados há uma semana pela imprensa do país. A nova análise foi pedida pela procuradoria com o apoio do presidente Mauricio Macri, que levantou o sigilo sobre os documentos do caso que vinha sendo tratado pelo governo Kirchner como suicídio.

A perícia da Gendarmeria Nacional Argentina (GNA) revelou que Alberto Nisman foi morto com um tiro na cabeça e que havia terceiras pessoas em seu apartamento que participaram do crime. O relatório deve ser enviado ao juiz federal Julián Ercolini até o fim do mês. A investigação busca agora descobrir o autor e o mandante do assassinato do promotor.

Segundo o jornal argentino Clarín, a reconstituição do crime envolveu a construção de uma réplica perfeita do banheiro de Puerto Madero, onde foi encontrado o corpo de Nisman, onde trabalharam 34 criminalistas e outros policiais.

O promotor argentino Alberto Nisman durante uma conferência de imprensa em Buenos Aires em 20 de maio de 2009. Ele foi encontrado morto em janeiro de 2015, quatro semanas depois de divulgar uma denúncia contra a então presidente Cristina Kirchner e à véspera de formalizá-la no Congresso (Juan Mabromata/AFP/Getty Images)
O promotor argentino Alberto Nisman durante uma conferência de imprensa em Buenos Aires em 20 de maio de 2009. Ele foi encontrado morto em janeiro de 2015, quatro semanas depois de divulgar uma denúncia contra a então presidente Cristina Kirchner e à véspera de formalizá-la no Congresso (Juan Mabromata/AFP/Getty Images)

Dentre as evidências periciais, estão a ausência de restos de pólvora no cadáver do promotor, já que o disparo da arma utilizada deixa rastros, o fato de esta arma haver sido encontrada ao lado do corpo à porta do banheiro, indicando que sua posição foi modificada, e o tiro mortal ter sido feito atrás perpendicularmente, por trás da orelha, e não com o cano apoiado ou perpendicular à cabeça, algo incomum em suicídios.

A análise da disposição das manchas de sangue indicaram que, quando foi alvejado, o promotor se encontrava ajoelhado e subjugado, com uma de suas mãos torcida para trás. A perícia atestou que o corpo do assassino interceptou, frente alguns objetos do banheiro, essas gotas de sangue em sua rota prevista.

Argentinos tomam a Plaza de Mayo durante a Marcha do Silêncio, em memória do promotor Alberto Nisman em 18 de fevereiro de 2015, um mês após sua morte misteriosa (Juan Mabromata/AFP/Getty Images)
Argentinos tomam a Plaza de Mayo durante a Marcha do Silêncio, em memória do promotor Alberto Nisman em 18 de fevereiro de 2015, um mês após sua morte misteriosa (Juan Mabromata/AFP/Getty Images)

O novo exame no corpo de Nisman concluiu que o promotor foi golpeado na perna esquerda e na cabeça para evitar resistência. Em seu corpo também foram encontrados restos de ketamina, usada provavelmente para dopá-lo, uma vez que não havia nenhum vestígio desta substância em sua casa.

“A quantidade de evidências que comprovam que Alberto Nisman foi executado é tão grande, que todas as perícias anteriores que comprovam o contrário só podem ter sido feitas sob encomenda para justificar uma história oficial”, disse um ex-funcionário dos serviços de inteligência argentinos ouvido pela revista Veja.

Colaboração com o Irã

Alberto Nisman foi encontrado morto no banheiro de sua residência de Buenos Aires na madrugada de 18 de janeiro de 2015, poucas horas antes da audiência no Congresso argentino em que apresentaria sua denúncia contra a ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner e seu chanceler Héctor Timerman pelo crime de traição à pátria.

Ele investigava o atentado terrorista com um caminhão-bomba contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em Buenos Aires, que deixou 85 mortos e 300 feridos em 18 de julho de 1994.

Com base em milhares de horas de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, o Nisman estava convencido que a Casa Rosada havia firmado um pacto com o Irã para proteger os autores do atentado contra judeus na capital argentina.

Em menos de doze horas, as autoridades argentinas anunciaram a morte do procurador como suicídio e a própria Cristina Kirchner sustentou publicamente a tese, imediatamente descartada pelos familiares e amigos de Nisman como absurda.

Pesquisas de opinião indicaram que a maioria dos argentinos acredita que o caso tenha sido de homicídio. Os resultados de perícias independentes contratadas ainda em 2015 pela família de Nisman já revelavam assassinato. Mas, por não serem oficiais, careciam do mesmo valor da atual.

Cidadãos argentinos exigem justiça para o caso Alberto Nizman em protesto em frente à sede da associação judaica Amia, em Buenos Aires, em 21 de janeiro de 2015, onde um ataque terrorista matou 85 pessoas em 1994. O atentado era investigado pelo promotor (Maxi Failla/AFP/Getty Images)
Cidadãos argentinos exigem justiça para o caso Alberto Nizman em protesto em frente à sede da associação judaica Amia, em Buenos Aires, em 21 de janeiro de 2015, onde um ataque terrorista matou 85 pessoas em 1994. O atentado era investigado pelo promotor (Maxi Failla/AFP/Getty Images)

Leia também:
Argentina: o suicídio que não houve
Tribunal anula acordo entre Argentina e Irã sobre atentado
Sob críticas, aiatolá do Irã palestra em São Paulo sobre terrorismo
Imigrantes explodem bomba em protesto contra Lei de Migração
Gravação de procurador argentino revela ameaças antes de sua morte
Investigadores descobrem documento em que Nisman pedia prisão da presidente Kirchner
Terroristas fazem alianças com políticos latino-americanos e cartéis de drogas
A quem interessa calar o promotor Nisman

 
Matérias Relacionadas