Alberto Fernández diz que problema dos direitos humanos na Venezuela está desaparecendo ‘aos poucos’

Por Pachi Valencia

O presidente argentino, Alberto Fernández, garantiu na terça-feira que o problema dos  direitos humanos na Venezuela “desapareceram gradativamente”, causando grande rejeição por parte dos políticos da oposição venezuelana.

Em entrevista à Rádio 10 , Fernández disse que sempre acreditou que a “maneira” de “resolver a questão” da Venezuela não era por meio de sanções internacionais.

“Digo com muita franqueza: muitos setores da esquerda me criticaram porque apoiei o relatório de Bachelet quando marcou ações do governo venezuelano que violaram os direitos humanos”, disse a presidente, “mas também trabalhei para ajudar Bachelet a (… ) Acompanhando o funcionamento dos direitos humanos ”.

“E esse problema aos poucos na Venezuela foi desaparecendo. Há uma maneira de resolver os problemas que não passa por entrar nos países armados ou com bloqueios ”, acrescentou Fernández.

Após sua resposta, vários ativistas e políticos expressaram seu total repúdio às declarações do presidente argentino.

María Corina Machado, coordenadora da Vente Venezuela, disse que o que Fernández apontou era falso.

“Não há escritório permanente no território da Venezuela – o que foi assinado foi um memorando de entendimento para que 3 pessoas possam operar e funcionar, mas isso não aconteceu porque elas não podem circular livremente sem a autorização do regime”, disse Machado.

Por outro lado, a deputada da Assembleia Nacional, Delsa Solórzano, também falou no Twitter .

“Senhor Alberto Fernández, na Venezuela todos os direitos humanos são violados ao mesmo tempo. Por isso, quem usurpa o poder em meu país e seus cúmplices estão sendo investigados hoje no Tribunal Penal Internacional (TPI) ”, afirmou.

A representante da presidência interina de Guaidó na Argentina, Elisa Trotta,  disse que as “falsas declarações” do presidente argentino “significam uma ofensa às dezenas de milhares de vítimas da criminosa ditadura de Maduro”.

“Repudiamos as recentes declarações do presidente Fernández”, escreveu Trotta. “Neste preciso momento, desenvolve-se um conflito bélico na fronteira colombiano-venezuelana, produto da aliança entre o regime de Maduro e grupos terroristas como o ELN e os dissidentes das FARC. Isso deixou civis assassinados e milhares desabrigados ”.

“Também é falso, presidente @alferdez, que haja um bloqueio contra a Venezuela. Existem sanções contra corruptos, criminosos e traficantes de drogas. Se fossem lidos dados e estudos, em vez de ouvir os membros da ditadura, esse ponto ficaria claro ”, acrescentou.

Em 11 de março , a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, apresentou uma atualização sobre a situação dos direitos humanos na Venezuela.

“Desde setembro, meu escritório documentou pelo menos 66 casos de intimidação, assédio, desqualificação e criminalização de jornalistas, meios de comunicação, defensores dos direitos humanos, trabalhadores humanitários, líderes sindicais e membros ou apoiadores da oposição, incluindo membros eleitos. Da Assembleia Nacional de 2015 e suas famílias ” , disse Bachelet ao Conselho de Direitos Humanos em Genebra.

Após relato do ex-presidente chileno, Maduro rejeitou as reclamações de Bachelet e impediu a renovação dos vistos dos três funcionários das Nações Unidas que estão em Caracas.

Em uma última atualização da ONG de direitos humanos Foro Penal, em 17 de maio havia um total de 306 presos políticos na Venezuela. Eles também apontaram que mais de 9.000 pessoas “continuam a ser submetidas arbitrariamente a medidas que restringem sua liberdade”.

Siga Pachi no Twitter: @pachivalencia

 
Matérias Relacionadas