Ajuda humanitária da Venezuela foi recebida com gás lacrimogêneo e tiros nas fronteiras

Tropas da Guarda Nacional também dispararam gás lacrimogêneo em Santa Elena, perto da fronteira com o Brasil, onde as pessoas tentavam instalar barricadas para impedir a entrada de agitadores pró-governo armados

Por Reuters

As tropas venezuelanas leais ao ditador socialista, Nicolás Maduro, lançaram gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os defensores do presidente interino Juan Guaidó, enquanto eles tentavam levar ajuda externa à fronteira colombiana em 23 de fevereiro.

Os confrontos ocorreram quando Guaidó, que a maioria das nações ocidentais reconhece como líder legítimo da Venezuela, enviou uma caravana pessoal para uma caravana de ajuda da cidade colombiana de Cúcuta e o regime socialista de Maduro desafiou a pressão internacional para renunciar.

Guaidó embarcou brevemente em uma dúzia de caminhões que transportavam ajuda humanitária apoiada pelos Estados Unidos antes de partirem para a fronteira, onde foram rechaçados pelas forças de segurança venezuelanas.

O governo colombiano disse que seu conteúdo seria descarregado e transportado por “correntes humanas” que se formaram na estrada que leva à Venezuela.

Mas nas cidades de San Antonio e Ureña, do outro lado da fronteira, tropas dispararam gás lacrimogêneo e balas de borracha contra ativistas da oposição, incluindo legisladores caminhando em direção à fronteira que agitavam bandeiras venezuelanas e entoavam “liberdade”. Testemunhas relataram disparos constantes sem poderem identificar a origem.

Forças de segurança venezuelanas assumem posição em confronto com manifestantes em Ureña, na Venezuela, em 23 de fevereiro de 2019 (Andres Martinez Casares / Reuters)

“Eles começaram a atirar de perto como se fôssemos criminosos”, disse o lojista Vladimir Gomez, 27 anos, vestindo uma camisa branca manchada de sangue. “Eu não consegui evitar as balas (de borracha) e elas me atingiram no rosto e nas minhas costas. Nós temos que lutar”.

Temendo uma repetição da violência em outras passagens de fronteira, Guaidó ordenou que os voluntários no lado colombiano da ponte Tienditas não se movessem em direção aos militares de Maduro, perto de contêineres que bloqueavam a travessia.

Muitos dos manifestantes disseram que eram civis pacíficos que simplesmente queriam ajuda por causa da escassez generalizada de alimentos e remédios no país, outrora próspero, sofrendo um colapso econômico sem precedentes.

“Eu sou uma dona de casa e estou aqui lutando pela minha família, pelos meus filhos e pais, resistindo ao gás lacrimogêneo dos militares e soldados em motocicletas”, disse Sobeida Monsalve, 42 anos.

Os partidários da oposição venezuelana pedem para cruzar a fronteira entre a Colômbia e a Venezuela na ponte Simón Bolívar, enquanto as forças de segurança da Venezuela ficam na fronteira bloqueando seu caminho nos arredores de Cúcuta, Colômbia, em 23 de fevereiro de 2019 (Edgard Garrido / Reuters)

Outros barricaram ruas com pneus em chamas, incendiaram um ônibus e atiraram pedras contra as forças de segurança para exigir que Maduro permitisse que a ajuda entrasse em um país devastado pela escassez de alimentos e remédios, na esteira de um colapso econômico alimentado pelas políticas socialistas fracassadas de Maduro.

Tropas da Guarda Nacional também dispararam gás lacrimogêneo em Santa Elena, perto da fronteira com o Brasil, onde as pessoas tentavam instalar barricadas para impedir a entrada de agitadores pró-governo armados.

Em 22 de fevereiro, as tropas abriram fogo em uma aldeia na área matando uma mulher e seu marido. Trinta e cinco soldados da Guarda Nacional estão sendo mantidos reféns pela comunidade indígena em protesto, disse o prefeito do município de Gran Sabana.

Dois caminhões de ajuda humanitária atravessaram a fronteira brasileira, embora não tenham passado pelo posto de controle alfandegário venezuelano, segundo uma testemunha da Reuters.

Um manifestante deita no chão depois de bater em um arame farpado enquanto se chocava com as forças de segurança em Ureña, na Venezuela, em 23 de fevereiro de 2019 (Andres Martinez Casares / Reuters)

Constranger as Forças Armadas

Um vídeo da mídia social mostrou tropas que desertaram, em 23 de fevereiro, dirigindo veículos blindados através de uma ponte que ligava a Venezuela à Colômbia, derrubando barricadas metálicas no processo e, em seguida, pulando para fora dos veículos e correndo para o lado colombiano.

“O que fizemos hoje, fizemos para as nossas famílias, para o povo venezuelano”, disse um dos quatro homens em um vídeo televisionado por um programa de notícias colombiano, que não os identificou. “Nós não somos terroristas”.

A televisão colombiana também mostrou imagens do que disse ser um oficial venezuelano que se identificou como major Hugo Parra, reconhecendo Guaidó como presidente.

Treze membros das forças de segurança venezuelanas desertaram em 23 de fevereiro, incluindo 10 membros dos oficiais da Guarda Nacional e dois policiais, informou a autoridade de migração da Colômbia.

Maduro culpa as sanções dos Estados Unidos pela terrível situação do país, que bloquearam fundos e prejudicaram a indústria de petróleo dos membros da OPEP.

Um membro das forças de segurança da Venezuela em Ureña, em 23 de fevereiro de 2019 (Andres Martinez Casares / Reuters)

Milhares de partidários do governo vestidos com camisas vermelhas assinaram uma manifestação no centro de Caracas para denunciar a intimidação dos Estados Unidos e exigir que o governo Trump suspenda as sanções.

Embora a necessidade de alimentos básicos e remédios esteja desesperadora, a oposição da Venezuela também espera que a operação constranja oficiais militares que continuam apoiando Maduro.

Milhares de manifestantes vestidos com roupa branca se reuniram em uma base militar em Caracas para exigir que as forças armadas permitam a entrega da ajuda, depois de declarações em uma entrevista coletiva ao lado de três presidentes latino-americanos, incluindo o colombiano Ivan Duque, que mais ajuda estava a caminho.

“Esta é a maior batalha que as forças armadas podem ganhar”, disse Sheyla Salas, 48 anos, que trabalha com publicidade. “Por favor, junte-se a essa luta, entre no lado certo (da história), permita que a ajuda humanitária entre”.

O conselheiro de segurança nacional do presidente Donald Trump John Bolton cancelou os planos de viajar para a Coreia do Sul para se preparar para uma reunião de cúpula abordar o programa nuclear da Coreia do Norte, a fim de se concentrar no desenrolar dos acontecimentos na Venezuela, seu porta-voz em 22 de fevereiro.

Luke Taylor contribuiu com este artigo.

 
Matérias Relacionadas