Água da China está envenenada, governo ignora as causas

Indústria química na cidade de Dalian, província de Liaoning, China, em 18 de janeiro de 2013. Jornalistas na China dizem que indústrias químicas no país estão poluindo os lençóis freáticos, bombeando resíduos em poços profundos (STR/AFP/Getty Images)

Após indignação entre os internautas, demandas de advogados de Pequim e pressão da mídia, o Ministério das Terras e Recursos da China emitiu recentemente um relatório sobre a qualidade das águas subterrâneas do país, mas o relatório falhou em retratar o alcance ou a gravidade do problema, dizem os críticos.

A preocupação com as águas subterrâneas ganhou atenção pública no início de fevereiro, após o blogue do jornalista Dong Fei descrever o bombeamento de resíduos industriais na água subterrânea da província de Shandong, no leste da China. Fábricas de produtos químicos e de papel na província de Jiangsu, no sul de Shandong, e em Huabei (região de várias províncias no norte da China) também foram relatadas utilizando poços para dispor de seus resíduos.

Em meados de fevereiro, cerca de 2,9 milhões de internautas postaram fotos da poluição da água em suas cidades de origem em resposta a um pedido de Dong Fei.

Em seguida, três advogados de Pequim pediram publicamente que as autoridades liberassem dados oficiais sobre a poluição das águas subterrâneas da China e a mídia chinesa abordou a questão.

Na tarde de março, um relatório de 400 páginas intitulado “Dados sobre a qualidade da água subterrânea em locais nacionais monitorados de 2011” apareceu.

O cientista ambiental Zhao Zhangyuan, membro emérito da Academia de Pesquisa Chinesa de Ciências Ambientais, disse à mídia estatal Jinghua (uma subsidiária do porta-voz do regime Diário do Povo) que o relatório utilizava dados desatualizados de 1993, que não verificavam muitos poluentes orgânicos que compõem a maior parte da poluição moderna.

O Centro de Pesquisa de Nanjing da Academia Chinesa de Ciências Geológicas monitorou a água subterrânea perto do delta do rio Yangtzé, uma área densamente urbanizada no leste da China, que inclui Shanghai – e descobriu que ela continha produtos químicos cancerígenos, como dicloroetano e diclorometano, e outros produtos químicos orgânicos conhecidos que afetam o sistema nervoso, rins e fígado, como tolueno e clorofórmio. Nenhum desses produtos químicos é abrangido pelas normas de 1993.

A evidência disponível sugere que a China sofre com poluição das águas subterrâneas numa escala muito maior do que as autoridades estão dispostas a revelar.

Estudos feitos pelo Serviço Geológico da China em 2006 mostram que na região de Huabei apenas 22,2% das águas subterrâneas da região eram seguras para beber. Águas subterrâneas são a maior parte do abastecimento de água potável da região.

O estudo revelou que em toda a região as águas subterrâneas nos níveis superficiais estavam altamente poluídas. Mas embora a água subterrânea em níveis mais profundos estivesse mais limpa, 12,86% estaria gravemente poluída.

Água potável

Segundo o Instituto de Pesquisa da Indústria de Qianzhan, um instituto de Shenzhen, a China recorrerá cada vez mais a fontes de água subterrânea para seu abastecimento de água potável daqui por diante, devido à relativa falta de recursos hídricos do país.

O instituto de pesquisa projeta que cerca de 70% da população chinesa, ou mais de 400 das 660 cidades chinesas, retirarão sua água potável principalmente de fontes subterrâneas.

A população rural utiliza a maioria de seu suprimento de água potável de poços, que acessam geralmente fontes de água subterrânea em nível superficial. No entanto, o uso indiscriminado de fertilizantes e pesticidas tem poluído severamente as águas subterrâneas no campo.

“Aldeias de câncer” têm aparecido em Henan, Anhui, Sichuan, Guangdong, Heilongjiang e Shandong.

De acordo com reportagem da Voz da América, as águas subterrâneas na região de Huabei conteriam metais pesados muito acima dos limites permitidos, incluindo mercúrio, cromo, cádmio e chumbo.

Além disso, a poluição, substância orgânica, já apareceu nos subúrbios ao sul de Pequim; em Shijiazhuang, capital da província de Hebei no norte da China; em Jinan, capital da província de Shandong; e na Planície Yuxi, na província de Henan. Os poluentes principais são benzeno, tetracloreto de carbono e tricloroetileno, todos causadores de câncer e outros problemas de saúde.

Além desses poluentes, pelo menos 100 milhões de pessoas na China bebem água subterrânea com níveis perigosos de arsênico, que pode causar problemas cardiovasculares e maior risco de câncer, bem como flúor, que é conhecido por causar deformidades ósseas em crianças e problemas renais.

Gerações futuras

De acordo com a Voz da América, empresas em toda a China têm cavado poços com o único propósito de descarregar resíduos industriais nas águas subterrâneas pelos últimos 20 anos.

Internautas chineses têm expressado online seu descontentamento sobre o assunto. No Sina Weibo, um serviço popular de microblogue semelhante ao Twitter, um usuário chamado Wang Pan escreveu: “As grandes empresas estão impiedosamente bombeando poluentes no nosso abastecimento de água subterrânea e o governo, cego por objetivos políticos, age indiferentemente ou, inclusive, tolera abertamente.”

“Nossos rios e córregos sofrem com a poluição das águas superficiais, mas nossas fontes de água sofrem com a poluição das águas subterrâneas. Como isso é diferente do lixo nuclear? Isso acabará com a vida das futuras gerações. Quando não houver mais água limpa na China, que importância terá o PIB?”

O blogue de Wang Pan foi censurado e apagado logo após o comentário ser publicado, mostrando a intolerância do regime pela livre discussão do problema.

De acordo com Fan Xiao, geólogo e engenheiro-chefe da Secretaria de Geologia e Recursos Minerais da província de Sichuan, a China atualmente carece de regulamentos oficiais sobre a descarga de resíduos em águas subterrâneas e as agências estatais não têm capacidade de fazer cumprir os regulamentos.

“Somos fortemente dependentes de nossas fontes de água subterrânea e, se elas se tornarem poluídas, limpá-las será praticamente impossível”, disse Fan Xiao.

A rápida urbanização tem impulsionado o crescimento da extensão e gravidade dos problemas de poluição das águas subterrâneas da China continental. O elemento fundamental disso é a obstinação do regime comunista pelo crescimento do PIB.

De acordo com o Relatório Anual de Registro do Câncer na China de 2012, devido a níveis extremos de poluição ambiental, há 3,5 milhões de novos casos de câncer na China a cada ano, resultando em 2,5 milhões de mortes anuais. Isso equivale a 8.550 novos casos de câncer diagnosticados a cada dia.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas