Agentes federais revistam o apartamento de Giuliani e apreendem eletrônicos, diz advogado

Por Jack Phillips

Um advogado de Rudy Giuliani disse que os investigadores federais executaram um mandado de busca na casa do ex- prefeito de Nova York e advogado do ex-presidente Donald Trump e apreenderam dispositivos eletrônicos.

O advogado de Giuliani, Robert Costello, disse à Fox News que sete agentes do FBI chegaram a seu apartamento em Manhattan às 6h do dia 28 de abril e permaneceram lá por cerca de duas horas. Eles apreenderam laptops, telefones celulares e outros dispositivos eletrônicos, disse Costello.

“Isso é totalmente desnecessário”, disse Costello à Fox News, acrescentando que a operação foi realizada para “fazer com que ele pareça algum tipo de criminoso”.

O New York Times foi o primeiro a noticiar a busca, alegando que ela pode ter se originado, pelo menos parcialmente, dos negócios de Giuliani na Ucrânia. Giuliani não foi preso nem acusado de nenhum crime e não está claro por que a casa do ex-prefeito foi revistada.

“O que eles fizeram hoje foi violência legal”, Costello disse ao jornal. “Por que você faria isso com alguém, muito menos alguém que foi o procurador-geral associado, procurador dos Estados Unidos, o prefeito da cidade de Nova York e o advogado pessoal do 45º presidente dos Estados Unidos.”

Costello também disse ao Wall Street Journal que, nos últimos anos, ele se ofereceu para responder às perguntas dos investigadores, mas eles recusaram.

“É como se eu estivesse falando com uma parede”, disse ele.

Funcionários do FBI e a equipe de Giuliani não responderam aos pedidos do Epoch Times para comentários até o momento.

No final de 2019, em meio ao primeiro inquérito de impeachment da Câmara contra Trump sobre uma conversa que ele teve com o presidente da Ucrânia em julho daquele ano, os promotores acusaram dois supostos ex-associados de Giuliani, Lev Parnas e Igor Fruman, por crimes não relacionados a supostas violações do financiamento de campanha.

Em 20 de janeiro do ano passado, Giuliani apareceu na Fox News ‘“The Ingraham Angle” e disse que não é mais próximo de Parnas, um ex-cliente, e alegou que Parnas estava mentindo sobre algumas de suas afirmações.

Um exemplo, de acordo com Giuliani , foi uma alegação de que Parnas se encontrou com Trump na Casa Branca durante o Hanukkah e foi nomeado pelo presidente.

“A reunião nunca aconteceu”, disse Giuliani à Fox News na época. “Os registros indicam que isso nunca aconteceu. Ele mentiu. O homem é um mentiroso comprovado.

“Lev é alguém de quem eu era próximo. Obviamente, fui enganado por ele. Eu me sinto muito mal. Ainda sinto pena dele. Não vou responder a ele por cada uma das declarações falsas que ele fez, porque foram tantas ”, disse ele. “Se eu for chamado como testemunha, estou preparado para isso.”

Antes disso, Giuliani, que era advogado pessoal de Trump na época,  disse à CNN em 2019 que pediu às autoridades ucranianas que investigassem o então candidato Joe Biden antes de notar que “pediu que examinassem as alegações relacionadas ao meu cliente [ Trump], que, tangencialmente, envolveu Joe Biden em um esquema de suborno maciço, não muito diferente do que ele fez na China. ”

“Pedi à Ucrânia que investigasse as alegações de que houve interferência na eleição de 2016 pelos ucranianos em benefício de Hillary Clinton”, disse Giuliani.

Quando oficiais do FBI revistaram a casa do ex-advogado de Trump, Michael Cohen, o ex-presidente disse que era parte de uma “caça às bruxas” contra ele em nome da agência federal de aplicação da lei. Cohen acabou sendo condenado e sentenciado, passando mais de um ano em uma prisão federal perto de Otisville, Nova York.

Trump há muito diz que o inquérito russo e o impeachment contra ele foram parte de uma campanha politicamente motivada para minar sua presidência e a legitimidade de sua vitória nas eleições de 2016.

 
Matérias Relacionadas