Agentes da patrulha de fronteira prendem 11 iranianos no Arizona que entraram ilegalmente nos EUA

Por Jack Phillips

A Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (CBP) disse que seus agentes prenderam um grupo de 11 iranianos que entraram ilegalmente nos Estados Unidos.

De acordo com um comunicado à imprensa da agência, agentes viram o grupo perto de San Luis, Arizona, em uma ponte.

Os agentes da Patrulha de Fronteira “determinaram então que o grupo havia cruzado ilegalmente a fronteira internacional para os Estados Unidos. O grupo foi preso e encaminhado para a estação Yuma para processamento ”, informa o comunicado. “As cinco mulheres e os seis homens eram [sic] todos do Irã , um país de interesse especial.”

A agência disse que os agentes do setor de Yuma “se reúnem regularmente com pessoas de todo o mundo”, incluindo os chamados “países de interesse especial”.

“Nos últimos dois anos fiscais, os agentes da Patrulha de Fronteira do Setor Yuma lideraram o país na captura de pessoas que cruzavam ilegalmente o Irã. Os agentes do setor de Yuma detiveram oito cidadãos iranianos em [2020], em comparação com apenas 14 de todos os outros setores de patrulha de fronteira combinados. Até agora em [2021], agentes do setor de Yuma detiveram 14 cidadãos do Irã ”, disse a agência.

A agência não deu outros detalhes sobre o caso.

Em junho passado, agentes da Patrulha de Fronteira anunciaram que prenderam três cidadãos iranianos em Del Rio, Texas.

“Agentes de realização de vigilância linha observaram três indivíduos que tinham apenas atravessado ilegalmente a fronteira”, a agência disse . “Este grupo consistia de uma mãe, pai e filho que mais tarde foram identificados como cidadãos iranianos.”

Agentes da patrulha de fronteira prendem imigrantes ilegais que acabam de cruzar o Rio Grande do México para os Estados Unidos perto de McAllen, Texas, em 18 de abril de 2019 (Charlotte Cuthbertson / The Epoch Times)

Isso no momento em que o presidente Joe Biden enfrenta dois processos judiciais do Texas e do Arizona por causa de recentes ações executivas do governo.

O procurador-geral do Arizona, Mark Brnovich, abriu um processo contra o Departamento de Segurança Interna (DHS) em 3 de fevereiro, depois que a agência emitiu um memorando em 20 de janeiro que impôs uma moratória de 100 dias para algumas deportações.

“A calmaria de 100 dias nas deportações inclui os acusados ​​ou condenados por um crime ” , disse Brnovich no Twitter. “Os encarregados da aplicação da lei disseram ao nosso escritório que estão preocupados com o fato de indivíduos liberados estarem sendo testados para COVID-19.” A ação pede ao Tribunal Distrital dos Estados Unidos no Arizona que decida que a política viola a lei federal.

O procurador-geral do Texas, Ken Paxton, processou no mês passado o governo Biden por causa do congelamento das deportações na semana passada, e o juiz distrital dos EUA, Drew Tipton, em 26 de janeiro emitiu uma ordem de restrição temporária solicitada pelo gabinete do procurador-geral. Isso bloqueou a política de Biden por duas semanas até o final de fevereiro.

A Casa Branca não “forneceu nenhuma justificativa concreta e razoável para uma calmaria de 100 dias nas deportações”, escreveu o juiz Tipton.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas