Agentes aduaneiros dos EUA apreendem saco de pássaros mortos de passageiros que viajavam da China

Uma foto postada no site da Alfândega e Proteção de Fronteiras mostrou que o passageiro estava carregando cerca de 50 aves mortas

Por Jack Phillips

Os agentes aduaneiros dos Estados Unidos disseram que apreenderam um pacote de pássaros mortos na bagagem de um passageiro no aeroporto de Washington Dulles, acrescentando que a pessoa viajou recentemente da China para os Estados Unidos.

A pessoa veio de Pequim no final de janeiro e estava indo para um endereço no Condado de Prince George, Maryland, de acordo com a Alfândega e Proteção de Fronteiras (CPB) em um comunicado à imprensa na segunda-feira. Isso foi antes de as autoridades americanas, no início de fevereiro, implementarem restrições de viagem aos passageiros vindos da China para conter a propagação do coronavírus.

Os agentes realizaram um exame da bagagem, que continha “fotos de um gato e cachorro que o passageiro disse ser comida de gato”, segundo o comunicado à imprensa.

Mas, em vez disso, as autoridades alfandegárias descobriram que a bagagem “continha um bando de pequenos pássaros desconhecidos, com cerca de 5 a 10 cm de comprimento”, informou a agência. Os agentes alfandegários observaram que as aves da China não podem ser importadas para os Estados Unidos devido à ameaça potencial de que eles possam estar portando uma forma de gripe aviária, que devastou fazendas de aves da China nos últimos anos.

Uma foto postada no site da Alfândega e Proteção de Fronteiras mostrou que o passageiro estava carregando cerca de 50 aves mortas.

“Essas aves mortas são proibidas de ser importadas para os Estados Unidos, pois as aves não processadas representam uma ameaça potencialmente significativa para as indústrias avícolas de nosso país e, de maneira mais alarmante, para nossos cidadãos como possíveis vetores da influenza aviária”, disse Casey Durst, do Baltimore Field Office do CPB. , no comunicado de imprensa. “Os especialistas em agricultura de Alfândega e Proteção de Fronteiras continuam a exercer vigilância extraordinária todos os dias em sua luta para proteger a prosperidade agrícola e econômica de nosso país contra pragas invasoras e doenças animais”.

Na segunda-feira, as autoridades de Chinse relataram o primeiro caso de gripe aviária H5N6 em uma fazenda de aves na província de Sichuan, que matou centenas de aves. Dias antes disso, o mesmo tipo de gripe aviária foi descoberto em cisnes em Xinjiang, disseram autoridades.

No início deste mês, a província chinesa de Hunan confirmou um surto de gripe aviária H5N1, que também deixou milhares de aves mortas ou abatidas em outra fazenda. O Ministério da Agricultura do país disse em 2 de fevereiro que 18.000 galinhas foram abatidas em Shaoyang, província de Hunan.

O Departamento de Segurança Interna, no início de fevereiro, disse que aplicará “restrições a todos os voos de passageiros para os Estados Unidos que transportem pessoas que recentemente viajaram de” China em meio à ameaça de coronavírus, que se acredita ter se originado em Wuhan, província de Hubei. As novas regras restringirão os cidadãos americanos que foram à China nos últimos 14 dias após sua chegada, informou a agência na época.

 
Matérias Relacionadas