Agências estudam silenciosamente relatórios de problemas neurológicos pós-vacinação

“As vacinas contra a COVID causam efeitos colaterais neurológicos”, afirma neurologista

Por Zachary Stieber 

Duas agências dos EUA estudam silenciosamente problemas neurológicos que apareceram após a aplicação das vacinas contra a COVID-19, descobriu o Epoch Times.

A Food and Drug Administration (FDA) e os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) estão conduzindo projetos de pesquisa separados sobre problemas neurológicos pós-vacinação, que se manifestam com sintomas como paralisia facial e névoa cerebral e têm sido associados em alguns casos às vacinas, de acordo com e-mails revisados ​​pelo Epoch Times.

Uma tentativa de entender um problema que especialistas de todo o mundo estão lutando para entender está sendo realizada pela Dra. Janet Woodcock, que foi comissária interina da FDA até o dia 17 de fevereiro.

Avaliando pessoalmente os efeitos colaterais neurológicos das vacinas contra a COVID-19 desde pelo menos 13 de setembro de 2021, de acordo com os e-mails, muitos dos quais não foram relatados anteriormente. Os epidemiologistas da FDA também estão coletando dados para analisar os problemas, de acordo com mensagens do Dr. Peter Marks, outro alto funcionário da FDA.

Enquanto isso, uma equipe do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (NINDS) do NIH começou a atender pacientes que relataram lesões por vacina para um estudo no início de 2021, depois de receber reclamações logo após a disponibilização das vacinas. Uma parte dos pacientes foi examinada pessoalmente nas instalações da Bethesda, em Maryland.

Nenhuma das revisões ou estudos parecem ter sido anunciados, e as autoridades de saúde falaram pouco sobre eles publicamente, apesar do crescente reconhecimento entre os especialistas de que pelo menos alguns problemas provavelmente estão ligados às vacinas.

FDA

Woodcock estava ciente dos relatos de problemas pós-vacinação no dia 16 de abril de 2021, de acordo com os e-mails.

Woodcock afirmou que sentia muito pelas provações pelas quais as pessoas estavam passando e que estava tentando encontrar maneiras de examinar o que estava acontecendo. Eventualmente, ela revelou que estava trabalhando em uma avaliação de “efeitos colaterais neurológicos das vacinas contra a COVID 19”, de acordo com um e-mail de 16 de setembro de 2021 revisado pelo Epoch Times.

Instigada por pessoas com lesões de vacina diagnosticadas, Woodcock insistiu que ainda estava trabalhando no projeto.

“Estou aguardando algumas informações dos epidemiologistas que espero obter amanhã”, escreveu ela no dia 16 de novembro de 2021. “Estamos tendo dificuldade em identificar esses eventos relacionados ao sistema nervoso que foram trazidos à nossa atenção. Solicitei pesquisas específicas dos relatórios que recebemos tanto daqui quanto de fora dos EUA (já que essas vacinas foram usadas em muitos países), bem como de ensaios, onde a supervisão dos participantes é maior”.

Woodcock afirmou que estava ciente de que as pessoas que sofrem problemas após serem vacinadas procuravam orientação sobre o tratamento, mas que “não havia muita certeza sobre o que causa os sintomas”.

Woodcock confirmou ao Epoch Times em um e-mail que a avaliação ainda está em andamento e não foi concluída.

“Quando soubermos de algo definitivo, divulgaremos uma declaração, se necessário”, declarou ela.

A FDA regula vacinas, dispositivos médicos e cosméticos, além de outros produtos.

Dra. Janet Woodcock, então comissária interina da Food and Drug Administration, em Washington, no dia 20 de julho de 2021 (Stefani Reynolds/Pool/AFP via Getty Images)
Dra. Janet Woodcock, então comissária interina da Food and Drug Administration, em Washington, no dia 20 de julho de 2021 (Stefani Reynolds/Pool/AFP via Getty Images)

Marks, que dirige o centro da FDA responsável pela regulação de vacinas, escreveu em um e-mail, em novembro de 2021, que epidemiologistas da FDA estão “investigando isso”.

“Trabalho em estreita colaboração com eles e sei que estão muito comprometidos em entender quaisquer eventos adversos que possam ser atribuídos às vacinas que regulamos”, acrescentou.

Marks se encontrou com pacientes relatando lesões por vacinas em várias ocasiões, de acordo com e-mails revisados ​​​​pelo Epoch Times. Ele foi alertado para ambos os casos e estudos sobre possíveis lesões vacinais. Ele muitas vezes escreve que a FDA vai trabalhar com as pesquisas e artigos e continuar acompanhando.

“Continuaremos a avaliar cuidadosamente todos os relatos sérios de eventos adversos após a vacinação contra a COVID-19 e estamos comprometidos com a transparência sobre quaisquer descobertas”, declarou ele em uma carta.

Marks se recusou a responder perguntas, encaminhando-as aos porta-vozes da FDA.

Um porta-voz relatou ao Epoch Times em um e-mail que os sistemas em vigor para monitorar a segurança das vacinas para a COVID-19 identificaram vários problemas “potencialmente associados à vacinação”, incluindo o distúrbio neurológico conhecido como síndrome de Guillain-Barré, a combinação de coagulação do sangue e níveis baixos de plaquetas no sangue, conhecidos como trombose com síndrome de trombocitopenia (TTS), e várias formas de inflamação do coração, incluindo miocardite.

“A chance de esses eventos ocorrerem é muito baixa”, declarou o porta-voz. “Até o momento, os sistemas de monitoramento da segurança da vacina contra a COVID-19 não identificaram sinais de segurança adicionais para resultados neurológicos graves após a vacinação”.

Os epidemiologistas e especialistas da FDA nos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) analisam continuamente os dados do sistema de notificação passiva conhecido como Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) para identificar sinais potenciais que sugerem a necessidade de um estudo mais aprofundado e consulte os especialistas do NIH sobre as análises, segundo o FDA. Os relatórios para o VAERS aumentaram desde que as vacinas da COVID-19 se tornaram disponíveis, e alguns pacientes que apresentaram relatórios do VAERS declararam ao Epoch Times que ninguém os acompanhou.

Autoridades dos EUA descobriram que muitos relatórios enviados ao VAERS não representam realmente efeitos colaterais devido a uma vacina, por motivos como o diagnóstico incorreto, a condição em questão surgindo antes da vacinação ou o paciente ter condições médicas subjacentes “que explicam o evento adverso”, afirmou o porta-voz da FDA. Estudos mostram que o número de notificações ao VAERS muitas vezes sub representa os problemas após a vacinação. Como prova de que “sinais de eventos adversos raros podem ser detectados”, o porta-voz apontou como o governo identificou seis relatórios de eventos adversos, incluindo três mortes, ou de TTS após a vacinação com a vacina Johnson & Johnson.

O CDC lista apenas um evento adverso como tendo “uma relação causal” com uma vacina, sendo TTS na vacina Johnson & Johnson.

‘Efeitos colaterais neurológicos’

O Dr. Avindra Nath, diretor clínico do NINDS do NIH, liderou uma equipe que examinou pacientes com problemas neurológicos graves.

Alguns pacientes voaram para Bethesda, em Maryland, para exames pessoais, enquanto outros consultaram remotamente especialistas do NIH.

Nath e a Dra. Farinaz Safavi, uma das principais deputadas de Nath, afirmaram acreditar que os problemas estão ligados às vacinas.

“Iniciamos um esforço no NIH para analisar os efeitos colaterais neurológicos das vacinas contra a COVID-19”, afirmou Safavi em um e-mail para um dos pacientes no dia 3 de março de 2021.

“Acreditamos que os sintomas sejam reais. Essa é a razão pela qual estamos tratando os pacientes ”, relatou Nath em uma mensagem diferente no dia 27 de julho de 2021.

Os pacientes inicialmente expressaram gratidão à equipe por ajudá-los. Muitos lutaram para obter atendimento de médicos locais ao detalhar como foram vacinados antes que os problemas começassem.

“Finalmente, no NIH, consegui obter diagnósticos apropriados”, afirmou Brianne Dressen, professora de pré-escola que mora em Utah, ao Epoch Times. “Depois que consegui os diagnósticos apropriados dos principais pesquisadores da COVID, meus médicos começaram a me levar a sério”.

Brianne Dressen fala no programa “American Thought Leaders” da EpochTV. (Captura de tela via Epoch Times) 
Brianne Dressen fala no programa “American Thought Leaders” da EpochTV. (Captura de tela via Epoch Times)

Os registros médicos da visita de Dressen mostram que os médicos do NIH a diagnosticaram com “sintomas neurológicos persistentes após a vacina contra o SARS-CoV-2” e “neuropatia pós-vacina”. SARS-CoV-2 é outro nome para o vírus do PCCh (Partido Comunista Chinês), que causa a doença COVID-19. A neuropatia é uma lesão nervosa que pode afetar o sistema nervoso dos pacientes e levar a sintomas que incluem membros fracos, perda de visão e perda de controle muscular.

A Dra. Danice Hertz, gastroenterologista aposentada que mora na Califórnia, foi atendida virtualmente por especialistas do NIH. Não lhe deram um diagnóstico definitivo. Mas Safavi escreveu em uma mensagem para Hertz: “O que está claro aqui [é] que você desenvolveu uma reação imediata à vacina com alguns sintomas sistêmicos continuados pela evolução de características neuropáticas”.

“Sabemos que complicações neurológicas imunomediadas podem ocorrer após a vacinação e após a infecção”, acrescentou.

Os exames foram feitos sob um protocolo de estudo que começou em 2015 chamado “Estudo de História Natural de Doenças Inflamatórias e Infecciosas do Sistema Nervoso”. Nath afirmou ao Epoch Times por e-mail que sua equipe examinou cerca de 10 pacientes, embora ele tenha dado um número diferente à revista Science.

Outras pessoas que tiveram problemas após serem vacinadas relataram ao Epoch Times que as tentativas de obter ajuda do NIH ou de outras agências não foram bem-sucedidas. Angelia Desselle, da Louisiana, por exemplo, foi informada de que poderia viajar para o NINDS e ser vista, mas parou de receber notícias do instituto antes que a visita fosse finalizada.

O NIH é uma agência de pesquisa médica que trabalha para examinar doenças e reduzir os encargos com a saúde. NINDS concentra-se em problemas do cérebro e do sistema nervoso.

Decepção

Mesmo entre os examinados, a empolgação de se conectar com os principais pesquisadores e funcionários do governo se transformou em decepção e frustração quando repetidas consultas deram poucos sinais de progresso na pesquisa sobre problemas pós-vacinação.

Woodcock e Marks muitas vezes só fornecem atualizações depois de serem estimulados, e nenhum deles levou a conversa, que acontecia de maneira privada, para o domínio público.

Nath e Safavi também se distanciaram à medida que 2021 avançava. Eles finalmente pararam de examinar os pacientes. Nath pediu a Dressen que parasse de encaminhar as pessoas a ele, dizendo a ela que “não temos nenhum ensaio clínico para … complicações relacionadas à vacina”.

Dressen respondeu em janeiro que “sempre estará em dívida com você e com o que você fez por mim”, creditando Nath, ao lado do marido, por mantê-la viva. No entanto, ela acrescentou, seu “coração está despedaçado”.

“Estou mais confusa agora do que nunca sobre o que meu envolvimento ativo e voluntário no processo científico realmente significou ou levou a isso”, escreveu ela. “Este será o último e-mail que enviarei”.

“Olhando para trás, posso ver o quão antiético era realmente quando eles estavam nos ajudando”, afirmou Dressen ao Epoch Times.

Ligações privadas e comunicação com médicos que tratam pacientes por lesões relatadas por vacinas ocorreram, mas nenhuma recomendação mais ampla foi divulgada, e as autoridades federais continuaram pressionando a vacinação para praticamente todos os americanos.

Hertz descreveu estar chocado com a falta de reconhecimento público dos problemas pós-vacinação pelo FDA, que liberou as vacinas Moderna e Pfizer em dezembro de 2020 e, desde então, autorizou a injeção da Johnson & Johnson.

“Eles se recusam a reconhecer o que está acontecendo com tantos milhares de pessoas”, relatou Hertz ao Epoch Times. “Fomos completamente abandonados. E estamos desanimados com isso”.

Mensagens conflitantes

Os pacientes sentem que funcionários do governo e cientistas estão transmitindo uma mensagem ao público e outra em particular.

Nath, por exemplo, afirmou recentemente à revista Science que não tem certeza se as vacinas levaram a sérios problemas de saúde dos pacientes.

“Você tem que ter muito cuidado”, declarou Nath à revista, porque “as implicações em tirar a conclusão errada são enormes”.

Dr. Avindra Nath em uma fotografia sem data (NIH)
Dr. Avindra Nath em uma fotografia sem data (NIH)

Ao fazer uma apresentação virtual, em maio de 2021, Nath parecia ter um tom diferente. Mostrando um slide intitulado: “As vacinas contra a COVID-19 podem causar complicações neurológicas”, com algumas complicações como a paralisia de Bell listadas, Nath afirmou que as vacinas “são muito seguras, mas começamos a ver algumas complicações neurológicas com elas”.

Nath também co-escreveu um artigo publicado em julho de 2021, observando que “as complicações neurológicas dessas vacinas”, incluindo derrames e disautonomia, um distúrbio do sistema nervoso, estavam sendo relatadas ao VAERS.

Em um e-mail dp dia 16 de setembro de 2021, Nath pareceu mostrar alguma exasperação ao indicar que as vacinas causam alguns eventos adversos.

“Normalmente, quando qualquer medicamento é lançado, é responsabilidade do fabricante investigar e tratar os efeitos colaterais. Onde estão os fabricantes de vacinas em tudo isso? Você já tentou entrar em contato com eles? Não pode ser responsabilidade do governo ir atrás deles. Eles são uma empresa com fins lucrativos e devem ser eles que recebem o troco [sic]. Você não acha?” ele escreveu.

Dressen afirmou que vê padrões diferentes ao associar condições à COVID-19 versus vinculá-los às vacinas contra a COVID-19.

“É bastante conveniente que essas associações possam ser facilmente vinculadas à COVID e também é meio estranho porque o próprio Nath me disse muitas vezes que é um processo mediado pelo sistema imunológico para aumentar a proteína”, que faz parte da COVID-19 e das vacinas, relatou ela, acrescentando que está ansiosa para que os dados sejam publicados.

Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Johnson & Johnson não responderam aos pedidos de comentários. De acordo com a lei federal, os fabricantes de vacinas estão imunes a processos de responsabilidade, a menos que ocorra “conduta dolosa”. O governo estabeleceu o Programa de Compensação de Lesões por Contramedidas para compensar pessoas lesionadas pelas vacinas, mas nenhuma reclamação por lesões por vacinas ou outras contramedidas foi aprovada até o dia 1º de janeiro. Quatro foram negadas porque “o padrão de prova de causalidade não foi atendido e/ou uma lesão coberta não foi sustentada”, declarou o site do programa.

‘Deixados de fora’

“Essas vítimas de lesões vacinais são deixadas de fora e posso imaginar como estão chateadas”, Barbara Loe Fisher, presidente e cofundadora do National Vaccine Information Center, que defende a transparência em torno vacinas, declarou ao Epoch Times.

“O NIH e o CDC devem fazer a investigação sobre os relatos de disfunção cerebral após a vacinação contra a COVID com a mais alta prioridade, e a FDA deve liberar imediatamente as 450.000 páginas de dados de ensaios clínicos da Pfizer em Comirnaty”, acrescentou ela, referindo-se à lenta produção dos documentos dos teste da Pfizer e utilizando o nome da marca da vacina da Pfizer.

Questionado se sua equipe fez progressos na identificação de por que algumas pessoas sofrem problemas neurológicos após receber uma vacina contra a COVID-19, Nath disse ao Epoch Times: “Não sabemos o que torna algumas pessoas vulneráveis ​​a complicações de vacinas em geral”.

“Isso exigirá grandes estudos epidemiológicos para determinar comparações entre vacinas”, acrescentou ele em resposta a uma pergunta sobre uma das vacinas estar ligada a mais casos do que as outras.

Nath afirmou que sua equipe parou de tratar pacientes porque “os cuidados clínicos são melhor fornecidos por médicos da comunidade ou de outras instituições acadêmicas”.

Nath enviou as descobertas de sua equipe como uma série de casos observacionais a duas revistas médicas em março de 2021, mas nenhuma delas aceitou o manuscrito. “Nenhuma razão foi dada”, afirmou um porta-voz da NANDS, agência de Nath, ao Epoch Times por e-mail. Eles se recusaram a nomear os jornais. O Epoch Times apresentou solicitações da Lei de Liberdade de Informação para o manuscrito e missivas adicionais de Nath e Safavi. O estudo ainda estava em andamento em meados de 2021, e Nath declarou à revista Science que a equipe enviou uma série de casos de 23 pacientes para um terceiro jornal em janeiro.

“Não há dados mostrando que as vacinas causaram os sintomas nesses pacientes. É importante notar que há uma diferença entre causa e associação. Causa significa que a exposição produz o efeito e geralmente é determinada por um grande estudo epidemiológico. Uma associação é uma relação entre duas variáveis, mas uma variável não necessariamente faz com que a outra aconteça”, acrescentou o porta-voz da agência.

Essa visão não é universal.

“As vacinas contra a COVID causam efeitos colaterais neurológicos”, afirmou o Dr. Josef Finsterer, neurologista da Klinik Landstrasse na Áustria, ao Epoch Times por e-mail. Ele publicou recentemente uma revisão de estudos detalhando eventos neurológicos pós-vacinação.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas