Agências dos EUA solicitam à FCC que proíba a China Telecom operar no país

"As agências identificarm "riscos substanciais e inaceitáveis ​​à segurança nacional e à aplicação da lei"

Por Cathy He

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ) e outras agências federais, em 9 de abril, instaram a Comissão Federal de Comunicações (FCC) a revogar a autorização da empresa de regime chinesa China Telecom para fornecer serviços de telecomunicações internacionais nos Estados Unidos.

As agências – incluindo o Departamento de Defesa, Segurança Interna e Comércio, entre outras – fizeram essa recomendação após uma análise da empresa liderada pelo DOJ, identificando “riscos substanciais e inaceitáveis ​​à segurança nacional e à aplicação da lei” nas operações da China Telecom, de acordo com um comunicado de imprensa do DOJ. A China Telecom é a subsidiária americana da empresa de telecomunicações chinesa China Telecommunications Corp.

A medida ocorre em meio ao crescente escrutínio dos Estados Unidos sobre ameaças à segurança colocadas por empresas chinesas, inclusive na área de telecomunicações. Na semana passada, o presidente Donald Trump emitiu uma ordem executiva para estabelecer um comitê que revisará questões preocupantes de segurança nacional que surgem de empresas estrangeiras que desejam participar das redes de telecomunicações dos EUA.

E em maio passado, o governo proibiu a gigante chinesa de telecomunicações Huawei de fazer negócios com empresas americanas por razões de segurança nacional. As autoridades americanas citaram preocupações de que o equipamento da empresa pudesse ser usado pelo regime chinês para espionar ou interromper as redes de comunicação.

O Departamento de Justiça disse que a recomendação mais recente se baseou em várias preocupações, incluindo a de que a China Telecom é “vulnerável à exploração, influência e controle” pelo regime chinês.

Ele disse que a natureza das operações da empresa nos Estados Unidos ofereceu oportunidades para os atores apoiados pelo regime chinês “se envolverem em atividades maliciosas de computador que permitem espionagem econômica e a interrupção e desvio das comunicações americanas”.

O Departamento de Justiça acrescentou que a empresa não havia cumprido os termos de um contrato de 2007 com o departamento, sem fornecer mais detalhes.

A China Telecom também fez declarações imprecisas às autoridades dos EUA sobre onde a empresa armazenou seus registros nos EUA, levantando dúvidas sobre quem tem acesso a esses registros, disse o departamento. Também fez declarações públicas imprecisas sobre suas práticas de segurança de computadores, levantando preocupações sobre o cumprimento das leis de privacidade e segurança de computadores dos EUA, acrescentou o Departamento de Justiça.

“A segurança de nossas comunicações profissionais e governamentais, bem como de nossos dados mais particulares, depende do uso que fazemos de parceiros confiáveis ​​em países que compartilham nossos valores e nossas aspirações pela humanidade”, disse o Secretário de Justiça Adjunto da Segurança Interna John C. Demers em um comunicado. “A ação de hoje não passa de nosso próximo passo para garantir a integridade dos sistemas de telecomunicações da América”.

Um porta-voz da FCC disse que a agência estava investigando o assunto. “Agradecemos a opinião das agências do ramo executivo e a revisaremos com cuidado”, disse o porta-voz em um email.

Esta não é a primeira vez que a China Telecom é interrogada nos Estados Unidos.

Em setembro passado, o líder da minoria do Senado, Chuck Schumer (DN.Y.) e o senador Tom Cotton (Arizona) pediram à FCC que analisasse as aprovações da China Telecom e da China Unicom, outra empresa do regime chinês de telecomunicações, para operar nos Estados Unidos.

“Essas empresas estatais continuam a ter acesso às nossas linhas telefônicas, cabos de fibra ótica, redes celulares e satélites de maneiras que possam dar à [China] a capacidade de direcionar o conteúdo das comunicações dos americanos ou de suas empresas e do governo dos Estados Unidos, inclusive através do ‘seqüestro’ do tráfego de telecomunicações, redirecionando-o pela China”, escreveram os senadores na época.

Em junho passado, grande parte do tráfego de dispositivos móveis na Europa foi desviada por duas horas por meio de sistemas controlados pela China Telecom. Especialistas da empresa de tecnologia americana Oracle investigaram o incidente e descobriram que empresa “sequestrou” o tráfego móvel, um tipo de hacking chamado seqüestro de protocolo de limite de entrada (BGP).

A empresa também esteve envolvida em vários outros seqüestros de BGP nos últimos anos, incluindo nos Estados Unidos, de acordo com um estudo de 2018 publicado no Journal of the Military Cyber ​​Professionals Association. O relatório disse que os seqüestros poderiam fazer parte da nova estratégia do regime chinês, que usa métodos mais sutis para roubar dados de redes ou empresas direcionadas.

O relatório observou que, usando esse método, o regime chinês poderia acessar a rede de uma organização, roubar dados valiosos, adicionar plug-ins maliciosos ao tráfego aparentemente normal ou simplesmente modificar ou manipular as informações.

No ano passado, em maio, a FCC também votou por unanimidade negar a outra empresa do regime de telecomunicações chinês, a China Mobile, o direito de prestar serviços nos Estados Unidos, citando os riscos que o regime chinês poderia usar para realizar espionagem contra o governo dos Estados Unidos.

Joshua Philipp contribuiu para este relatório.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

 
Matérias Relacionadas