Aeroviários ameaçam estragar o Natal: paralisação está prevista para segunda-feira

Sem revelar locais e horários, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil da Central Única dos Trabalhadores (FENTAC) planeja um ato para a próxima segunda-feira (22), contra o que chama de “intransigência” do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (SNEA), conforme reportagem do Portal R7.

Leia também:
Gás de cozinha e condominial ficou mais caro desde ontem
Geração de empregos no Brasil despenca 82% em novembro
Parlamentares concedem 26% de reajuste para os próprios salários. Salário-Mínimo só deve ter 8,8% de reajuste

Não houve progressos na série de negociações entre as companhias aéreas, defendidas pelo Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA), e os aeroviários. A SNEA não mudou a proposta de reajuste salarial de 6,33%, que inclui a compensação total da inflação acumulada até 1º de dezembro – data-base da categoria -, determinada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), sem aumento real, comunicaram a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac) da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Sindicato Nacional dos Aeroviários.

A exigência dos trabalhadores é de 11% de aumento salarial e aplicação do INPC nos outros itens econômicos. Conforme o sindicato dos aeroviários, nem nas cláusulas sociais houve avanços. A última rodada de negociação aconteceu na última quinta-feira (18).

Devido a não conseguirem maiores progressos nas negociações, os trabalhadores decidiram em assembleia fazer protestos surpresas em aeroportos a três dias do Natal, quando os saguões deverão estar abarrotados de pessoas em busca de passar as festas com amigos e familiares. “Toda a base está mobilizada para esta data. Faremos uma atividade que mostrará o poder de organização dos trabalhadores. O formato será uma surpresa, aguardem”, disse o presidente do Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos e diretor financeiro da FENTAC, Orisson Melo.

Na quinta-feira passada (18), as empresas aéreas sugeriram um reajuste acima da inflação nos benefícios, como vale-refeição e cesta básica, mas sem oferecer qualquer índice aos trabalhadores. “Eles querem avançar apenas nos benefícios, mas não apresentam um valor, fica complicado negociar”, salientou o presidente da FENTAC/CUT, Sérgio Dias.

Segundo ele, esse pequeno progresso só se deu por causa da paralisação relâmpago que as categorias realizaram no dia 15 de dezembro, no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. “As empresas viram que os trabalhadores não vão deixar de lutar por uma proposta digna”, ressaltou.

Ficou agendada uma nova rodada de negociações para o próximo dia 7 de janeiro, segundo o Estadão. O sindicato da categoria já marcou uma assembleia geral extraordinária (AGE), com o objetivo de apreciar as “contrapropostas das empresas para renovação da Convenção Coletiva de Trabalho”.

Tanto os aeroviários quanto a Fentac esperam que os aeronautas se juntem ao ato, já que a proposta para a categoria não tem diferenças significativas daquela dos aeroviários.

 
Matérias Relacionadas