Aécio Neves afirma que Lula não é opção para o PSDB, após encontro do petista com FHC

Por Bruna Lima, Terça Livre

Após encontros entre os ex-presidentes do Brasil Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na sexta-feira (21), personalidades do Partido da Social Democracia Brasileira avaliaram como negativo o evento.

De acordo com Lula, o encontro aconteceu a convite do ex-ministro da Justiça e do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelson Jobim.

Em entrevista ao Estadão, o deputado federal e ex-presidente do PSDB, Aécio Neves, declarou que o ex-presidente petista não é uma opção para o partido.

“O PSDB deve continuar a busca de uma candidatura ao centro, e há sinais claros de que além dos nomes colocados até aqui, o senador Tasso (Jereissati) começa a considerar realmente uma candidatura. Lula nunca foi, e não acredito que será uma opção para o PSDB”, afirmou.

De acordo com informações divulgadas, alguns chamados “caciques tucanos” também avaliaram que a associação entre os dois antigos adversários enfraquece a tentativa de lançar uma candidatura de centro em 2022.

“O PSDB deve continuar a busca de uma candidatura ao centro, e há sinais claros de que além dos nomes colocados até aqui, o senador Tasso (Jereissati) começa a considerar realmente uma candidatura. Lula nunca foi, e não acredito que será uma opção para o PSDB”, afirmou o ex-presidente do partido ao Estadão.

Apesar de criticar a aproximação com Lula, Neves afirmou que o ex-presidente do PSDB pode conversar “com quem quiser”.

Outro dos nomes cotados pelo partido para a pré-candidatura à presidência em 2022, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, também descarta uma aliança com o petista.

“Num país democrático é natural que dois ex-presidentes possam conversar sobre política. Mas num país democrático também é natural que não se esqueça da história e nem se negue o passado. Conversar com todos é premissa de quem deseja o fim do ‘nós contra eles’ (algo que foi, inclusive, muito incentivado pelo PT), mas eu não aceito que o Brasil ande para trás. Confio que FHC também não”, disse Leite.

Em outubro deste ano o PSDB irá dar início ao processo de prévias para definir a candidatura presidencial tucana. Além de Tasso Jereissati, do Ceará, e Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, João Doria (SP), governador de São Paulo, e o ex-prefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio, também são nomes visados.

Segundo a Folha de São Paulo, em uma nota assinada pelo presidente do partido, Bruno Araújo, reiterou-se que seu “partido segue firme na construção de uma candidatura distante dos extremos que se estabeleceram na democracia brasileira.”

O assunto foi pauta do Boletim da Noite desta sexta-feira (21). Os analistas Bruno Dornelles e Allan dos Santos evidenciaram o cenário do Teatro das Tesouras.

Em seus comentários, Dornelles e Allan dos Santos relembraram que a parceria da falsa direita, ou do Centrão com a esquerda, somente alimenta a atuação extremista no país, definindo assim o Teatro das Tesouras.

Eles ainda lembraram a atuação de Ciro Gomes, do PDT, para as eleições de 2022, que já tem gerado uma disputa interna da esquerda.

Para Bruno Dornelles, a tentativa de diálogo do PT com o PSDB revela o desespero do partido para o pleito do ano que vem.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas