Administração Trump designa Cuba como patrocinadora estatal do terrorismo

Por Jack Phillips

O governo Trump redesignou Cuba como um Estado patrocinador do terrorismo e vai impor novas sanções nos próximos dias.

O secretário de Estado Mike Pompeo anunciou a medida em um comunicado em 11 de janeiro, observando o abrigo cubano de fugitivos e seu apoio ao ditador socialista venezuelano Nicolas Maduro.

O país comunista também foi sinalizado pelo Departamento de Estado por “apoiar repetidamente atos de terrorismo internacional ao conceder porto seguro a terroristas”, segundo o comunicado.

Entre eles está Joanne Chesimard, conhecida como Assata Shakur, um ex-membro do Exército Marxista de Libertação Negra que foi promovido pelos fundadores do movimento Black Lives Matter. Chesimard, 73, foi condenada e sentenciada por ser cúmplice do assassinato em primeiro grau de um policial estadual de Nova Jersey no início dos anos 1970, antes de ser libertada da prisão anos depois; mais tarde ela fugiu para Cuba.

O FBI a colocou na Lista de Terroristas Mais Procurados em 2013.

Outros terroristas designados que estão sendo abrigados por Cuba incluem Ishmael LeBeet, que foi condenado por matar oito pessoas nas Ilhas Virgens dos EUA em 1972, bem como Charles Lee Hill, que matou um policial do Estado do Novo México em 1971, entre outros, de acordo com para o Departamento de Estado.

O governo Trump adotou uma postura muito mais dura contra Cuba após um período de relativo aquecimento no governo Obama, quando Cuba foi retirada da lista de “Estados patrocinadores do terrorismo”. O ex-presidente Barack Obama se tornou o primeiro presidente a visitar Cuba desde que o Partido Comunista liderado por Fidel Castro assumiu – e o primeiro presidente a visitar Cuba desde 1928.

O presidente eleito Joe Biden endossou o esforço quando era vice-presidente do presidente Barack Obama.

Mas a administração Trump aumentou as restrições de voos, restrições comerciais e impôs penalidades financeiras. O ex-conselheiro de segurança nacional de Trump, John Bolton, foi um dos principais proponentes da redesignação de Cuba como um Estado patrocinador do terrorismo.

Além de abrigar fugitivos, de acordo com o Departamento de Estado, Cuba está se envolvendo em “comportamento maligno” na América do Sul e no Caribe. O país desenvolveu laços estreitos com a Venezuela e forças leais a Maduro, ao mesmo tempo que atualmente apoia militantes marxistas das FARC na Colômbia.

“A designação de hoje sujeita Cuba a sanções que penalizam pessoas e países envolvidos em certos negócios com Cuba, restringe a assistência externa dos EUA, proíbe exportações de defesa” e impõe outras penalidades, disse o Departamento de Estado.

Anteriormente, o governo Trump sugeriu que Cuba estava por trás dos supostos ataques que deixaram dezenas de diplomatas americanos em Havana com lesões cerebrais, a partir de 2016, possivelmente por radiação de microondas.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas