Adereços do Shen Yun: O que faz uma dama, um monge e um guerreiro (7 de 9)

2012/08/09

Mulan triunfante no campo de batalha, com representado em uma dança no Novo Ano de Gala da NTDTV em 2006 em Chicago. (The Epoch Times)Arte Divina – uma janela para a genialidade do Shen Yun Performing Arts, Parte 7

Perdida no Ocidente, a essência de uma antiga cultura ascende no Oriente. Esta é a 7ª parte de uma série composta de nove artigos que explora a cultura chinesa tradicional a fim de revelar um entendimento mais profundo da genialidade da companhia de dança chinesa clássica localizada em Nova Iorque, o Shen Yun Performing Arts.

Uma introdução aos adereços do Shen Yun

Balançando, girando e batendo nas mãos dos dançarinos do Shen Yun estão vários adereços engenhosos concebidos para reforçar, auditiva e visualmente, as histórias contadas através da coreografia.

A cada ano, o Shen Yun Performing Arts traz um novo programa de palco para todo o mundo, e cada número de dança é uma fotografia de um momento da história cultural chinesa. Abaixo estão algumas das formas de adereços utilizados para transformar bailarinos em personagens do passado da China antiga.

Do que é feita uma dama

Nos tribunais Imperiais, os membros do sexo feminino da elite eram distinguidos pelo seu elegante vestido. Na Corte da Dinastia Qing, uma mulher Manchuriana usava sapatos plataforma altos e um elaborado adorno na cabeça que lhe fornecia um ar nobre e mesmo um caminhar estilizado. Para realçar a sua beleza, as senhoras carregavam delicados lenços de seda que oscilavam a cada passo e enfatizavam seus gestos elegantes.

Mangas longas e penduradas sobre os vestidos das senhoras, típicas da costura da Dinastia Tang, também atuam como adereços da mesma maneira. Com o abrir e fechar dos braços na dança, as mangas coloridas produzem um efeito no palco e imita o luxo da corte.

Considerando que em algumas peças, as dançarinas retratam a alta elegância da vida na corte, em outros, elas retornam como artistas folclóricas alegres. Em uma peça chamada ‘Forsythia in Spring’, dançarinos giram lenços laranjas frisados em suas mãos e jogam-nos abertos ao ar. Juntos, os bailarinos e lenços produzem o efeito de flores desabrochando no campo.

Leques são outra característica popular na dança clássica chinesa. Eles podem ser de seda, penas, ou equipados com longas tiras de tecido que balançam.Quando os bailarinos se tornam fadas marinhas, eles carregam leques de ombro tingidos de seda azuis que brilham como uma cachoeira quando acenam. Em uma dança intitulada Flores de Ameixa, dançarinos carregam leques-cor-de-rosa que abrem no final da peça, como botões de flores de ameixa em pleno inverno.

Do que é feito um monge

Lendas chinesas frequentemente mostram figuras carregando cuias que médicos divinos usavam no tratamento de pacientes; Tieguai Li, um dos Oito Imortais do Taoísmo, sempre teve uma cuia de ouro pendurada no ombro, e o excêntrico monge Ji Gong nunca tirou sua cuia de vinho do seu lado. O monge bêbado Lu Zhishen, que estrelou uma dança do Shen Yun em 2011, tinha uma cuia amarrada na cintura. Chang’e, que se apresentou em 2007 em um número do Shen Yun, bebeu uma poção mágica de uma cuia e voou para a lua como efeito.

A cuia é um tipo de planta trepadeira da família das cucurbitáceas, que também inclui a abóbora e o melão. Pessoas antigas utilizavam cuias como em frascos de pó de rapé e vasos de flores. Eles também eram utilizados como recipientes para água, remédios e bebidas alcoólicas. Cuias em formato de garrafas têm a capacidade para preservar o sabor do vinho para um tempo muito longo.

Um espanador taoista é outro adereço comum para designar um homem espiritual. Muitas atuações do Shen Yun retratam um sábio taoista, com cabelos brancos e uma longa barba, ensinando aos seus discípulos, enquanto brande uma longa bata feita de cânhamo e pêlos de animais ligados a um cabo de madeira. Sacerdotes e monges taoistas levavam batedeiras durante suas peregrinações espirituais. Abades, zen budistas, também as carregavam aos sermões. O espanador, assim, simboliza a majestade e solenidade de ensinamentos espirituais.

Na cultura taoista, acredita-se que os espanadores têm o poder de varrer os desejos mundanos e pensamentos carnais, dando um sentido de transcendência do reino mortal. Outra interpretação retrata demônios e espíritos malignos, como o lixo deste mundo, e o espanador taoista como instrumentos mágicos com o poder de exorcizá-los.

Do que é feito um herói

Nada anuncia o poder e majestade de um exército imperial como estouro dos tambores de batalha. Com um som tão majestoso que podia ser ouvido de longe, o tambor de batalha tornou-se decisivo para estimular o moral de um exército. Batidas diferentes guiavam os soldados a diferentes formações, com um ritmo para ‘ataque’ e outro para ‘retirada’, por exemplo.

Não sendo hoje um instrumento de guerra, tambores de batalha desde então se tornaram uma forma de arte popular; sua batida poderosa e retumbante ainda despertam um espírito heróico emocionante. Esses tambores chineses são tocados com simples ritmos e dinâmica claramente definidos. Eles são essencialmente usados para expressar o espírito do povo chinês.

O casco dos tambores chineses são frequentemente feitos de madeira, e a boca do tambor de pele de animal. Geralmente, quanto maior o diâmetro do tambor, menor a sua frequência. Para efeitos sonoros variados, os bateristas batem em partes diferentes do tambor, tal como o aro, onde a pele fica sobre a madeira, os lados do tambor, ou mesmo nos pregos metálicos utilizados para manter o couro no lugar.

Outros tambores que não estão restritos aos campos de batalha são tambores de cintura e tambores de mão octogonais.

O tambor da cintura, em forma de ampulheta, é tocado na frente do abdômen e amarrado à cintura por fitas de seda coloridas, permitindo que aos bateristas grande mobilidade enquanto dançam. Esses tambores chineses tocam ritmos alegres principalmente, em especial, próximos do tempo de colheita.

Os oito lados do tambor de mão octogonal representam as oito bandeiras usadas pela etnia dominante Manchu durante a Dinastia Qing e são especialmente populares no Nordeste chinês.

Além da bateria, o que definia os guerreiros eram, é claro, as armas. O armamento militar chinês é uma vasta categoria, com centenas de tipos de armas, muitos dos quais não têm uma contraparte ocidental. Nos programas do Shen Yun, relatos históricos e mitológicos, por vezes, possuem uma arma tradicional, e os heróis famosos geralmente possuem uma poderosa arma em particular, muitas vezes associada a poderes mágicos.

Por exemplo, o Rei Macaco (de Jornada para o Oeste) tinha um bastão com uma capacidade mágica de assumir desde o tamanho de uma agulha à altura de uma coluna imponente. A Lâmina Crescente do Dragão Verde de Guan Yu, do Romance dos Três Reinos, pode cortar qualquer coisa, ajudando o poderoso general a ganhar inúmeras batalhas.

As pessoas comuns ou guerreiros têm armas mais familiares, como saberes, espadas retas, arcos, lanças e cajados.

Shen Yun inventa adereços incontáveis adereços para trazer à vida as tropas da cultura chinesa, e cada um baseia-se nas ricas tradições do povo Han. No entanto, o Shen Yun também apresenta danças que se originam de grupos étnicos minoritários na China.

Por exemplo, a dança da Bacia de Dança (2007) mostra a forma como as mulheres mongóis cumprimentar os convidados, equilibrando os pratos em cima de suas cabeças enquanto dançam. ‘Chopstocks Zest’ (2008) transforma pacotes de pauzinhos em instrumentos rítmicos, seguindo o costume mongol no qual os instrumentos de pauzinhos são transformados em instrumentos contra seus corpos, produzindo batidas distintas e vigorosas.

Compilado com permissão de http://www.shenyunperformingarts.org/learn.

O Epoch Times orgulha-se de patrocinar o Shen Yun Performing Arts. Para saber mais sobre o Shen Yun Performing Arts e a cultura chinesa, veja o calendário de 2012 do Shen Yun na tour mundial de 2012, e para informação sobre os tickets, por favor, visite www.shenyunperformingarts.org

Ir para:

Roupas do Shen Yun: explorando a Bela Arte da vestimenta chinesa (6 de 9)

as do Shen Yun: explorando a Bela Arte da vestimenta chinesa (6 de 9)