Delatora final de Ghislaine Maxwell toma posição e faz alegações angustiantes

Por Jack Phillips

A quarta e última vítima tomou posição na sexta-feira durante o julgamento federal de tráfico sexual de Ghislaine Maxwell, testemunhando que a socialite britânica fez investidas sexuais em sua direção e a tocou de forma inadequada.

Annie Farmer, a suposta vítima, usou sua verdadeira identidade. Três supostas vítimas anteriores usaram pseudônimos ou seus primeiros nomes.

Durante seu testemunho, Farmer disse que tinha 16 anos quando visitou Maxwell e Jeffrey Epstein, o financista que foi encontrado morto em agosto de 2019 em uma cela de prisão em Manhattan, em seu rancho no Novo México em 1996. Ela disse que sua irmã mais velha trabalhava para Epstein no momento.

Em um ponto no rancho, Maxwell a tocou inadequadamente.

“Depois que ela puxou o lençol, me senti meia congelada”, Farmer testemunhou na sexta-feira, de acordo com repórteres no tribunal. Mais tarde, durante a viagem, ela acrescentou, Epstein foi para a cama dela, onde estava dormindo, antes que ela pedisse licença para ir ao banheiro.

Epstein e Maxwell supostamente agrediram sexualmente sua irmã mais velha, Mara, em Ohio, de acordo com os documentos judiciais em um caso separado.

Maxwell é acusada de recrutar e preparar meninas para serem abusadas por Epstein entre 1994 e 2004. Ela se declarou inocente de seis acusações decorrentes do alegado abuso de quatro vítimas, incluindo tráfico sexual de uma menor e aliciamento de uma menor.

Na terça-feira, uma mulher que usou seu primeiro nome, Carolyn, alegou que Maxwell também a tocou inadequadamente e disse que ela seria “ótima” para “Epstein e seus amigos”, embora ela tivesse 14 anos na época. Outras testemunhas incluíram alguns depoimentos sobre as conexões de Epstein e Maxwell com indivíduos de alto perfil, incluindo o ex-presidente Bill Clinton, Príncipe Andrew e outros.

Durante anos, Farmer falou contra Epstein e Maxwell, inclusive durante uma audiência em 2019 após a prisão de Epstein. Ela se referiu a Maxwell como um “predador sexual” em sua audiência sobre fiança meses atrás, acrescentando que o “perigo que Maxwell representa deve ser levado a sério”.

Maxwell, 59 anos, negou as acusações de ter preparado meninas menores para Epstein, que foi condenado por tráfico sexual em 2008. Seus advogados dizem que o governo está fazendo dela um bode expiatório para supostos crimes sexuais cometidos por seu ex-namorado.

Ela continua na prisão desde que foi presa em New Hampshire em julho de 2020. O escritório de um médico legista decidiu há vários anos que Epstein se matou enquanto estava na prisão em 2019 por diferentes acusações de tráfico sexual, embora por causa de suas ligações com políticos importantes, celebridades e líderes empresariais, tem havido especulação desenfreada sobre a causa da sua morte.

A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas