Açúcar: uma droga viciante e perigosa?

Saia do caminho, cigarro! O açúcar está assumindo o papel de inimigo número um da saúde pública

Por Conan Milner, Epoch Times

Nós todos sabemos que comer muito açúcar não é bom para nós, mas o doce se qualifica como uma droga perigosa e viciante.

A maioria dos médicos e cientistas permanece hesitante em usar as palavras “drogas” e “dependência” para descrever o açúcar. É uma indulgência, talvez, mas devemos ser capazes de mediar com o bom e velho autocontrole.

No entanto, nossa ingestão aumentou notavelmente. Há duzentos anos, o americano médio ingeria 2 quilos de açúcar por ano. Hoje, cada um de nós come cerca de 68 quilos por ano, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos.

Parte da razão pela qual os especialistas temem rotular o açúcar como droga é que ele sempre fez parte da dieta humana. Embora os alimentos processados ​​contenham muitos açúcares adicionados, alimentos integrais como leite, frutas, verduras e grãos também possuem naturalmente alguma quantidade de açúcar. A diferença é que em alimentos naturais, o açúcar sempre vem misturado com nutrientes, como antioxidantes, magnésio e vitaminas do complexo B, que servem para reduzir a resposta inflamatória e a perturbação hormonal que o açúcar por si só pode desencadear.

Sabemos que mais açúcar também significa mais calorias, mas nos disseram que, se pudermos queimar essas calorias vazias, doces não causarão danos permanentes.

No entanto, nos últimos anos, uma nova narrativa sobre o açúcar foi adotada. Estudos feitos em grande escala mostram agora que o consumo excessivo de açúcar aumenta significativamente o risco de obesidade, diabetes e doenças cardíacas e inflamação crônica. A inflamação também acelera o processo de envelhecimento e pode levar ao câncer.

Para evitar tais problemas, os nutricionistas recomendam que não devemos comer mais do que 10% de nossas calorias diárias em açúcar. A maioria de nós come mais de três vezes esse valor e parece que não conseguimos parar. O entendimento predominante é que somos simplesmente atraídos pelo gosto sedutor de alimentos hiper-saborosos, mas algumas pesquisas apontam para um nível de dependência fisiológica do açúcar que pode rivalizar com a cocaína e o tabaco.

Corrida do açúcar

Um artigo recente publicado no British Journal of Sports Medicine analisou a evidência do potencial do açúcar para ser uma droga perigosa e viciante. Ele mostra algumas semelhanças surpreendentes entre açúcar e vícios mais pesados.

Um dos autores, o Dr. James DiNicolantonio, pesquisador e cientista cardiovascular do Saint Luke’s Mid America Heart Institute, no Kansas, e autor do livro “The Salt Fix”, aponta que a forma de produção do açúcar se assemelha a de outras drogas viciantes.

“O açúcar é processado da mesma forma que a cocaína e a heroína são processadas a partir das plantas de coca e papoula”, disse DiNicolantonio. “Você pega a cana-de-açúcar, reduz a calda, retira todos os nutrientes e a refina até o ponto de uma substância branca pura e cristalina”.

Alimentos deliciosos de qualquer forma estimulam o prazer e recompensas químicas no cérebro, mas o efeito do açúcar concentrado é excepcionalmente intenso. Pergunte a alguém com queda por doces: nada traz mais alegria do que o açúcar.

DiNicolantonio observa que isso se deve em parte à relação destrutiva entre o vício do açúcar e os níveis de dopamina no cérebro.

“Você acaba consumindo constantemente açúcar para aumentar seus níveis de dopamina e se sentir bem”, disse ele. “Você está recebendo esses altos quando você come açúcar e fica baixo quando você não come. É um ciclo vicioso”.

Um efeito semelhante a montanha-russa acontece na corrente sanguínea. Uma dose considerável de açúcar aumenta nossos níveis de glicose no sangue, que depois colide quando o corpo processa o brownie, o sorvete ou o refrigerante, nos deixando famintos por mais açúcar na tentativa de se estabilizar.

O açúcar extra faz com que a insulina também aumente. Com o tempo, esses picos de insulina podem levar à resistência à insulina, problemas no fígado e, eventualmente, diabetes tipo 2, segundo Carolyn Dean, médica, naturopata e autora de vários livros sobre saúde e nutrição.

“Sim, o açúcar é uma droga perigosa e viciante”, disse Dean ao Epoch Times em um e-mail.

Ao contrário dos nutrientes essenciais — gorduras, proteínas, vitaminas e minerais — nossos corpos não precisam de açúcar. Mas em tempos de escassez, alimentos doces podem ser críticos para nossa sobrevivência. O açúcar estimula nossos corpos a criar gordura, que serve como armazenamento de energia para nos manter em atividade até termos acesso a alimentos mais nutritivos.

Mas esse mecanismo biológico que sustentou nossos ancestrais trabalha contra nós em um mundo rico em açúcar. Quando comemos açúcar em qualquer forma, ele sinaliza ao pâncreas para secretar insulina, o que permite que as células usem o açúcar como energia. No entanto, se comermos muito açúcar com muita frequência, perderemos o acesso a nossas reservas mais nutritivas.

“Você [se torna] fisiologicamente dependente de açúcar para gerar energia porque não consegue acessar sua energia armazenada — gordura e proteína — devido aos altos níveis de insulina”, disse DiNicolantonio.

Prazer puro, perigo oculto

Então, se o açúcar realmente é perigoso, por que os perigos só estão emergindo agora e por que o consenso científico permanece indefinido?

Uma razão é que informações críticas foram enterradas por décadas. A edição de novembro de 2016 do JAMA relata que os pesquisadores já  haviam entendido que o consumo elevado de açúcar foi um dos responsáveis pela doença arterial coronariana na década de 1950. Para evitar a propaganda negativa, a indústria açucareira patrocinou um programa de pesquisa em Harvard que lançou com sucesso dúvidas sobre os riscos do açúcar e, ao mesmo tempo, promoveu a gordura como a causa da doença.

Mas nem todo mundo foi enganado. Em 1972, o cientista britânico e professor de nutrição John Yudkin publicou “Pure, White e Deadly”, um livro detalhando a evidência do papel nocivo do açúcar em nossa saúde. Sua postura anti-açúcar era tão controversa que lhe custou sua reputação e acabou com sua carreira de pesquisador.

Evidências sugerem que a influência da indústria de alimentos continua a obscurecer nossa compreensão dos efeitos nocivos do açúcar. Em 2016, pesquisadores da Universidade da Califórnia examinaram todos os estudos sobre consumo de refrigerantes em relação à obesidade e diabetes publicados desde 2000. Eles descobriram que estudos liderados por pesquisadores independentes revelaram uma ligação clara, enquanto aqueles patrocinados pela indústria de refrigerantes não viram nenhuma conexão.

Mais confusão vem dos diferentes nomes dados aos açúcares concentrados, como o suco de cana evaporado ou os cristais de cana, que sugerem uma forma mais saudável. Há também o açúcar mais doce, feito à base de milho, xarope de milho rico em frutose (HFCS) — um produto que já foi promovido como uma alternativa mais saudável ao açúcar. Os cientistas descobriram desde então que o HFC causa mais inflamação e promove mais doença do fígado gorduroso e resistência à insulina do que o açúcar comum.

Mas um número crescente de médicos está acordando. Talvez o mais conhecido guerreiro contemporâneo anti-açúcar seja o Dr. Robert Lustig, endocrinologista pediátrico da Universidade da Califórnia especializado no tratamento da obesidade infantil. Lustig considera tanto o açúcar quanto o HFC não apenas drogas perigosas e viciantes, mas também venenos. Ele chama esses concentrados de açúcar de “álcool de criança“, em referência à dependência e efeitos destrutivos que recaem sobre os jovens usuários.

Em seu último livro, “The Hacking of the American Mind: The Science Behind the Corporate Takeover of Our Bodies and Brains”, Lustig argumenta que nossa fome insaciável por açúcar moldou nosso senso de prioridades. Seu livro aponta para a evidência de que a corrida altamente estimulante da dopamina proveniente do consumo habitual de açúcar nos condicionou a buscar prazeres intensos e de curta duração, em vez de felicidade genuína, preparando-nos para uma vida de dependência e depressão crônica.

“O prazer é o declive traiçoeiro da tolerância do vício, enquanto a felicidade é a chave para uma vida longa”, escreve ele. “Mas, se não entendermos o que realmente está acontecendo com nossos cérebros, seremos presas de indústrias que capitalizam nossos vícios em nome da venda de felicidade”.

Ficando limpo

DiNicolantonio diz que nunca houve um estudo definitivo para provar que o açúcar é viciante, mas observa que há sinais óbvios sobre os quais devemos prestar atenção.

“Se as pessoas estão dizendo que não podem diminuir o açúcar, precisamos ouvi-las”, disse ele.

Dan Defigio, especialista em nutrição e condicionamento físico e autor de “Beating Sugar Addiction for Dummies“, trabalhou com milhares de pessoas para ajudá-las a superar suas dependências do açúcar. Ele nunca quis se especializar em dependência de açúcar, mas ele percebeu rapidamente que era onde as pessoas precisavam de mais ajuda.

“A necessidade tem sido sido cada vez mais forte e piorou nos últimos 10 anos”, disse ele.

Se o açúcar concentrado é um vício perigoso, ficar limpo apresenta um desafio único. Ao contrário de outras drogas viciantes, o açúcar é barato, socialmente aceitável e difícil de escapar.

Como outros vícios, a psicologia desempenha um papel importante no desmame do açúcar, porque as pessoas muitas vezes procuram doces para alimentar um vazio emocional, diz Defigio. É por isso que, mesmo sabendo que é ruim para nós, ainda pode ser muito difícil se libertar.

Na experiência de Defigio, apenas cerca de 10% das pessoas conseguem deixar o açúcar. Para todos os outros, é um processo e o maior obstáculo é pensar como se fosse “tudo ou nada”. Quando o típico viciado em açúcar falha na perfeição, ele rapidamente retorna aos seus velhos hábitos impulsionado pela vergonha e derrota.

“Pense na lógica: ‘Eu caí da carroça e comi um biscoito, então eu devo comer todos os biscoitos’”, disse ele. “É por isso que o açúcar se agarra às pessoas”.

À medida que as pessoas aprendem a comer melhor e a se afastar do açúcar, Defigio também aconselha que elas comecem a desenvolver um relacionamento com os exercícios.

Exercícios podem lhe dar energia e endorfina, substituindo algumas das sensações que você anteriormente procurava no açúcar. Também torna o corpo mais receptivo à insulina, o que ajuda a desfazer algumas das perturbações hormonais causadas pelo açúcar.

Quanto mais as pessoas se conscientizam dos efeitos do açúcar, mais os alimentos doces parecem estar seguindo o mesmo caminho dos cigarros. Com um olhar voltado para a saúde pública (e uma oportunidade de gerar receita), várias cidades agora cobram mais impostos sobre os refrigerantes para desencorajar o consumo excessivo de açúcar.

Pesquisas mostram que a taxação de bebidas doces diminui o uso. Mas Defigio não acredita que este tipo de solução punitiva seja sustentável. Em vez disso, ele diz que precisamos focar nossa esforços em sermos mais proativos sobre como vivemos nossas vidas, tratamos nossos corpos e nos alimentamos.

“O grande plano é aprender a tomar decisões de longo prazo mais saudáveis em uma base regular,ao invés de simplesmente aplicar um imposto extra de 15 centavos”, disse Defigio.

 
Matérias Relacionadas