Abstenção nas eleições presidenciais da Nicarágua será forma de protesto contra perseguição aos opositores de Ortega

Por VOA

No dia 7 de novembro, os nicaraguenses são chamados às urnas para eleger seu presidente, em eleições que receberam a rejeição da maior parte da comunidade internacional por não serem realizadas com garantias suficientes de transparência e segurança.

“Há três anos, a Nicarágua se tornou um estado policial, o que significa a supressão da liberdade de reunião, mobilização, liberdade de imprensa, expressão e também a liberdade do direito de escolher e ser eleito”, comentou o jornalista nicaraguense Luis Fernando Chamorro, exilado na Costa Rica, durante palestra organizada pelo Atlantic Council, um think tank em Washington.

Chamorro, diretor do jornal independente Confidencial, que teve que fugir após receber ameaças de Ortega, denunciou que “no domingo, o presidente Daniel Ortega será reeleito sem disputa porque todos os candidatos da oposição estão presos” e o Conselho Supremo Eleitoral os declarou “ ilegítimos”.

Várias pesquisas revelam que “78% dos nicaraguenses consideram essas eleições ilegítimas sem a participação da oposição” e “65% votariam em um candidato da oposição”. Apenas 17% votariam em Daniel Ortega, lembrou Chamorro.

Como demonstração de protesto, ele prevê que “a maioria das pessoas ficará em casa” para expressar sua rejeição à realização de eleições presidenciais sem a participação de partidos contrários ao partido no poder.

O dia seguinte às eleições na Nicarágua

Segundo Chamorro, na segunda-feira após as eleições será visto o posicionamento da comunidade internacional a esse respeito.

“O que vai acontecer? Qual será a reação da Organização dos Estados Americanos, da União Europeia e dos Estados Unidos? Eles vão reconhecer os resultados ou vão declarar o novo governo Ortega como um governo ditatorial e não democrático? ”, Perguntou ele durante seu discurso.

Apesar de tudo, ele adverte que Ortega “fará todo o possível para permanecer no poder e isso inclui infligir terríveis danos ao povo nicaraguense”.

“A menos que haja pressão política e diplomática nacional e internacional máxima, as perspectivas de mudança, infelizmente, não são otimistas”, disse ele.

Nesse sentido, a ex-vice-presidente do Panamá, Isabel de Saint Maló (2014-2019), afirmou que “devemos nos preparar para o dia seguinte às eleições” para dar uma resposta “forte, coordenada e específica”.

“Precisamos de uma resposta firme e comprometida, uma condenação imediata dos resultados do processo, o não reconhecimento do processo”, disse ele, lembrando que se Ortega continuar no poder, ele se tornará o presidente da Nicarágua com o governo mais longo do país.

Instabilidade na região

Por sua vez, a ex-presidente da Costa Rica Laura Chinchilla (2010-2014) alertou que a situação atual da Nicarágua não afeta apenas o país, mas toda a região. “É um assunto que preocupa não só o povo nicaraguense, porque também tem a ver com a instabilidade política da América Central e também com o futuro da democracia em nosso hemisfério”, comentou.

Diante disso, Saint Maló, do Panamá, disse que os perigos da permanência de Daniel Ortega “vão muito além da América Central”.

“Esta é uma questão hemisférica, é uma questão que a comunidade internacional como um todo deve levar em consideração”, disse ele.

A permanência no poder de Daniel Ortega provocará, na opinião de Chinchilla, “um aumento da migração forçada, que é uma das maiores preocupações neste momento na América Central. “Essa migração não chegará apenas à Costa Rica, onde antes vinham para este país oito em cada dez nicaraguenses. Agora eles estão considerando fugir para a fronteira sul dos Estados Unidos ”, disse ele.

Além disso, ele acredita que a crise sócio-política na Nicarágua terá como consequência “uma ruptura no comércio da região e nos planos de recuperação econômica para enfrentar os problemas da pandemia do coronavírus”.

Chinchilla também expressou preocupação com o fato de que o governo de Daniel Ortega representa uma “ameaça à nossa segurança regional” devido ao aumento dos investimentos militares.

“Ortega está investindo cada vez mais em material militar e isso está criando uma situação de desequilíbrio com os demais países da região”, acrescentou.

Resposta “tímida” da OEA

Em junho, o Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou uma resolução expressando “grave preocupação” com a situação na Nicarágua, depois que o governo liderado por Daniel Ortega não promoveu uma reforma eleitoral para as eleições.

O texto, aprovado por 26 votos a favor, três contra e cinco abstenções em sessão extraordinária, foi regido de acordo com a Carta Democrática Interamericana para garantir eleições “livres, justas e transparentes”.

Segundo Chinchila, este organismo internacional “teve uma resposta tímida, limitada e tardia à crise da Nicarágua”.

A postura dos Estados Unidos

O diretor para a América Central do Escritório de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Patrick Ventrell, como os demais palestrantes que participaram da sessão, acredita que “o regime [de Ortega] está absolutamente determinado a permanecer no poder em qualquer custo “.

“Que eles vão continuar com as forças militares, é fato. As pesquisas são confiáveis ​​e a rejeição geral do que está acontecendo mostra que o que Ortega vai fazer não tem o consentimento do povo nicaraguense ”, disse.

Ventrell garantiu que os Estados Unidos, cujo Congresso aprovou a lei Renacer para pressionar Daniel Ortega, continuarão denunciando a “farsa” eleitoral na Nicarágua após as eleições, como vem fazendo nos últimos meses.

“Já dissemos que essas eleições não terão credibilidade, que são uma farsa. E continuaremos a dizer isso”, disse o alto funcionário dos EUA.

Mas diante de um cenário de “ditadura”, Ventrell alertou que o país norte-americano “vai usar todas as ferramentas” que estiver à sua disposição para “responder” junto com outros parceiros da região.

“Já usamos sanções e restrições de visto, mas também vamos trabalhar multilateralmente. Tenho discutido com vários parceiros e vamos nos coordenar para aumentar a pressão ”, afirmou.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas