‘Abaixo o Partido Comunista’: estudante chinês enfrenta regime depois desaparece

"Eu percebi que eles estavam mentindo o tempo todo"

Por Eva Fu

Um estudante universitário na China ficou incomunicável depois que ele pediu publicamente que o Partido Comunista do país abandonasse o poder.

“Abaixo o Partido Comunista”, disse Zhang Wenbin, estudante universitário e programador da província de Shandong, no nordeste da China, em um vídeo de 30 de março no Twitter, uma plataforma bloqueada na China. O aluno usou uma VPN, uma ferramenta usada por cidadãos chineses para acessar sites estrangeiros censurados pelo firewall da Internet instalado pelo regime.

Dias antes, Zhang também havia postado a mesma mensagem em texto no WeChat Moments, uma plataforma chinesa semelhante ao Instagram.

O estudante escreveu em outra postagem Twitter em 30 de março que a polícia já o havia abortado após a postagem no Wechat, e ele seria detido em breve por cinco dias. Ele não fez mais postagens desde então. Em 31 de março, ele não estava mais acessível.

O desaparecimento de Zhang ocorre quando o regime intensifica a contenção de vozes dissidentes, em meio a suas tentativas de reprimir as críticas domésticas ao manejo inadequado do surto do vírus PCC. Recentemente, o magnata chinês Ren Zhiqiang desapareceu depois que criticou a resposta do regime ao surto e pediu liberdade de expressão.

No início deste mês, um professor de escola primária chinês também passou 10 dias em detenção e perdeu sua licença de professor por questionar as figuras da morte divulgadas pelas autoridades.

Os censores chineses bloquearam permanentemente a conta WeChat de Zhang por suspeita de “espalhar boatos maliciosos”, de acordo com uma imagem publicada por Zhang. Ele disse que o Weibo e o Qzone, duas outras redes sociais criadas pela empresa de tecnologia chinesa Tencent, também não estavam funcionando adequadamente para ele.

“Eu também já fui ‘Little Pink’ [um termo para descrever jovens doutrinados pelo regime] … e somente depois de passar pelo [Great Firewall] eu reconheci o rosto sinistro do Partido”, disse Zhang no vídeo de 30 de março.

Ele disse que “ver pessoas de Hong Kong e Taiwan resistirem corajosamente” ao Partido Comunista Chinês (PCC) nos últimos meses o inspirou a ser mais forte na esperança de ajudar o povo chinês a ver o regime dominante por suas “cores verdadeiras” “derrubar o muro de mentiras à nossa frente”.

“Talvez eu não viva para ver o dia em que o PCC cairá, nem sei se alguém verá esse vídeo, mas, independentemente disso, eu já estive neste mundo”, disse ele.

O vídeo foi visto mais de 175.200 e recebeu 2.200 curtidas até agora.

Yang Jianli, fundador do grupo de advocacia Citizen Power Initiatives para a China, disse que Zhang estava apenas exercitando sua liberdade de expressão – um direito concedido pela constituição chinesa.

Mas esse direito permaneceu apenas “no papel”, disse Yang.

Ele chamou o PCC de “regime bárbaro” que vê a manutenção de seu poder como a principal prioridade.

“O Estado do partido do PCC não tolera desafios de ninguém, nem dos líderes do partido”, disse Yang ao Epoch Times. “Qualquer comentário desafiador pareceria um ato de rebelião aos olhos deles”.

O despertar e o desejo de falar

Pouco antes de seu desaparecimento, Zhang descreveu ao Epoch Times em uma entrevista em 30 de março como ele criticou abertamente o regime chinês.

Tudo começou há quatro anos, com Zhang contornando o firewall da Internet da China para ler informações não filtradas e aprendendo sobre os protestos pró-democracia liderados por estudantes de 1989 na Praça Tiananmen, que o regime esmagou os manifestantes com tanques e tropas. Desde então, o incidente tornou-se um tópico tabu no país e as palavras que referenciavam o incidente passaram a ser rapidamente removidas da Internet, enquanto os que falavam sobre isso passaram a ser punidos.

A partir daí, Zhang começou a descobrir a extensa rede de mentiras do regime, peça por peça, desde a devastação provocada por sua política rígida de filho único – uma drástica lei estadual de controle de natalidade que, segundo o governo, evitava 400 milhões de nascimentos – à perseguição de grupos religiosos como o Falun Gong e repressão nas regiões de Xinjiang e Tibet.

Ele visitou Hong Kong e Tibete para conhecer os locais e voltou comparando o que viu no terreno com a forma como o governo os retratava.

“Eu percebi que eles estavam mentindo o tempo todo”, disse ele. “Não é mais apenas o que aprendi na internet, muitos são os fatos que vi em primeira mão”.

Zhang mantivera essas reflexões em grande parte para si. Mas em outubro passado, Zhang tomou medidas para expressar apoio aos manifestantes pró-democracia em Hong Kong.

Ele compartilhou uma campanha iniciada por manifestantes de Hong Kong no WeChat, pedindo às pessoas que apoiem o movimento postando selfies com uma mão cobrindo o olho direito. No entanto, logo depois que ele soube que a polícia convocou seu colega de escola por postar comentários pró-Hong Kong nas mídias sociais ele imediatamente excluiu sua conta.

“Eu fui bastante covarde na época”, disse ele.

Ainda assim, os censores não o deixaram fora do gancho. Recentemente, ele pesquisou algumas palavras-chave “sensíveis” no Weibo, uma plataforma parecida com o Twitter, incluindo “não podemos, não entendemos”, uma hashtag que começou a aparecer na sequência da morte do médico denunciante Li Wenliang. Li foi inicialmente silenciado por falar sobre o surto em Wuhan, depois morreu do vírus sobre o qual alertou outras pessoas.

Pouco tempo depois, ele começou a ter problemas para comentar, compartilhar ou enviar mensagens na plataforma. Ele acabou excluindo o aplicativo por frustração.

“O que mais me repulsa é como o PCC vendou os olhos do público doutrinando-os com mentiras. Eles os prenderam atrás da muralha”, disse ele.

Zhang tem vários bons amigos do ensino médio que, segundo ele, compraram a propaganda do estado e não aceitariam opiniões diferentes. Eles, juntamente com muitos de seus colegas de classe, acabarão se tornando professores e irão incutir a mesma mentalidade na próxima geração, disse ele.

“A lavagem cerebral é provavelmente no que o PCC tem mais sucesso”, disse Zhang.

Seus pais avisaram Zhang que ele havia cometido um “erro” ao se manifestar. Mas, ainda assim, o aluno permaneceu desafiador.

“Eu não fiz nada de errado, por que não posso falar?”

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

 
Matérias Relacionadas