A verdadeira felicidade não é ser feliz o tempo todo

Por que a flexibilidade psicológica é a chave para a verdadeira felicidade e bem-estar

Por Lowri Dowthwaite, da Universidade de Lancashire Central

Ao longo das duas últimas décadas, o movimento da psicologia positiva deu luz à pesquisa psicológica com sua ciência da felicidade, potencial humano e florescimento. Argumenta que os psicólogos não devem apenas investigar a doença mental, mas também o que torna a vida digna de ser vivida.

O pai fundador da psicologia positiva, Martin Seligman, descreve a felicidade como a experiência de emoções positivas frequentes, como alegria, emoção e satisfação, combinadas com sentimentos mais profundos de significado e propósito. Isso implica uma mentalidade positiva no presente e uma perspectiva otimista para o futuro. Mas, fundamentalmente, os especialistas em felicidade consideram que a felicidade não é um traço estável e imutável, mas sim algo flexível que podemos modelar e finalmente alcançar com esforço .

Eu tenho proferido oficinas de felicidade nos últimos quatro anos, com base na evidência de campo da psicologia acima descrita. As oficinas são divertidas e ganhei a reputação de “Sra. Feliz “, mas a última coisa que eu gostaria de acreditar é que estou feliz o tempo todo. Lutar por uma vida feliz é uma coisa, mas se esforçar para ser feliz o tempo todo é irrealista.

Pesquisas recentes indicam que a flexibilidade psicológica é a chave para uma maior felicidade e bem-estar. Por exemplo, estar aberto a experiências emocionais e ter capacidade de tolerar períodos de desconforto pode nos permitir avançar para uma existência mais rica e mais significativa.

Estudos demonstraram que a forma como respondemos às circunstâncias de nossas vidas tem mais influência em nossa felicidade do que os próprios eventos. Experimentar estresse, tristeza e ansiedade por um curto período, não significa que não podemos ser felizes em longo prazo.

A ciência da felicidade

Dois caminhos para a felicidade

Filosoficamente falando, há dois caminhos para nos sentirmos felizes, o hedonista e o eudaimônico. Hedonistas consideram que, para viver uma vida feliz, devemos maximizar o prazer e evitar a dor. Esta visão se relaciona com a satisfação de apetites e desejos humanos, mas muitas vezes é de curta duração.

Pelo contrário, a abordagem eudaimônica visa o longo prazo. Argumenta que devemos viver autenticamente e para o bem maior. Devemos buscar significado e potencial através da bondade, justiça, honestidade e coragem.

Se virmos a felicidade no sentido hedonista, devemos continuar buscando novos prazeres e experiências para “completar” nossa felicidade. Também tentaremos minimizar sentimentos desagradáveis ​​e dolorosos para manter nosso bom humor.

Se tomarmos a abordagem eudaimônica, no entanto, buscamos o significado, usando nossos pontos fortes para contribuir com algo maior a nós mesmos. Isso pode envolver, frequentemente, experiências e emoções desagradáveis, mas muitas vezes leva a níveis mais profundos de alegria e satisfação. Portanto, levar uma vida feliz não é evitar momentos difíceis; trata-se de ser capaz de responder à adversidade de uma forma que permita que você cresça a partir da experiência.

Crescendo a partir da adversidade

A pesquisa mostra que enfrentar a adversidade pode realmente ser bom para nós, dependendo de como respondemos a ela. Tolerar o sofrimento pode nos tornar mais resistentes e nos levar a agir em nossas vidas, como mudança de emprego ou superação de dificuldades.

Nos estudos de pessoas que enfrentam trauma, muitos descreveram sua experiência como um catalisador para mudanças profundas e transformações, levando a um fenômeno conhecido como “crescimento pós-traumático”. Muitas vezes, quando as pessoas enfrentarem dificuldade, doença ou perda, eles descreveram suas vidas como mais felizes e mais significativas depois daquilo.

Ao contrário do sentimento de felicidade, que é um estado transitório, levar uma vida mais feliz está relacionado ao crescimento individual que vem com o encontro do seu significado. Trata-se de aceitar nossa humanidade com todos os seus altos e baixos, apreciando as emoções positivas e aproveitando sentimentos dolorosos para alcançar nosso potencial total.

Lowri Dowthwaite é professora de intervenções psicológicas na Universidade de Lancashire Central, na Inglaterra. Este artigo foi publicado originalmente em The Conversation.

 
Matérias Relacionadas