Revolta húngara: quando o mundo se uniu contra o comunismo

Quando se trata de liberdade e comunismo "muitas pessoas aprenderam a diferença da maneira mais difícil"

Por Joshua Philipp

Uma revolta começou em 1956 contra a ditadura comunista na Hungria e, à medida que os lutadores pela liberdade resistiam ao exército soviético, centenas de milhares de homens, mulheres e crianças cruzaram a fronteira para a liberdade. Os tanques soviéticos retomariam o país, mas o exemplo da breve revolta húngara varreu o mundo e uniu as pessoas na esperança contra a tirania.

Histórias alcançaram a Europa livre e os Estados Unidos sobre os lutadores pela liberdade que arrancaram os emblemas comunistas de seus casacos, derrubaram o regime comunista húngaro e que agora conteriam as forças soviéticas por 10 dias enquanto as pessoas corriam para as fronteiras para escapar.

O Canal Einser passava pela fronteira entre a Hungria e a Áustria. Foi aqui que os húngaros tentariam fugir para o mundo livre e também foi aqui que muitos do mundo livre enfrentaram o frio congelante e os guardas patrulheiros para resgatá-los.

O falecido radialista Barry Farber, estava entre os jovens que viajaram para a fronteira da Hungria para ajudar a salvar pessoas que fugiam da tirania, e recentemente recebeu um prêmio por seu trabalho da Embaixada da Hungria em Nova York.

“Há muito esperávamos por uma rebelião por trás da Cortina de Ferro, porque sabíamos que esses países eram horríveis”, disse Farber, observando que todas as pessoas na União Soviética viviam sob “uma terrível ditadura”. Eventualmente, chegou a um ponto em que “os húngaros não iam aguentar mais”.

Uma Revolta dos Poetas

Tudo começou em 23 de outubro de 1956, com a memória de um general falecido há muito tempo.

Um clube de poesia colocou uma coroa de flores em Budapeste aos pés de uma estátua do General Józef Bem, que lutou pela liberdade húngara nas décadas de 1830 e 1840.

Manifestantes se reúnem na estátua do General Józef Bem, dando início ao levante húngaro contra a ditadura comunista em outubro de 1956 (Domínio público via Federação Húngara Americana)
Manifestantes se reúnem na estátua do General Józef Bem, dando início ao levante húngaro contra a ditadura comunista em outubro de 1956 (Domínio público via Federação Húngara Americana)

Este ato, destinado a comemorar o aniversário do general, encorajou os húngaros que viviam sob a tirania dos soviéticos. Quando as pessoas viram que a polícia secreta comunista não jogou os estudantes na prisão, Farber disse, o controle do medo foi quebrado e mais pessoas se juntaram ao protesto.

O grupo com seus novos números começou a marchar em direção ao prédio do Parlamento pela liberdade, e os comunistas ficaram nervosos.

“Um pai carregava um bebê na passeata e a polícia secreta atirou”, acertando o bebê, disse Farber. “Uma vez que o pai levantou seu bebê no ar e mostrou a coisa terrível que aconteceu, a luta pela liberdade começou e, de repente, não havia mais comunistas na Hungria. Todo mundo se tornou um lutador pela liberdade”.

Esse tiro deu início a uma revolta, e a notícia do incidente foi transmitida por rádio, livros, cinejornais e artigos nos Estados Unidos e na Europa Ocidental.

Soldados húngaros juntaram-se à revolta e deram suas armas aos lutadores pela liberdade. Os alunos penduraram-se nas laterais dos edifícios para remover os emblemas comunistas. Todas as bandeiras com o emblema comunista tiveram o martelo e a foice cortados.

A rebelião venceu e a Hungria ficou livre. Mas não iria durar. A União Soviética viu a perda como um golpe para a imagem da própria liderança comunista, e logo os soldados soviéticos estavam marchando e tanques avançavam em direção às fronteiras húngaras.

Um veículo blindado queima nas ruas da Hungria durante a revolta de 1956 contra o comunismo (Házy Zsolt via Wikimedia Commons)
Um veículo blindado queima nas ruas da Hungria durante a revolta de 1956 contra o comunismo (Házy Zsolt via Wikimedia Commons)

Depois que os soviéticos atacaram para retomar a Hungria no início de novembro, os lutadores pela liberdade os mantiveram por 10 dias heróicos.

Assim que o Exército Vermelho rompeu os combatentes da liberdade, os soviéticos se dividiram entre retomar o controle das cidades e fechar as fronteiras. Enquanto isso, os olhos do mundo estavam sobre aqueles que ainda tentavam fugir. 200.000 acabariam por sair.

Como Farber observou, a Hungria não se rendeu ao comunismo até ser invadida pelo Exército Vermelho em 1945. “Os soviéticos nunca conheceram uma vida melhor, mas os húngaros sim”, disse ele, observando que, para aqueles que conseguiram escapar, “Eles ficaram muito felizes por serem reconectados com a liberdade. Foi muito, muito real lá.”

De jornalista a humanitário

Farber era um jornalista na Carolina do Norte na época e trouxe uma garota norueguesa ao cinema em um sábado à noite. Os cinejornais passavam antes dos filmes nos cinemas e falavam da tragédia que se desenrolava e das pessoas de todo o mundo que foram ajudar nas operações de resgate.

No dia seguinte, Farber obteve aprovação para cobrir a história. Ele recebeu um telefonema da Força Aérea dizendo que eles poderiam levá-lo até Munique, onde ele poderia cobrir a evacuação de refugiados da Força Aérea para os Estados Unidos.

“Mas eles sabiam muito bem”, disse Farber, “que não se podia levar jornalistas americanos tão perto da fronteira com a Hungria e não nos soltar”.

Era a noite de Natal de 1956 quando Farber alcançou a fronteira da Áustria-Hungria. Não demorou muito, no entanto, para que os jornalistas, incluindo Farber, descobrissem um novo propósito para estar lá.

Os tanques soviéticos entram em Budapeste em 1956 para retomar a Hungria (Domínio público por meio da Federação Húngara Americana)
Os tanques soviéticos entram em Budapeste em 1956 para retomar a Hungria (Domínio público por meio da Federação Húngara Americana)

“Nunca vi nada assim”, disse Farber. “Quando chegamos à fronteira éramos jornalistas, mas quando vimos o que estava acontecendo, todos os jornalistas guardaram seus lápis, papéis e câmeras e, em vez de fazer anotações, estavam tirando bebês de balsas”.

As pessoas que fugiram da Hungria ficaram muito gratas, disse Farber. “Elas estavam beijando o solo do mundo livre”.

Foi no Canal Einser que Farber se juntou aos voluntários da “Marinha da Liberdade” que ajudaram a transportar refugiados pelo canal gelado perto da Ponte de Andau, que mais tarde seria imortalizado no livro de 1957 com o mesmo nome, que contava os acontecimentos.

“O som viaja longe quando está frio”, disse Farber, “só podíamos falar em sussurros, e todos estavam tão agasalhados que não dava para saber se a pessoa na corda à sua frente era homem ou mulher”.

Ele disse que se inclinou para frente e se apresentou, e como o destino queria, a garota na frente dele era a irmã da norueguesa que ele havia levado ao cinema apenas cinco dias antes. Ele disse que entre os humanitários havia um ar de amizade, determinação e esperança.

O sistema estabelecido pelos voluntários era bruto, mas eficaz. Dois homens remavam em uma pequena jangada de borracha pelo canal. Eles enchiam a balsa com refugiados, depois deixavam um dos dois barqueiros na outra margem para que pudessem puxar a balsa para frente e para trás usando uma corda.

A ‘Liberdade Marinha’

Os guardas patrulhavam as costas e, ocasionalmente, os feixes de suas lanternas podiam ser vistos. Às vezes, os guardas varriam campos com tiros de metralhadora. Farber observou que os refugiados sabiam que não deveriam vir quando o sol começasse a nascer e “os levou às pressas”.

Ele disse em uma ocasião, depois de passar perto de 48 refugiados, e depois de carregar a balsa de borracha de volta no Land Rover, um menino irlandês disse que outro grupo de refugiados havia chegado na outra margem.

“Como um desenho animado, baixamos o barco, corremos de volta para o canal e os barqueiros caíram de barriga para dentro dele”. Quando chegaram à outra margem, no entanto, carregaram os refugiados e “cada barqueiro pensou que o outro estava na margem oposta”.

Eles resgataram outras 26 pessoas, mas os barqueiros ficaram na margem soviética, com o barco e sem remos do outro.

Farber foi a segunda pessoa a puxar a corda, e um jovem norueguês chamado Torvald Stoltenberg estava na frente dele. Sem pensar, Stoltenberg tombou de barriga para baixo na jangada e tentou remar usando apenas as mãos.

“Era inútil”, disse Farber, “a corrente o estava puxando rio abaixo”.

No entanto, por um golpe do destino, uma vara estava se projetando na água e Stoltenberg foi capaz de usá-la para atravessar. Farber disse: “Havia pessoas religiosas entre nós que pensavam que Deus havia colocado o mastro ali. Nenhum de nós o viu grudado ali no meio do rio”.

Então, uma luz brilhou na floresta e, como Farber observou, “as únicas pessoas que teriam luz eram os caras maus”. Por causa de Stoltenberg, que hoje é um político norueguês, Farber observou, os barqueiros foram resgatados antes que a patrulha pudesse alcançá-los.

Na época da revolta na Hungria, Farber observou que “o comunismo estava em alta, e a revolução húngara os atingiu de uma forma que eles nunca se recuperaram”. Seu impacto, disse ele, foi sentido até que o povo da Alemanha Oriental derrubou o Muro de Berlim.

Refugiados húngaros fogem para a Áustria em 1956 (Domínio público via Federação Húngara Americana)
Refugiados húngaros fogem para a Áustria em 1956 (Domínio público via Federação Húngara Americana)

Os refugiados ajudaram o mundo a ver mais claramente, disse ele, que “o comunismo é uma fraude”, e aqueles que estão presos nele “o odeiam e farão de tudo para sair dele”.

Quando se trata de liberdade e comunismo, Farber disse, “muitas pessoas aprenderam a diferença da maneira mais difícil”.

“Vale a pena lutar pela liberdade”, disse ele. “Não se pode permitir que o comunismo afie seus dentes e comece a conquistar países novamente”.

 

Siga Joshua no Twitter: @JoshJPhilipp

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

https://www.youtube.com/watch?v=jYkhdJuN2AE&t=11s

 

 
Matérias Relacionadas