A revolta de Varsóvia e a batalha da Polônia contra o comunismo

Autoridades ocidentais e a mídia muitas vezes não criticaram seu aliado soviético ou consideraram os objetivos do ditador Josef Stalin de forma racional

Por Leo Timm

No verão de 1944, a ocupação nazista da Polônia estava chegando ao fim de seu quinto ano. Mais de um em cada cinco poloneses foi morto, escravizado ou enviado para campos de concentração. O país estava sendo destruído gradativamente para dar lugar à visão de Adolf Hitler de um Reich alemão maior. Mesmo assim, centenas de milhares de poloneses continuaram lutando.

Em agosto, o Exército Vermelho Soviético conseguiu expulsar as forças alemãs do território russo e tomar partes da Polônia. Vastas quantidades de ajuda americana e britânica, incluindo caminhões, alimentos e matérias-primas, permitiram aos soviéticos posicionar e fornecer um grande número de tanques, aviões e armas.

Com a vitória dos Aliados não mais em dúvida, o Armia Krajowa (Exército Nacional) da Polônia viu o que considerou sua melhor chance de sucesso: uma revolta na capital polonesa de Varsóvia, programada para coincidir com a chegada da próxima ofensiva soviética.

Poucos dias antes, em 25 de julho, a Rádio Moscou havia convocado “cada ruralista polonês” para “se tornar um baluarte na luta contra os invasores”. Em 29 de julho, os tanques soviéticos alcançaram os arredores de Varsóvia e começaram a enfrentar as divisões blindadas alemãs ali.

A partir de 1º de agosto, dezenas de milhares de membros do Exército Nacional, armados com armamentos alemães capturados e suprimentos fornecidos pelos transportes aéreos ocidentais, tomaram o controle de Varsóvia e tentaram estabelecer contato por rádio com os soviéticos.

Soldados do Exército Nacional Polonês montam em um tanque Panther alemão capturado em 2 de agosto de 1944, durante a Revolta de Varsóvia (Juliusz Bogdan Deczkowski/Domínio Público)
Soldados do Exército Nacional Polonês montam em um tanque Panther alemão capturado em 2 de agosto de 1944, durante a Revolta de Varsóvia (Juliusz Bogdan Deczkowski/Domínio Público)

Mas nenhuma ajuda estava próxima. Por razões que até hoje permanecem classificadas pelo Kremlin, a ofensiva soviética parou nos arredores de Varsóvia. Uma base aérea soviética próxima permaneceu sem uso, enquanto os voos ocidentais foram limitados a locais distantes na Itália.

Sem armas pesadas ou apoio externo, a resistência polonesa não teve chance nem mesmo contra a enfraquecida força de ocupação alemã. Varsóvia foi arrasada e até 200.000 civis morreram, a maioria deles executados pelos nazistas após a batalha.

As forças soviéticas só reiniciaram sua ofensiva em janeiro de 1945, e a guerra terminou em maio.

De Hitler a Stalin

Para as principais nações aliadas—os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a União Soviética—a Segunda Guerra Mundial foi uma vitória clara. Seis anos de conquistas agressivas e assassinatos em massa pela Alemanha nazista e pelo Japão imperial foram encerrados, e as potências do Eixo se renderam incondicionalmente.

Mas para a Polônia e outras nações da Europa Oriental, o fim da ocupação nazista e do genocídio trouxe o domínio soviético totalitário. Os aliados democráticos ocidentais foram para a guerra em 1939 porque a Alemanha invadiu a Polônia, mas no final da guerra eles não estavam dispostos a intervir quando os soviéticos estabeleceram um regime fantoche na regiāo.

As autoridades ocidentais e a mídia muitas vezes não criticaram seu aliado soviético ou consideraram os objetivos do ditador Josef Stalin de forma racional. A vasta prestação de ajuda ao Exército Vermelho, por exemplo, pode muito bem ter sido o impulso necessário para o regime soviético subjugar a Europa Oriental no período do pós-guerra.

“Poderíamos ter desperdiçado menos dinheiro e material do que desperdiçamos”, disse o diplomata americano George Kennan em uma carta de 1951. “Poderíamos ter chegado ao centro da Europa um pouco mais cedo e menos sobrecarregados com obrigações para com nosso aliado soviético. A linha de divisão do pós-guerra entre Leste e Oeste pode ter ficado um pouco mais a leste do que é hoje, e isso certamente seria um alívio para todos os envolvidos”.

O regime comunista soviético e seus aliados comunistas poloneses certamente se beneficiaram da destruição da resistência organizada leal ao governo polonês antes da guerra. A propaganda soviética minimizou as realizações do Exército Nacional e os rotulou como “reacionários”.

George Orwell, o desiludido comunista britânico autor de “Mil novecentos e oitenta e quatro” e “A revolução dos bichos”, expressou seu desgosto com a inclinação geral dos jornalistas de simpatizar com a atitude soviética na Revolta de Varsóvia.

“Ficou-se com a impressão geral de que os poloneses mereciam uma surra por fazerem o que todos os aliados vinham instando-os a fazer nos anos anteriores”, escreveu Orwell em setembro de 1944.

Um caminhão Studebaker de 2 toneladas produzido nos EUA, aqui retratado no serviço soviético em Berlim em maio de 1945. Milhares de veículos enviados à União Soviética através do programa Lend-Lease ajudaram Stalin em sua conquista da Europa Oriental (Bundesarchiv, Bild 204-018 / CC-BY-SA 3.0)
Um caminhão Studebaker de 2 toneladas produzido nos EUA, fotografado no serviço soviético em Berlim em maio de 1945. Milhares de veículos enviados à União Soviética através do programa Lend-Lease ajudaram Stalin em sua conquista da Europa Oriental (Bundesarchiv, Bild 204-018 / CC-BY-SA 3.0)

“Não imagine que por anos a fio você possa se tornar o propagandista do regime soviético, ou de qualquer outro regime, e de repente retornar à decência mental.”

Enquanto isso, a participação na Segunda Guerra Mundial ao lado dos Aliados parecia absolver Stalin de suas ações traiçoeiras antes da guerra—a União Soviética tinha sido originalmente aliada da Alemanha e, de fato, ajudou Hitler na invasão da Polônia em 1939 que deu início à guerra em primeiro lugar. Somente em 1941, quando a Alemanha invadiu a União Soviética, a superpotência comunista mudou de lado.

Sem surpresa, Moscou retomou as políticas opressivas e assassinas em relação ao seu estado-satélite polonês que a liderança comunista havia praticado de 1939 a 1941.

Dezenas de milhares de soldados e oficiais patrióticos poloneses, especialmente aqueles que viveram na Grã-Bretanha, apressaram-se em reconstruir seu país. Em vez de dar a esses homens uma recepção de herói, o governo comunista os sujeitou à perseguição, incluindo julgamentos encenados, tortura e execução.

45 anos para a liberdade

Varsóvia, agora a capital da República Popular da Polônia comunista, também se tornou o homônimo do Pacto de Varsóvia, uma aliança militar controlada pelos soviéticos que, durante a Guerra Fria, colocou os recursos e o território da Europa Oriental à disposição de Moscou.

A verdadeira história e memória da resistência polonesa na Segunda Guerra Mundial—que a Polônia foi uma das poucas nações ocupadas a não produzir grandes traidores ou colaboradores; que os agentes poloneses garantiram inteligência valiosa ou destruíram a infraestrutura nazista em missões ousadas; que os pilotos do governo polonês no exílio igualaram e excederam seus camaradas ocidentais no ar—só pôde entrar no discurso público na década de 1980, quando rachaduras começaram a aparecer no controle dos comunistas.

O movimento Solidariedade, alimentado por um patriotismo inextinguível e a perseverança da fé católica tradicional, colocou milhões de poloneses comuns contra o regime apoiado por estrangeiros que pregava o marxismo e o ateísmo. Em 1989, 45 anos depois que os poloneses tentaram retomar sua capital dos nazistas, os soviéticos cederam. Em 4 de junho, foram realizadas eleições gerais e as autoridades comunistas deixaram o cargo em 1990.

A experiência polonesa, desde os meses finais da Segunda Guerra Mundial até 1989, mantém uma relevância contínua para aqueles que vivem nos regimes comunistas sobreviventes do mundo. Centenas de milhões de chineses participaram de um movimento de renúncia ao Partido Comunista e suas organizações juvenis afiliadas. A empobrecida Coreia do Norte, que preservou um programa stalinista de controle social absoluto e agressão militar, está cada vez mais isolada.

Centenas de pessoas protestam nas ruas de Varsóvia durante um comício de 1º de maio organizado pelo Sindicato Solidariedade em 01 de maio de 1989 (DRUSZCZ WOJTEIC/AFP/Getty Images)
Centenas de pessoas protestam nas ruas de Varsóvia durante um comício de 1º de maio organizado pelo Sindicato Solidariedade em 01 de maio de 1989 (DRUSZCZ WOJTEIC/AFP/Getty Images)

Em um discurso proferido em 6 de julho em Varsóvia, o presidente Donald Trump aproveitou essa experiência, elogiando os poloneses por enfrentarem a ideologia totalitária de seu regime.

Referindo-se a um sermão crucial do Papa João Paulo II em 1979, Trump disse: “Um milhão de poloneses não pediram riqueza. Eles não pediram privilégio. Em vez disso, um milhão de poloneses cantaram três palavras simples: ‘Nós queremos Deus’”.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Assista toda a série clicando aqui.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vistas do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Estima-se que o comunismo tenha matado cerca de 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde o seu surgimento. Assista toda a série clicando aqui.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vista do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

 

Veja também:

 

 

 

 
Matérias Relacionadas