A questão do dinheiro

Os incentivos do empréstimo bancário são ruins, e o resultado é a desigualdade

Por James H. Nolt, membro senior do World Policy Institute

A dívida privada tende a crescer mais rapidamente que a economia geral. À medida que a dívida cresce em relação ao PIB, a desigualdade aumenta porque mais renda é dedicada ao serviço da dívida. E ao longo da história, os ricos detiveram uma parcela desproporcional das dívidas da sociedade.

Não é apenas o crescimento geral da dívida que importa, mas também que o que cresce mais rapidamente é o tipo errado de dívida. De acordo com a visão do livro didático da economia mainstream, as pessoas economizam dinheiro e os bancos recirculam essas economias como empréstimos para financiar o investimento produtivo, de modo que US$ 100 em poupança equivaleria a US$ 100 em investimento. Se essa fábula do livro didático fosse amplamente verdadeira, não haveria um problema tão grave.

Mas isso não é verdade. Em vez disso, os bancos criam dinheiro de dívida emprestando-o por meio do sistema de reservas fracionárias (US$ 100 de empréstimos por US$ 10 de poupança), levando a mais dinheiro em busca de menos mercadorias. Ainda pior, a maioria dos empréstimos ao longo da história não é para comprar bens de capital recém-produzidos, mas sim ativos já existentes, incluindo (e especialmente) imóveis. Quanto mais empréstimos houver, mais altos serão os preços dos imóveis.

Do ponto de vista dos bancos, emprestar aos clientes para comprar ativos como imóveis parece simples. A terra adquirida com o empréstimo serve como garantia fiável ou colateral para esse empréstimo. É mais seguro do que emprestar para um negócio. As empresas devem ser estudadas cuidadosamente para determinar seu valor potencial, mas estão sujeitas a todos os tipos de riscos potenciais. O setor imobiliário, ao longo da maior parte da história mundial, parece um investimento mais seguro.

Os empréstimos imobiliários tendem a crescer como uma parcela de todos os empréstimos privados em todos os principais países, particularmente nas últimas décadas, enquanto os empréstimos a corporações para investimentos produtivos são uma parcela pequena e declinante do total.

Círculo vicioso

Com efeito, o que os bancos fazem é criar uma profecia autorrealizável. Eles emprestam mais e mais dinheiro para comprar a mesma oferta fixa de imóveis. Como os empréstimos continuam aumentando, novos compradores continuamente aumentam o preço das propriedades. Como os valores das propriedades aumentam, a garantia para o crescente volume de empréstimos também está crescendo.

Parece um jogo em que todos ganham (ou win-win): os bancos ficam mais ricos ao aumentar os empréstimos e os proprietários ficam mais ricos à medida que o valor de suas propriedades aumenta.

Mas todos os rumos da economia criam vencedores e perdedores. Os perdedores são os novos compradores que entram no mercado pela primeira vez e descobrem que suas rendas não estão subindo tão rápido quanto o custo das propriedades. Os perdedores são também os pobres, aqueles sem propriedade. Cada vez mais sua renda é consumida pelo aluguel, mas comprar uma casa se torna proibitivamente caro. O fosso entre os que possuem bens e os locatários sem bens consequentemente continua crescendo.

Mesmo com as taxas de juros extremamente baixas de hoje, os preços das residências subiram tanto que menos americanos (e menos pessoas em outros grandes países também) podem comprar uma casa. A parcela de americanos que possue casa própria atingiu o pico durante a última crise financeira. Desde então, milhões perderam suas casas para bancar execuções hipotecárias e menos jovens podem se dar ao luxo de ter uma casa, então moram no porão dos pais. A taxa de casas próprias, embora ainda bastante alta, está atualmente caindo.

O crescimento do empréstimo de reserva fracionária corresponde ao crescimento da desigualdade. Ao contrário do mito dos livros didáticos, surpreendentemente, poucos empréstimos bancários estimulam novos empregos por meio de investimentos produtivos.

Não há praticamente limite para o quanto as pessoas e corporações ricas estão dispostas a gastar para localizar suas casas e escritórios nas partes mais seletas das cidades mais caras e desejáveis. Enquanto os empréstimos contra o imóvel forem de fácil acesso, este jogo aumentará os preços quase infinitamente, porque “os ricos” não têm restrições de renda.

Limite produtivo

O único limite é a quantidade de riqueza que pode ser extraída das mãos do restante de nós que são responsáveis pela produção útil da sociedade.

A localização mais desejável do mundo só pode ser comprada com uma parcela da riqueza que as sociedades produzem. Se a parcela de produção das sociedades necessária para comprar as coberturas em Park Avenue e espaços de escritórios na região central de Manhattan continua crescendo, as classes médias e trabalhadoras serão espremidas. As casas de propriedade da classe média também podem aumentar de valor, mas geralmente não tão rapidamente quanto as propriedades residenciais e comerciais nos locais mais seletos, normalmente pertencentes ao 1% mais rico.

Existem duas maneiras de reverter esse processo. Uma é a crise financeira. Uma grande crise financeira como aquela em 2008 acaba com grandes quantidades de riqueza (e dívidas) e reduz os preços dos imóveis. Mas, se os empréstimos forem retomados no mesmo padrão de antes, os preços voltarão a subir e a riqueza dos muito ricos se recuperará, juntamente com os valores das propriedades, embora a renda e o emprego das pessoas comuns muitas vezes não acompanhem o ritmo.

Uma maneira criativa de conter o crescimento de bolhas de preços alimentadas por dívidas é taxar os empréstimos que as alimentam; outra seria diminuir o montante que os bancos podem emprestar sem poupança real como garantia dos empréstimos. É improvável que ambas as soluções aconteçam com um Sistema da Federal Reserve sendo de propriedade dos bancos privados, e com um governo que, em ambos os principais partidos políticos, recebe milhões em doações de campanha de empresas financeiras.

Assim, a economia americana permanecerá suscetível a bolhas de preço imobiliário que afetam mais de um terço dos americanos que não possuem uma casa, os jovens e os pobres.

James H. Nolt é membro sênior do World Policy Institute e autor de “International Political Economy: The Business of War and Peace“. Este artigo foi publicado primeiramente pelo WPI.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas