A natureza do caos e da anarquia como ferramentas de subversão comunista

O comunismo é o estado de desolação, e o socialismo é sua ferramenta para alcançar isso

Por Joshua Philipp, The Epoch Times

Há grupos nos Estados Unidos e em outras partes do mundo que estão ativamente tentando incitar o caos, seja por meio da defesa da anarquia ou por meio de movimentos subversivos destinados a desestabilizar as sociedades.

Nós vimos isso claramente quando a senadora Maxine Waters (D-Calif.) em 23 de junho chamou seus partidários para perseguir os membros da administração Trump, afirmando: “Vamos nos certificar de que vamos aparecer onde quer que tenhamos que aparecer, e se você ver qualquer um do escritório de Trump em um restaurante, em uma loja de departamentos, em um posto de gasolina, você sai e cria uma multidão e você os pressiona e diz a eles que eles não são mais bem-vindos em nenhum lugar. ”

Também vemos isso em grupos como Antifa, que ironicamente defende tanto o comunismo quanto a anarquia – um sistema de controle absoluto do governo e um sistema sem governo, respectivamente. No entanto, se entendermos os objetivos mais profundos do comunismo e a natureza original da anarquia, a união entre os dois sistemas faz sentido.

Karl Marx estabeleceu que o comunismo seria feito em estágios, sendo o primeiro o socialismo, ou o que Lenin descreveu como “capitalismo de estado”, no qual o Estado assumiu o controle de todos os meios de produção. O objetivo da tirania socialista é estabelecer o comunismo pleno, no qual todas as formas de hierarquia anteriormente existentes foram derrubadas, toda a moral foi destruída e toda a cultura tradicional foi arruinada. O comunismo é o estado de desolação, e o socialismo é sua ferramenta para alcançar isso.

A anarquia, por outro lado, defende a criação do comunismo pleno sem o estágio da tirania socialista. William Godwin (1756–1836), um dos fundadores da anarquia moderna, explicou que, através da anarquia pessoal, uma pessoa visava alcançar o “comunismo voluntário”.

Os anarquistas conseguem isso destruindo internamente seu reconhecimento da moral e da hierarquia – rompendo os laços de moralidade e ordem em todos os estágios da hierarquia divina, através dos quais se acreditava que a ordem natural se estendia do céu para as camadas da sociedade humana e para os próprios sistemas de contenção pessoal das pessoas.

As operações de caos se encaixam profundamente nesse sistema. O caos não é apenas o estado de desolação moral e social que tanto o comunismo quanto a anarquia pretendem alcançar, mas também um estado de desestabilização que permite que um movimento subversivo implemente um novo sistema.

No “Dao De Jing”, Lao Tzu escreveu sobre o caos como algo que emerge da perda do Tao, virtude, benevolência, retidão e etiqueta.

Lao Tzu escreveu: “O Tao é perdido e, então, a virtude; a virtude é perdida e depois a benevolência; a benevolência é perdida e, em seguida, a justiça; a justiça é perdida e depois a etiqueta; aqueles que têm etiqueta são uma casca fina de lealdade e sinceridade; e  começa o caos…

A destruição desses valores é um objetivo que o comunismo promove. Marx e Friedrich Engels escreveram no “Manifesto Comunista” que “o comunismo abole as verdades eternas, abole todas as religiões e toda moralidade”.

O caos é um estado em que toda a ordem foi derrubada e todas as estruturas destruídas. Podemos olhar para o poeta romano Ovídio (43 aC – 17/18) e seu livro, “Metamorfoses”, para uma compreensão mais profunda desse conceito.

Em “Metamorphoses”, Ovídio descreve o caos como “uma massa disforme descoordenada, nada além de um peso de matéria sem vida, cujos elementos mal-ordenados estavam indiscriminadamente amontoados em um só lugar”.

Ovídio então explica a história da criação, que um deus separou o céu da terra, o solo da água, e assim por diante, para trazer o mundo para fora do caos. A água foi unida para criar oceanos, a madeira foi reunida em florestas e os corações humanos receberam leis, padrões e formas de cultura para manter a ordem divina no mundo.

Esse princípio está ligado a um conceito-chave de subversão: a partir do caos, uma nova ordem pode ser criada. A subversão comunista sustenta que a sociedade deve primeiro ser desestabilizada e levada a um estado de crise antes que possa ser “normalizada” sob o novo sistema.

Quando o estado de direito se torna injusto por meio da subversão, e quando as instituições se tornam não-funcionais através da subversão, as pessoas naturalmente apoiam uma reestruturação desses sistemas; e grupos interessados ​​em reformular sociedades de acordo com suas visões usam as operações do caos para criar uma situação social que permita esse tipo de recriação.

Da mesma forma, isso é feito contra indivíduos, sob os princípios da anarquia pessoal e do “comunismo voluntário”, ou através de movimentos comunistas diretos destinados a destruir a cultura e a moralidade, como a Revolução Cultural do Partido Comunista Chinês.

É também um princípio satânico, que a moralidade humana geralmente não pode ser destruída de uma só vez, então os valores devem ser destruídos peça por peça pela tentação faustiana, arrastando a humanidade passo a passo. Na história de “Fausto”, vemos que o diabo Mefistófeles trouxe Fausto primeiro por pequenas tentações, depois por grandes.

Também vemos isso na representação de Dante dos adúlteros Lancelot e Guinevere em “A Divina Comédia”, que lhe contou que sua queda começou com um beijo.

Nesse mesmo sentido, o comunismo é criado passo a passo através da destruição gradual da cultura tradicional e dos valores morais através de seus vários movimentos sociais. Os sistemas comunistas atacam uma série de crenças tradicionais ou conceitos morais de cada vez, e através do caos manufaturado e da instabilidade social, visam destruir as instituições que existiram uma vez para que possam recriar a sociedade de acordo com o que eles querem.

Isso também se relaciona com a teoria de Marx dos cinco estágios da civilização, que podemos entender mais profundamente através do “Curso dos Impérios” de Thomas Cole. Acredita-se que esse seja o “mundo selvagem”, o “pastoral”, o “império consumado”. “Destruição” e “desolação”.

Marx chamou o império consumado de “capitalismo”, o estado de destruição “socialismo” e desolação “comunismo”. A ideia era que no estado de desolação comunista, toda a moral, tradições, crenças, instituições, hierarquia e valores tenham sido destruídos. O objetivo do comunismo é a destruição da humanidade.

Nessa perspectiva, a ideia dos movimentos comunistas é acelerar a queda da sociedade – avançar mais rapidamente rumo ao estado de desolação, no qual a humanidade é desprovida dos valores que mantêm a harmonia social e moral.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas