Extração forçada de órgãos do regime chinês pode se espalhar para outros países, alerta diretor de ONG

Por Frank Fang

O regime comunista chinês poderá exportar sua prática horrível de extração forçada de órgãos assim que for capaz de derrubar os padrões éticos da indústria de transplantes estabelecidos pelo Ocidente, alertou o Dr. Torsten Trey.

Trey, fundador e diretor executivo da Médicos Contra a Extraçāo Forçada de Órgāos (DAFOH), fez soar o alerta durante uma entrevista recente ao programa “Crossroads” da EpochTV. Ele estava comentando sobre como o regime chinês tem perseguido prisioneiros de consciência por décadas, a fim de impulsionar suas operações em escala industrial para fornecer órgãos extraídos para o mercado de transplantes.

Dadas as ambições da China de dominar muitas indústrias, Trey disse que Pequim também buscou se tornar a líder no setor de transplantes.

“Nos países ocidentais, seguimos os padrões éticos para o benefício do paciente. Há um propósito nisso, que vem com o tempo de espera”, disse ele. “É baseado no consentimento voluntário e livre como uma fundação para doar órgãos”.

Ele disse: “Este conceito de consentimento voluntário livre é basicamente destruído no conceito de extração forçada de órgãos”.

Em outras palavras, ele disse que o regime chinês vê os padrões médicos ocidentais como uma ameaça à sua prática de extração forçada de órgãos.

“Portanto, a China está muito interessada em derrubar esse sistema [ocidental] para basicamente fazer da extração forçada de órgãos o padrão comum na medicina de transplante”, acrescentou.

A China tem sido um dos principais destinos para o turismo de transplante, já que os hospitais chineses oferecem transplantes de órgãos com tempos de espera muito curtos, alegando que seus órgãos se originam do sistema de doação voluntária do país. Pequim afirma que não obtém órgãos de prisioneiros executados desde 2015.

No entanto, um tribunal popular com sede em Londres refutou a alegação do PCC em um relatório de 2019. Ele concluiu que a prática declarada de extração forçada de órgãos estava acontecendo em uma “escala significativa” na China, com os praticantes do Falun Gong sendo a principal fonte de órgãos.

Os adeptos do Falun Gong, uma prática espiritual também conhecida como Falun Dafa, têm sido alvo de perseguição pelo regime chinês desde 1999.

As alegações de extração forçada de órgãos de adeptos do Falun Gong detidos surgiram pela primeira vez em 2006.

Depois que a China se tornasse a voz líder no setor de transplante, estabeleceria “novos padrões” no campo de transplantes, disse Trey.

Naquela época, Trey advertiu que Pequim seria “irrestrita em sua busca pela erradicação” dos prisioneiros de consciência sem escrutínio ou crítica internacional.

Trey disse que teve a chance de falar com várias pessoas que quase foram vítimas da extração forçada de órgãos na China nos últimos anos.

Alguns disseram que receberam repetidamente exames de sangue durante a detenção na China, de acordo com Trey. Um ex-prisioneiro disse que a polícia admitiu que seus órgãos poderiam ser coletados quando era solicitado um exame de sangue.

Além disso, Trey disse que também viu relatos de órgãos desaparecidos de corpos de detidos mortos na China.

Em 2016, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou por unanimidade o H.Res.343, que também pediu o fim da prática de extração de órgãos do regime chinês.

Em março, uma nova legislação foi apresentada no Senado (S.602) e na Câmara (H.R.1592) para combater a extração forçada de órgãos e o tráfico de pessoas. Se aprovada, ela autorizaria o governo dos EUA a negar ou revogar passaportes para pessoas que se envolvem na compra ilegal de órgãos. Também proibiria a exportação dos EUA de dispositivos de cirurgia de transplante de órgãos para entidades estrangeiras associadas ao crime.

Tem havido apoio internacional pedindo que a China ponha fim à sua prática de extração forçada de órgãos. Trey disse que sua organização organizou uma petição global por seis anos, terminando em 2018, coletando mais de 3 milhões de assinaturas e pedindo ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos que ajude a acabar com a prática na China.

“Agora queremos que as Nações Unidas e investigadores independentes visitem os campos [na China], para elas irem a esses campos na China” para investigar, disse Trey.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas