A ditadura chinesa enfrentará sanções por encobrir o vírus?

Hoje, o mundo sofre com essa ação que aparentemente pretendia amortecer o impacto sobre a "reputação" do poder oficial do PCC e sua propaganda política ousada e calculada além de suas fronteiras

Por Miguel Lagos

A renomada jornalista Patricia Janiot, nesta semana, levantou a questão para o público mundial sobre as consequências que a ditadura chinesa deveria enfrentar por ocultar o início da crise do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus. Isso ocorre porque o regime chinês reconheceu “a deficiência em sua resposta à epidemia”.

Não faltam os ocidentais que enfatizam que a palavra “deficiência” é um eufemismo. O regime comunista é acusado de esconder a doença e até de reprimir vozes internas alertando sobre os riscos potenciais de expansão. “O Partido Comunista Chinês (PCC) suprimiu os relatórios iniciais … e puniu médicos e jornalistas, fazendo com que especialistas chineses e internacionais perdessem oportunidades críticas para evitar uma pandemia global”, disse o Conselho de Segurança Nacional dos EUA [NSC] nesta semana.

Hoje, o mundo sofre com essa ação que aparentemente pretendia amortecer o impacto sobre a “reputação” do poder oficial do PCC e sua propaganda política ousada e calculada além de suas fronteiras.

Evidentemente, denunciar a responsabilidade do regime ditatorial não deve ser estendido aos cidadãos chineses. Isso só poderia alimentar posições xenófobas, racistas ou estigmatizações perigosas. Portanto, um povo neutralizado em sua liberdade de expressão não deve ser confundido com a brutal coerção e repressão de um poder político do governo obcecado em querer controlar tudo.

As respostas para a pergunta de Janiot foram esmagadoras e implacáveis. As pessoas, independentemente da origem, se concentraram principalmente em sanções econômicas contra o regime chinês. Ao forçá-los a compensar ou compensar de qualquer forma os efeitos globais catastróficos causados.

Mas talvez a melhor sanção mundial – como forma de prevenção futura – contra o Partido Comunista, que ocorrerá com manipulação e abuso de poder, seja condicioná-los a realizar um processo eleitoral livre, plural e supervisionado internacionalmente. Um processo no qual as pessoas escolhem, finalmente, livremente a mudança política que desejam em silêncio. Essa é uma dimensão – a das liberdades políticas reduzidas – que neutraliza os esforços de uma antiga ditadura que possui um poder abusivo e descontrolado que está impactando as circunstâncias internas e externas, muito além de suas fronteiras.

Enquanto o debate mundial atraía a responsabilidade do poder esquerdista chinês na expansão inicial do vírus do PCC, no Peru, o recém-nomeado Ministro da Saúde apontou dias atrás – via redes – que era “neoliberalismo” culpar todo o infortúnio atual que afetou o globo. Com essa “perspectiva” ideológica que o Vizcarrismo dominante combaterá a pandemia?

Em momentos de grande tensão e confusão, ele parece esquecer que é o narcisismo político manipulador de ditaduras e autoritarismos – isto é, dos governantes que os lideram e “nunca estão errados” – um dos piores inimigos de um serviço público de saúde eficaz. Sistemas de saúde estatais que já são deficientes ou realmente terríveis em muitas partes do planeta, como é o caso hoje, por exemplo, na Venezuela socialista, graças ao chavismo ditatorial.

Este artigo foi publicado originalmente no PanAm Post.

As opiniões expressas neste artigo são de propriedade do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas