A desinformação da desinformação médica

Médicos estão enfrentando um lamaçal onde o tratamento de pacientes se torna uma questão de política em vez de ciência

Por Peter Weiss

Eu, como a maioria dos médicos ginecologistas em todo o país, recebi um e-mail muito estranho do Escritório do Cirurgião Geral através do Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia.

“O Gabinete do Cirurgião Geral está buscando informações de provedores sobre o impacto e a prevalência de desinformação durante a pandemia da COVID-19. Por meio de um ‘Pedido por Informação’ (RFI, em suas siglas em inglês), o Cirurgião Geral busca reunir experiências pessoais relacionadas à desinformação de saúde de várias partes interessadas para entender melhor suas fontes e se preparar melhor e responder a futuras crises de saúde pública.

“Atenciosamente, a equipe de Relações Governamentais do ACOG.”

Antes de começar, você deve saber que a maioria dos médicos recebeu muitos outros e-mails estranhos de seus hospitais, associações médicas e outros. Recebi até um e-mail do meu presidente “sugerindo” como devo votar em questões médicas e em quem votar nas comissões do hospital. Este é o mais estranho de todos. Isso nos faz pensar em que mundo vivemos. O que é “desinformação sobre saúde” e qual é o papel do governo? Estamos sendo solicitados a sermos informantes?

Vou tentar o meu melhor para ser um examinador independente da verdade e não divulgar nenhuma desinformação neste artigo.

Um artigo no Proceedings of the National Academy of Sciences em 9 de abril de 2021, intitulado Desinformação na e sobre a ciência, afirma que a desinformação prejudica a capacidade de adquirir coletivamente informações, filtrá-las e compartilhá-las.

“Sem fontes de informação confiáveis ​​e precisas, não podemos esperar deter as mudanças climáticas, tomar decisões democráticas fundamentadas ou controlar uma pandemia global.”

Declarações ousadas, mas esse artigo não fornece dados científicos de apoio. Em vez disso, cita editoriais e artigos de opinião como suas fontes.

Vamos ao cerne do e-mail que recebi. Deixe-me registrar pela centésima vez, a COVID-19 é real, foi real, será para sempre real e pode ser mortal. Fui vacinado duas vezes, reforçado uma vez e ainda peguei COVID. Não vou receber outro reforço, pois acredito cientificamente que tenho imunidade natural neste momento. Outros podem fazer o que quiserem.

A medicina é uma arte. Não existe um tamanho único. Todos sabemos que fumar é ruim para nós e pode levar ao câncer, mas nem todos que fumam terão câncer. Essa afirmação é desinformação?

O que antes estava errado pode ser considerado certo e vice-versa.

Sempre disse que as máscaras de pano são inúteis contra a COVID, mas no auge da pandemia, poderia ter sido acusado de desinformação. No entanto, todos sabemos agora, sim, até Anthony Fauci sabe, que as máscaras de pano não são eficazes na prevenção da COVID e podem até ser prejudiciais. Com que frequência esses usuários de pano lavavam ou trocavam essas máscaras? É como usar a mesma calcinha no rosto por um mês seguido! Ainda uso uma máscara N95 no hospital e no meu consultório médico porque preciso. Eu posso jogar pelas regras. Também não preciso mais me preocupar com o mau hálito.

Como obtemos os fatos que usamos para determinar o que é desinformação? Não podemos ter desinformação se primeiro não definirmos os fatos. Winston Churchill disse melhor: “A história é escrita por vencedores”. O mesmo pode ser dito sobre quais fatos usamos. Sim, pode haver vários pontos finais factuais, depende apenas de qual artigo você mantém mais alto do que os outros. Ou como Churchill sugere, quem está no poder.

O Dr. John Ioannidis, um cientista absolutamente brilhante de Stanford, tem um artigo magnífico, Why Most Published Research Findings are False, publicado na Public Library of Science Medicine em 2005.

Ele afirma que “a probabilidade de uma afirmação de pesquisa ser verdadeira depende de estudar o poder e o viés”. Isso basicamente significa que se pode manipular um resultado por quais dados ou vieses se insere. Isso pode ser não intencional. Ele escreve que “simulações mostram que, para a maioria dos projetos e configurações de estudo, é mais provável que uma alegação de pesquisa seja falsa do que verdadeira”.

Ele conclui: “Além disso, para muitos campos científicos atuais, os resultados de pesquisas alegadas podem muitas vezes ser simplesmente medidas precisas do viés predominante”.

Então nosso cirurgião geral quer saber meus pensamentos sobre a prevalência de desinformação médica relacionada à saúde. Aqui vamos nós.

Acho que ambos concordamos que nosso foco principal é salvar vidas e não causar danos. Salvar todas as vidas deve ser verdadeiramente uma declaração de missão do Gabinete do Cirurgião Geral. Estou humildemente sugerindo que nos concentremos em salvar o maior número de vidas, e se prevenir a desinformação de qualquer forma pode ajudar, então conte comigo.

Mas sejamos honestos. Essa chamada desinformação dos médicos é descrita mais simplesmente como as diferentes opiniões entre os médicos sobre a melhor forma de tratar seus pacientes.

Tenho visto muitos pacientes que vêm até mim de outro médico que estava apenas tratando-os mal (na minha opinião) e colocando-os em risco. Medicamentos errados, cirurgias desnecessárias e assim por diante. Alguns médicos estão praticando negligência porque existem maus médicos, assim como há maus advogados, professores e atores. Questionar se uma criança de 5 anos deve tomar uma vacina ou usar uma máscara não é desinformação. É uma boa ciência questionar se o que nos dizem é factual, especialmente quando os dados que estamos analisando são novos. Ioannidis está tão certo. Provavelmente posso encontrar um artigo para apoiar qualquer afirmação de ambos os lados de um argumento.

Finalmente, posso respeitosamente sugerir que nosso cirurgião geral se concentre na terrível crise de opióides que está destruindo e matando milhares de vidas de nossos jovens. Concentre-se na saúde mental e em como a depressão, a ansiedade, a solidão e o medo estão trazendo tanta tristeza e angústia para tantos. Muitas pessoas, jovens e idosas, estão sofrendo reveses de saúde mental devido aos lockdowns da COVID.

Se pudéssemos impedir a desinformação que sai da boca de nossos líderes políticos, provavelmente estaríamos muito melhor.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas