A complexa hierarquia de poder por trás do chefe de espionagem interna da China

Por Daniel Holl

Vigilância, intimidação e manipulação atuam como lubrificantes para as engrenagens que impulsionam todos os sistemas comunistas. Sejam os regimes do passado ou o principal país comunista de nossos dias modernos, todos os sistemas compartilham essas características.

Para que os líderes comunistas controlem aqueles que estão abaixo deles, eles dependem completamente de quem controla as informações. Na China , esse é o trabalho da polícia secreta do estado, de acordo com um artigo publicado no Epoch Times da China em 21 de julho pelo analista de assuntos internos chinês Cheng Xiaonong.

Em 15 de julho, o líder chinês Xi Jinping nomeou um chefe do estado-maior militar para ser o novo diretor do escritório de espionagem interno da China, de acordo com relatos da mídia estatal. O novo diretor, Zhou Hongxu, é agora responsável pelo Central Security Bureau (CSB).

O CSB tem táticas de intimidação pesadas semelhantes às de outras polícias secretas comunistas do passado, como a KGB ou a Stasi. O CSB é coloquialmente conhecido como o “guarda-costas” do quartel-general do Partido Comunista Chinês (PCC), já que nominalmente funciona para proteger as autoridades políticas.

Cheng escreveu que a promoção é altamente heterodoxa, usurpando a ordem usual de promoção. Além disso, a experiência de Hong está nas forças armadas, não em atividades de vigilância. Mas de acordo com Cheng, embora a eleição possa prejudicar ainda mais o reinado vitalício de Xi sobre o PCC, o líder chinês tem outras prioridades.

Xi precisa de lealdade

Embora haja poucos detalhes públicos disponíveis sobre Zhou ou sua lealdade a Xi, Cheng observa que o processo de contratação foi sem precedentes.

Antes de Zhou ser nomeado, o diretor anterior renunciou em 2019. A posição de liderança do CSB permaneceu vaga por um ano e meio. Cheng disse que, desde que o escritório foi estabelecido na época de Mao, nunca havia ficado sem um diretor.

Além disso, Cheng disse que  independente de quem esteja no comando da comunidade de inteligência da China é o líder de fato do PCC. Também disse que.  por esse motivo,  quem conseguir controlar os funcionários mais graduados terá mais poder no partido. O acompanhamento dos funcionários, feito pelo chefe do CSB, é fundamental para esse controle.

Cheng disse que sob esse sistema particularmente maoísta, a rebelião entre altos funcionários se torna um ato precioso. As autoridades não podem se reunir em particular porque os secretários de segurança sempre relatam suas ações. Além disso, eles se comunicam por meio de telefones que estão sob vigilância.

Dessa forma, o CSB atua não apenas como protetor de funcionários, mas também como sistema de vigilância 24 horas.

Monitorar e controlar os políticos é a fonte do poder do líder do PCC. Cheng disse que Xi provavelmente não confia nos próximos candidatos a subir na linha de promoção na hierarquia do cargo. Cheng acrescentou que é muito provável que as lutas pelo poder tenham começado mais uma vez nos níveis mais altos do PCC.

De acordo com a mídia estatal DW, nomear alguém de fora do CSB era para evitar a contratação de alguém que estava envolvido há muito tempo em lutas de poder no topo do PCC. Caso contrário, as informações da mídia se limitariam a que Zhou assumisse o controle.

Cheng disse que a mudança de Xi é uma faca de dois gumes e que a terceirização é um método para Xi enfrentar essas lutas de poder de alto nível. No entanto, também questiona o interesse pessoal dos altos funcionários do CSB, uma vez que já não são garantidas promoções futuras.

Cheng alertou que isso poderia semear mais dúvidas na liderança de Xi.

Daniel Holl é um repórter de Sacramento, Califórnia, especializado em questões relacionadas à China. Ele se mudou para a China sozinho e lá ficou por quase sete anos, aprendendo o idioma e a cultura. Ele é fluente em chinês mandarim .

As visões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas