China atacará os Estados Unidos?

'Seja tão misterioso a ponto de ser intangível. Então você controlará o destino de seus rivais'

Por John Mac Ghlionn

Em 11 de julho, logo após os Estados Unidos  adicionarem 23 entidades chinesas  a uma lista negra econômica, o Partido Comunista Chinês (PCC) respondeu com uma declaração inflamada. O Partido, disse que: “se opõe resolutamente” à “supressão irracional” das empresas chinesas. A ironia do PCC, mestres da “repressão irracional”, lem proferir tal declaração é tão impressionante quanto divertida. O PCC, entretanto, não acha graça. Na verdade, o Partido está furioso. A lista negra, que foi uma “grave violação das regras econômicas e comerciais internacionais”, enfureceu os líderes em Pequim, que prometeram tomar as “medidas necessárias para salvaguardar” os “interesses” chineses. Algumas semanas antes da lista negra, durante uma celebração do 100º aniversário da fundação do PCC, Xi Jinping  tinha algumas palavras fortes para quaisquer inimigos estrangeiros que procurassem “intimidar, oprimir ou escravizar” seus cidadãos. Um inimigo da China, advertiu ele, pode esperar “cabeças quebradas e derramamento de sangue”.

Os Estados Unidos deveriam se preocupar com essa retórica dura? Se acreditar em um oficial sênior da defesa japonesa, a resposta é definitivamente sim. O PCC, segundo o oficial, planeja atacar os Estados Unidos com bombas e balas. Com a ajuda dos russos, os chineses poderiam lançar um ataque ao estilo “Pearl Harbor” no Havaí em um futuro próximo. Embora seja verdade que a Rússia e a China formaram uma aliança estreita, é importante lembrar no que os russos são particularmente bons – e não, isso não tem nada a ver com o consumo de vodka.

Expondo as fraquezas cibernéticas da América

Muitos especialistas em segurança acreditam que a Rússia é o lar  dos melhores hackers cibernéticos  do mundo. Isso tem acontecido por  mais de 20 anos. A China também representa uma  ameaça cibernética significativa. Juntos, os dois países devem ser vistos como uma força extremamente potente. Com os ataques cibernéticos se tornando cada vez mais uma ocorrência regular, espere que a Rússia e a China façam bom uso de suas habilidades.

A guerra tradicional é confusa e cara. A guerra cibernética, no entanto, é uma forma econômica de colocar um inimigo de joelhos. Aos olhos das autoridades chinesas e russas, os Estados Unidos são o inimigo número um. Embora os Estados Unidos sejam muito fortes militarmente, do ponto de vista da segurança cibernética,  eles são extremamente fracos. Se e quando a China mirar na jugular da América, não haverá necessidade de bombas e balas. Como Sun Tzu, um homem que sabia uma ou duas coisas sobre a guerra, disse certa vez: “Seja tão misterioso a ponto de ser intangível. Então você controlará o destino de seus rivais.” Com a guerra cibernética, a invisibilidade é garantida. Predadores sem rosto, geralmente situados em terras distantes, podem atacar a qualquer momento, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Com o clique de um botão, um mau ator pode colocar um país de joelhos. É preocupante para os Estados Unidos que a Rússia e a China já tenham explorarado os pontos fracos da segurança cibernética do país.

No início de julho, o Comitê Nacional Republicano anunciou que havia sido alvo de hackers. Há  razões para acreditar  que os criminosos trabalham para o Kremlin. No mês passado, a JBS, uma das maiores fornecedoras de carne do mundo, foi  hackeada pela REvil, um grupo de cibercriminosos com sede na Rússia.

Em março, a Microsoft acusou o Hafnium,  um grupo de espionagem cibernética  com ligações com o regime chinês, de invadir seu e-mail. Então, apenas um mês depois, Mandarit, uma empresa líder em segurança cibernética,  acusou hackers com base na China  de alvejar uma série de empresas e filiais americanas, incluindo o governo dos EUA, uma série de empresas privadas e até mesmo a infraestrutura crítica do país, que inclui redes elétricas e abastecimento de água. Com o hackeamento se tornando mais sofisticado por natureza, os gostos da cidade de Nova Iorque poderāo se ver  mergulhados na escuridão completa. Com os índices de criminalidade  já disparando na cidade, imagine as cenas de “The Purge” acontecendo na realidade. A possibilidade disso, devo frisar, não é mais  o assunto da ficção científica distópica.

Juntos, Rússia e China formam uma equipe criminosa formidável. À medida que os países europeus pressionam mais a Rússia de Putin, espere que Moscou se aproxime de Pequim. Isso deve preocupar a todos nós, especialmente aos membros do governo Biden. Como escreveu Andranik Migranyan, do The National Interest , “Tanto o establishment russo quanto Putin pessoalmente entendem que uma China em crescimento “apresenta uma oportunidade real”. Hoje, de acordo com Migranyan, “a China em muitas áreas de alta tecnologia não apenas alcançou a Europa e os Estados Unidos, mas também se compromete a deixar os países ocidentais para trás (em tecnologia 5G, inteligência artificial, biotecnologia e assim adiante)”.

Em 12 de julho, o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China anunciou seus planos de injetar bilhões de dólares no desenvolvimento da indústria de segurança cibernética do país. A Rússia conhece um aliado quando o vê, e a China parece ser um aliado valioso. De acordo com o Global Times, um provedor diário de propaganda do PCC, a aliança China-Rússia  agora é inquebrável.

Então, de volta à pergunta inicial: a China vai atacar os Estados Unidos? sim. Já o fez, inúmeras vezes. Os tempos estão mudando e os atos de guerra estão evoluindo. O PCC já  espiona cidadãos americanos, rouba dados, rouba propriedade intelectual e  rouba dinheiro . À medida que Pequim e Moscou fortalecem os laços, espere que esses atos descarados de criminalidade continuem. Mais preocupante é que os ciberataques aumentem tanto em frequência quanto em magnitude. O governo Biden deve se preparar, porque mais ataques estão por vir. Não é uma questão de se, mas de quando.

John Mac Ghlionn é pesquisador e ensaísta. Seu trabalho foi publicado por empresas como New York Post, Sydney Morning Herald, The American Conservative, National Review, The Public Discourse e outros veículos respeitáveis. Ele também é colunista da Cointelegraph.

As visões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Siga John no Twitter: @@ ghlionn

 

 
Matérias Relacionadas