Poderia a China bombardear o Japão?

"Regime do PCC pode quebrar todo tipos de compromissos e acordos que fez com diferentes países na história""

Por Nicole Hao

Um vídeo online da China ameaçando bombardear o Japão por declarar que apoiaria Taiwan se a nação-ilha fosse invadida por Pequim, apresentava as opiniões de alguns políticos do Partido Comunista Chinês (PCC) e transmitia a mensagem de que o regime não usará armas nucleares apenas em autodefesa, comentaristas de assuntos chineses disseram ao Epoch Times em 20 de julho.

“Nossa ideologia geral é: quando libertarmos [ocupar forçosamente] Taiwan, se o Japão se atrever a intervir pela força, mesmo que apenas envie um soldado, um avião ou um navio, começaremos uma guerra em grande escala contra o Japão, em vez de devolver o fogo igualmente”, dizia um vídeo postado pela primeira vez no canal de comentários militares Liujun Taolue em 11 de julho. “Usaremos bombas nucleares primeiro e depois as usaremos continuamente. Não vamos parar até que o Japão anuncie sua rendição incondicional pela segunda vez.”

O Japão anunciou sua primeira rendição incondicional em 15 de agosto de 1945 durante a Segunda Guerra Mundial.

O vídeo ameaçador mencionado acima foi republicado pelo Comitê do PCC da cidade de Baoji, província de Shaanxi, em seu canal Xigua. Em 14 de julho, o Epoch Times pesquisou e descobriu que o vídeo foi removido de todas as páginas da web em chinês.

“A China tem uma censura muito rígida. Este vídeo circulou por vários dias e foi visto por milhões de pessoas antes de ser retirado. Embora essas ameaças não tenham sido enviadas pelo PCC, elas foram pelo menos aprovadas e permitidas pelo PCC”, disse Tang Hao, um comentarista de assuntos chineses baseado nos Estados Unidos, ao Epoch Times na terça-feira, 20 de julho.

“[Com base nos vídeos que o canal postou], o Liujun Taolue representa as opiniões dos políticos mais agressivos do PCC. O vídeo deve ser seu teste para ver quais são as reações da sociedade a uma guerra nuclear”, acrescentou Tang Hao.

Tang Jingyuan, outro comentarista de assuntos chineses baseado nos Estados Unidos (não relacionado a Tang Hao), disse ao Epoch Times na terça-feira: “Eu realmente acho que o mundo deveria prestar atenção a um ponto que o vídeo fez, que o regime do PCC pode quebrar todo tipos de compromissos e acordos que fez com diferentes países na história”

“Este [regime do PCC] destruiu a democracia de Hong Kong, apesar de sua promessa ao governo britânico de que manteria os direitos por 50 anos. Agora, o vídeo afirma que o regime do PCC romperá seu compromisso nuclear e bombardeará o Japão, um país que não possui armas nucleares”, disse Tang Jingyuan. “Não acho que o regime do PCC vai bombardear o Japão em um futuro próximo. Você pode querer ameaçar o mundo de que não seguirá as normas e leis internacionais ou não manterá suas promessas. Ele fará o que quiser”.

Soldados das Forças de Autodefesa Terrestre do Japão (JGSDF) montam um obuseiro autopropelido Tipo 99 155 mm durante um exercício de fogo real no campo de treinamento da JGSDF na Área de Manobra de Fuji Leste em Gotemba, Shizuoka, Japão) em 22 de maio de 2021  (Akio Kon – Pool / Getty Images)

Vídeo de ameaça

O vídeo de cinco minutos postado por Liujun Taolue conclama o regime de Pequim a lançar ataques nucleares contra o Japão se Tóquio intervier em uma invasão chinesa na democrática Taiwan.

“Nosso povo chinês vingará os velhos e novos sofrimentos que os japoneses nos proporcionaram”, afirma o vídeo. “Como o único país do mundo que foi atingido por bombas nucleares, o governo e o povo japonês devem ter uma memória profunda da bomba nuclear (…) Uma bomba nuclear no Japão pode dobrar o efeito com metade do esforço.”

O vídeo anunciava que a China lançaria bombas no Japão, uma após a outra, “não aceitaremos negociações de paz” e “tomaremos as ilhas Senkaku e Ryukyu [controladas pelo Japão] no processo”.

O vídeo dizia que uma pesquisa mostrou que 80 por cento dos japoneses tinham uma má impressão do regime chinês, “o Japão tem apoio civil para lançar uma guerra contra a China”.

Além disso, os ataques nucleares são mais uma ameaça do que o início de uma guerra. “Queremos atingir a capacidade do Japão de resistir à guerra. Assim que o Japão reconhecer que não pode pagar o preço da guerra, ele não se atreverá a enviar tropas ao estreito de Taiwan.”

O regime chinês prometeu ao mundo que não usaria bombas atômicas contra países não nucleares e que não seria o primeiro a usá-las.

O vídeo propôs uma “teoria da exceção do Japão” porque “o mundo enfrenta grandes mudanças não vistas em um século”.

Um grupo de visitantes passa por um míssil nuclear enquanto visita o Museu Militar em Pequim em 23 de julho de 2007 (Teh Eng-koon / AFP via Getty Images)

Quão séria é a ameaça?

Ambos os comentaristas não acreditam que a China vá lançar um ataque nuclear ao Japão em um futuro próximo, mas permanece a possibilidade de que o regime comunista se comporte insano se a comunidade internacional não der a ele um sinal claro de “pare”.

“Em abril de 2013, o regime chinês eliminou a política nuclear de ‘primeiro uso’ (NFU) em seu Livro Branco sobre Defesa Nacional. As autoridades de Pequim podem querer usar armas nucleares para atingir seus objetivos”, disse Tang Jingyuan.

“Se Pequim atacar o Japão com armas nucleares, os Estados Unidos defenderão Tóquio lançando bombas nucleares contra Pequim. Os Estados Unidos têm mais bombas atômicas do que a China. Não acho que Pequim se atreva a iniciar uma guerra nuclear”, disse Tang Hao.

“Acho que o regime chinês quer ameaçar não apenas o Japão, mas também outros países ocidentais [para parar de apoiar Taiwan] publicando este vídeo. Ao mesmo tempo, o regime quer motivar o povo chinês a odiar o Japão e a parar de comprar produtos japoneses. Para atingir esse objetivo, os políticos e empresários japoneses pró-Pequim que fazem negócios na China agirão em favor de Pequim”, acrescentou Tang Hao.

Um Veículo de Autodefesa Terrestre do Japão (JGSDF) Tipo 92 lança um foguete durante um exercício de fogo real no campo de treinamento da JGSDF na Área de Manobra de Fuji Leste em Gotemba, Shizuoka, Japão em 22 de maio de 2021 (Akio Kon – Pool / Getty Imagens)

Retaliação

Um comentarista do canal Liujun Taojue afirmou no vídeo que a China ameaçou o Japão porque os líderes japoneses apoiaram Taiwan em seus discursos recentes.

Em 5 de julho, o vice-primeiro-ministro japonês Taro Aso disse em uma festa de arrecadação de fundos organizada por um legislador do Partido Liberal Democrata: “Devemos defender Taiwan, em virtude de nossa aliança com os EUA”.

Taro então explicou que o Japão e Taiwan têm “uma situação que ameaça a sobrevivência”, indicando que um ataque armado a Taiwan representa um risco claro para a sobrevivência do Japão.

Em 28 de junho, quando o ministro da Defesa japonês, Yasuhide Nakayama, conversou com o instituto Hudson Institute, ele disse que os Estados Unidos e o Japão devem proteger Taiwan “como um país democrático”.

Mapa mostrando a China, Taiwan e o Estreito de Taiwan. (Fonte da imagem: Agência Central de Inteligência)

Taiwan e a China continental são separadas pelo Estreito de Taiwan. O regime chinês reivindica a ilha como sua, apesar do fato de que Taiwan é um país independente de fato, com seu próprio exército, governo democraticamente eleito e constituição.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas