China não responde às perguntas da ONU sobre extração forçada de órgãos, afirma ONG

China transforma sua indústria de transplantes em um negócio lucrativo matando prisioneiros de consciência e removendo seus órgãos à força

Por Frank Fang

A Coalizão Internacional para Acabar com o Abuso de Transplantes na China (ETAC) e dois outros grupos de direitos dos EUA criticaram a China por suas respostas “inapropriadas e enganosas” a alegações credíveis da prática de extração forçada de órgãos sancionada pelo Estado.

As perguntas foram feitas em junho por nove relatores especiais do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e por membros de um grupo de trabalho sobre detenções arbitrárias. Juntos, eles disseram que estavam ” extremamente alarmados” com relatos de extração de órgãos na China de minorias detidas, incluindo praticantes do Falun Gong, uigures e cristãos.

Os relatores, que são especialistas independentes do sistema de direitos humanos da ONU, pediram à China que fornecesse informações sobre as denúncias (pdf), incluindo “os fundamentos legais para a realização de exames médicos de prisioneiros ou detidos” e “a finalidade dos referidos exames médicos”.

A China transformou sua indústria de transplantes em um negócio lucrativo matando prisioneiros de consciência e removendo seus órgãos à força, permitindo que os hospitais chineses ofereçam aos pacientes um órgão compatível em um período de tempo extraordinariamente curto. Ao longo dos anos, Pequim descartou essas alegações como “boatos” e disse que o país tem um sistema nacional de doação de órgãos.

A posição da China foi refutada em 2019, quando um tribunal independente de Londres concluiu que a extração forçada de órgãos sancionada pelo Estado acontecia na China há anos “em uma escala significativa”. O relatório (pdf) afirma que é “indubitável” que os órgãos são obtidos de praticantes do Falun Gong presos e que eles são “provavelmente a principal fonte”.

O relatório também observou que os praticantes do Falun Gong detidos foram “sistematicamente submetidos a exames de sangue e exames de órgãos”. Os exames de sangue são realizados para verificar os grupos sanguíneos e os tipos de tecido para determinar se um receptor de órgão pode ser emparelhado com um doador.

As alegações de extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong detidos surgiram pela primeira vez em 2006. Os praticantes, que se tornaram alvos da perseguição chinesa em 1999, continuam sendo vítimas da opressão até hoje.

Em 24 de setembro, o ETAC, a Fundação Memorial às Vítimas do Comunismo (VOC) e a China Aid Association emitiram uma declaração conjunta criticando a China por não ter respondido adequadamente às perguntas dos relatores.

“Mais uma vez, as autoridades chinesas não forneceram estatísticas oficiais sobre transplantes, tempos de espera para alocação de órgãos ou fontes de órgãos, conforme solicitado por especialistas da ONU em 2006, 2007 e agora em 2021”, disse Susie Hughes, CEO da ETAC, no comunicado.

Ela acrescentou: “É hora de um boicote global à indústria de transplantes da China até que grupos minoritários inocentes sejam libertados e o estado chinês demonstre práticas éticas de transplante”.

Em resposta a perguntas sobre o exame médico, os três grupos de direitos humanos disseram que não era suficiente para a China simplesmente citar diretrizes de segurança pública e ordens do Conselho de Estado, que é como um gabinete.

“A resposta da RPC [República Popular da China] não fornece nenhum dado novo que sugira que o objetivo desses exames era outro que a avaliação da função dos órgãos, necessária antes da extração dos mesmos”, declararam os três grupos de direitos.

Os grupos disseram que a China não respondeu a uma pergunta sobre suas medidas “tomadas para garantir que as atividades de doação e transplante sejam transparentes e abertas ao escrutínio”.

Nem a China respondeu adequadamente a outra pergunta sobre “como os dados são coletados para evitar o abuso dos sistemas de transplante”.

Os dados públicos de doação de órgãos da China foram questionados anteriormente por alguns especialistas. Em 2019, um artigo publicado na revista científica BMC Medical Ethics concluiu que “os números de doação de órgãos relatados por Pequim não se sustentam e há evidências muito convincentes de que estão sendo falsificados”.

“As mentiras flagrantes do Partido Comunista Chinês em resposta às questões levantadas pelos relatores especiais da ONU sobre a extração forçada de órgãos patrocinada pelo Estado são vergonhosas, mas não surpreendentes”, disse Andrew Bremberg, ex-representante dos EUA na ONU e atual presidente da VOC, de acordo com o demonstração.

Ele acrescentou: “Parabenizo os relatores especiais da ONU por colocarem essas questões à China e exorto os Estados membros a encerrarem sua complacência com base na resposta completamente inadequada do PCC [Partido Comunista Chinês]”.

“Cabe aos Estados membros, incluindo os Estados Unidos, decidir se ignorarão o trabalho dos relatores especiais ou se finalmente agirão para responsabilizar pela prática horrível da China de extração de órgãos de prisioneiros de consciência.”

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas