537 detidos foram registrados desde o começo dos protestos em Cuba, incluindo menores

Por Agência EFE

Ativistas documentaram mais de 500 detidos desde os protestos de 11 de julho em Cuba , incluindo vários menores, enquanto organizações religiosas ajudam parentes dos presos e pessoas que tiveram duros testemunhos e foram libertadas nos últimos dias.

Durante e após os protestos do J11, que variaram de manifestações pacíficas a confrontos com a polícia, houve uma onda de prisões de participantes, incluindo cidadãos anônimos, artistas, ativistas da oposição e jornalistas independentes.

O regime não forneceu dados sobre os detidos e não se sabe quantos são, embora várias organizações tenham feito seus próprios estudos, que vão de mais de cem a milhares em todo o país.

Um excel colaborativo

Os ativistas divulgaram uma lista interativa em um documento Excel que permite aos usuários inserir não apenas os dados pessoais dos presos, mas também informações úteis, como a data e hora da prisão, o último relatório ou o local onde foram vistos pela última vez.

Pessoas participam de uma manifestação contra o regime do presidente cubano Miguel Díaz-Canel em Havana (Cuba), em 11 de julho de 2021 (Adalberto Roque / AFP via Getty Images)

O elenco já inclui 537 nomes de cidades de todo o país, onze deles menores, incluindo um adolescente de 15 anos.

Em geral, eles são acusados ​​de “desacato” ou “crimes contra a segurança do Estado”. A organização Cuban Prisoners Defenders denunciou que muitos dos presos são submetidos a procedimentos sumários, sem possibilidade de acesso a representação legal adequada.

Alguns deles foram libertados nos últimos dias, alguns sem acusações e outros em prisão domiciliar enquanto aguardam julgamento.

Entre estes, ganhou destaque nas redes o testemunho de um estudante universitário, Leonardo Romero Negrín, que alegou ter sofrido espancamentos e humilhações durante vários dias de detenção por participar de uma marcha pacífica em Havana.

Um homem é preso durante uma manifestação contra o regime de Miguel Díaz-Canel no município de Arroyo Naranjo, Havana, em 12 de julho de 2021 (Foto de YAMIL LAGE / AFP via Getty Images)

O site La Joven Cuba, meio de comunicação de intelectuais de esquerda no país, revelou seu depoimento completo e solicitou uma “comissão da verdade” para investigar os supostos abusos das autoridades em relação aos protestos do J 11, os maiores em 60 anos em Cuba. .

Outro jovem libertado nos últimos dias disse à Efe, do anonimato, que não foi espancado ou assediado na prisão – apenas durante o protesto – e recebeu tratamento “normal”, exceto nos interrogatórios irritantes e verbalmente agressivos, às vezes de madrugada.

A igreja se move

A comunidade católica, por sua vez, também se mobiliza para ajudar os presos.

A Conferência Cubana de Religiosos, que reúne todas as congregações de Cuba, começou a oferecer não só aconselhamento espiritual, mas também jurídico às famílias dos detidos.

Um homem é preso durante uma manifestação contra o regime do presidente cubano Miguel Díaz-Canel em Havana em 11 de julho de 2021 (Yamil Lage / AFP via Getty Images)

Acima de tudo, ajudam-nos a interpor o recurso de habeas corpus para que saibam em que cárcere estão os seus entes queridos e acompanhem o processo, embora “a lei cubana não dá muitas possibilidades”, padre jesuíta Eduardo Llorens, um dos líderes desta iniciativa.

“Nós nos mobilizamos porque o número de pessoas é grande. Eles são calculados em várias centenas e tome cuidado para não serem milhares. Este é um impacto na sociedade. São pessoas que não têm perfil de bandido comum e nunca tiveram problemas com a Justiça ”, explicou.

Novas damas de branco?

Um apelo, assinado pelo recém-criado “Movimento das Mães”, também começou a se espalhar pelas ruas nesta quarta-feira por todo o país “todas as mães, tias, irmãs, namoradas e avós” cujos parentes “morreram, estão feridos ou desaparecidos desde julho 11 ”.

Este grupo refere-se às Damas de Branco, esposas e parentes dos 75 dissidentes presos durante a onda repressiva de 2003 conhecida como “Primavera Negra”, que durante anos protestaram pacificamente para exigir sua libertação.

As prisões em massa atraíram críticas da comunidade internacional.

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu esta semana a libertação urgente dos presos, além de uma investigação que permita que os responsáveis ​​sejam punidos caso os abusos sejam confirmados.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas