5 razões pelas quais Pequim é má escolha para sediar Jogos Olímpicos de 2022

Em 2001, o povo chinês explodiu de euforia e celebração em todo o país quando o Comitê Olímpico Internacional anunciou que Pequim havia ganhado a licitação para sediar os Jogos Olímpicos de Verão de 2008. Em contrapartida, a vitória de Pequim sobre Almaty, Cazaquistão, na sexta-feira passada para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 recebeu apenas uma reação morna no continente. Não é surpreendente, uma vez que os cidadãos de Pequim geralmente têm pouco interesse em esportes de inverno, e para muitas pessoas, os Jogos de 2008 foram caros e incômodos. Houve gastos extravagantes em estádios, e em diversos locais da cidade, foi proibido andar de carro para reduzir a poluição do ar.

Quando a China venceu a licitação Olímpica de Verão há mais de uma década, a comunidade internacional esperava que serviria como um impulso para o regime chinês melhorar sua terrível atitude em relação aos direitos humanos. Em vez disso, tornou-se uma validação silenciosa da repressão chinesa contra dissidentes e da imprensa censurada nos meses que antecederam e durante os Jogos Olímpicos de Verão na China.

Vamos apresentar-lhes cinco razões comprovando que sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim é uma má ideia.

1. A falta de neve

Tirada em janeiro, duas semanas antes da época em que os Jogos Olímpicos de Inverno irão ocorrer, esta foto mostra as montanhas de Yanqing, palco para vários eventos, como esqui e trenó (Comitê Olímpico Internacional / Relatório da Comissão de Avaliação 2022)
Tirada em janeiro, duas semanas antes da época em que os Jogos Olímpicos de Inverno irão ocorrer, esta foto mostra as montanhas de Yanqing, palco para vários eventos, como esqui e trenó (Comitê Olímpico Internacional / Relatório da Comissão de Avaliação 2022)

Assim como Pequim, as cidades co-anfitriãs, Zhangjiakou e Yanqing, possuem pouca queda de neve no inverno, ao contrário de Almaty, uma cidade com neve abundante, que inclusive se gabava em seu vídeo promocional anunciando: “Verdadeira neve, verdadeiro ambiente de inverno, verdadeiros jogos do inverno”.

Portanto, para manter os jogos, Pequim terá que criar artificialmente grandes quantidades de neve, uma façanha extremamente cara para uma cidade que já sofre de escassez de água. O Rio Yongding, que já foi o maior rio a fluir por Pequim, está praticamente seco. Para combater o problema, o regime chinês investiu 80 bilhões de dólares em um projeto de transferência de água do sul para o norte, mas devido a uma taxa de fluxo lenta e outras questões estruturais, o canal transporta menos de 5% da meta de 10 bilhões de toneladas de água por ano. As autoridades chinesas afirmam, no entanto, que eles têm água suficiente para criar a neve artificial necessária.

Leia também:
Lei tributária chinesa está destruindo trabalhadores de baixa renda
‘Os benefícios da poluição’ e outras 10 declarações absurdas do governo chinês
Dezenas de chineses são presos por apresentarem queixas contra ex-presidente

2. Grave poluição do ar

Uma neblina, que trata-se da combinação entre fumaça e nevoeiro resultantes da rápida expansão industrial, e em grande parte não regulamentada, na China, sufoca as principais cidades do país, especialmente Pequim. Em março de 2014, a embaixada dos EUA em Pequim divulgou um estudo sobre a qualidade do ar, e encontrou PM2.5, uma partícula pequena o suficiente para entrar nos pulmões e causar graves problemas de saúde, registrando números perto de 400 no índice de qualidade do ar (IQA) em 2008. Em uma análise de IQA, quando a leitura é superior a 200, já considera-se grave para a saúde, podendo prejudicar o sistema respiratório e aumentar o agravamento de doenças cardíacas e pulmonares.

A qualidade do ar em Pequim, de abril a novembro de 2008. O Departamento de Estado dos EUA afirmou que os dados ainda não foram totalmente verificados ou validados (Frank fang / Epoch Times)
A qualidade do ar em Pequim, de abril a novembro de 2008. O Departamento de Estado dos EUA afirmou que os dados ainda não foram totalmente verificados ou validados (Frank fang / Epoch Times)

Para limpar o ar para os Jogos Olímpicos de 2008, Pequim proibiu a circulação de mais de um milhão de carros pelas estradas, e fechou grandes fábricas da cidade. O plano temporário melhorou significativamente a qualidade do ar, mas o Greenpeace relatou que a concentração média de partículas na atmosfera em Pequim foi ainda duas vezes o nível considerado seguro pela Organização Mundial de Saúde.

O regime chinês fez alguns progressos na redução da poluição atmosférica no primeiro semestre de 2015, mas o problema persiste.

3. Dinheiro proveniente de impostos desperdiçados

Sediar uma olimpíada custa uma fortuna, razão pela qual alguns países não querem mais fazer isso. Os Jogos Olímpicos de Verão de 2008 custou à China 40 bilhões de dólares, e gerou um rendimento de apenas 3,3 bilhões de dólares ao país, de acordo com o jornal estatal China Daily. Ainda assim o Partido Comunista Chinês está ansioso para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, independentemente do preço extravagante, devido à publicidade e glória que os Jogos Olímpicos trarão ao regime chinês.

(Frank Fang/Epoch Times)
(Frank Fang/Epoch Times)

Para esta rodada dos Jogos Olímpicos, as autoridades estimaram um orçamento de 3,9 bilhões de dólares, mas tudo indica que gastarão muito mais com a construção de novas instalações esportivas de inverno.

A China também vai precisar construir um oneroso trem de alta velocidade para ligar Pequim e Zhangjiakou, duas cidades separadas por mais de 100 milhas. Yanqing, uma cidade que sediará alguns outros eventos, fica também a mais de 50 milhas de distância do centro da cidade. Almaty, por outro lado, enfatizou que todos os eventos teriam lugar dentro de um raio de 20 milhas da cidade.

4. Mídia censurada

Uma funcionária remove o leite em pó contaminado por melamina da prateleira em um supermercado em Pequim, China (China Photos / Getty Images)
Uma funcionária remove o leite em pó contaminado por melamina da prateleira em um supermercado em Pequim, China (China Photos / Getty Images)

No verão de 2008, a fórmula de leite infantil contaminada por melamina, que foi adicionada com o intuito de aumentar artificialmente o nível de proteína quando o produto foi testado, adoeceu centenas de milhares de bebês na China. No entanto, como os Jogos Olímpicos estavam se aproximando, o regime chinês apressadamente aboliu uma investigação de um jornalista do Southern Weekend de Guangdong, e proibiu uma conferência de imprensa com os pais das crianças afetadas. O leite em pó contaminado, em última análise, adoeceu 300 mil crianças, e matou pelo menos seis.

As autoridades também censuraram quaisquer relatos da imprensa estrangeira de abusos dos direitos humanos. Um jornalista britânico foi maltratado e detido após cobrir um protesto a favor da liberdade do Tibete perto da zona olímpica.

Como o fez para os Jogos Olímpicos de Verão de 2008, o regime chinês provavelmente irá censurar a mídia, até mais do que já faz para esconder qualquer notícia perturbadora que possa atrair atenção internacional.

Leia também:
Cidades fantasmas na China preludiam bolha imobiliária
Regime chinês ‘condecora’ responsáveis por contaminação de leite em pó
Justiça é sabotada nos tribunais da China e governo implementa táticas desonestas

5. Intensificação das violações de direitos humanos

Embora a comunidade internacional esperasse que os Jogos Olímpicos de 2008 fossem incentivar o regime chinês a interromper suas terríveis violações aos direitos humanos, ao invés disso, eles intensificaram seus abusos. As autoridades exploraram trabalhadores migrantes para a construção de instalações olímpicas, expulsaram proprietários de casas com pouca indenização e demoliram suas casas, detiveram e expulsaram jornalistas, e reforçaram o programa de segurança para censurar a internet, segundo a Anistia Internacional.

Uma foto tirada em março de 2005 mostra o ativista cego Chen Guangcheng (D) com sua esposa e filho (STR / AFP / Getty Images)
Uma foto tirada em março de 2005 mostra o ativista cego Chen Guangcheng (D) com sua esposa e filho (STR / AFP / Getty Images)

Milhares de dissidentes ou manifestantes foram reprimidos com intimidação, vigilância, prisão domiciliar, ou detenção. Por exemplo, Ye Guozhu, um ativista de direitos humanos de Pequim, foi detido sob a acusação de “perturbar a ordem pública”. Até mesmo as famílias dos principais dissidentes não foram poupadas. Yuan Weijing, a esposa do ativista cego Chen Guangcheng, disse que o número de funcionários que vigiam sua casa na província de Shandong aumentou de 10 para mais de 40.

Claro, o Cazaquistão também é um país autoritário, e não é muito melhor. Entretanto o regime chinês já demonstrou nos Jogos Olímpicos de 2008 que não vai parar suas violações de direitos humanos, apesar da pressão internacional. Nas últimas semanas, as autoridades chinesas prenderam mais de 200 advogados de direitos humanos em uma das maiores repressões civis, tornando a hospedagem dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 por Pequim altamente preocupante.

 
Matérias Relacionadas