‘5 de julho agora será um terrivelmente evangélico’, diz presidente Bolsonaro sobre indicação ao STF

Por Brehnno Galgame, Terça Livre

O presidente da República, Jair Bolsonaro, durante uma conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada no último sábado (8), disse que já possui um nome para indicar ao Supremo Tribunal Federal (STF) no próximo dia 5 de julho. Além disso, também garantiu que será “terrivelmente evangélico”.

Em seu pronunciamento, o presidente começou destacando a importância de ter bons candidatos pelo Brasil para as eleições do próximo ano, uma vez que alguns podem indicar importantes cargos para o Judiciário, por exemplo. Bolsonaro também pediu para que o povo não vote com o “coração”, mas com a “razão”.

“Você falou uma coisa que eu acho muito importante. Tem eleições ano que vem. Há muita gente boa pode vir como candidato, mas quando vê o quadro, diz: ‘Ah não quero entrar nesse meio’. Então os ruins ocupam este meio. Então tem que se preocupar com política, não pode com coração – ‘ah é meu vizinho, torce para o meu time’ -, porque todo mundo é ‘bonzinho’ ano que vem. Vota com razão”, pediu o presidente Bolsonaro.

“Estamos lutando para o voto auditável, o voto impresso, para que se afaste a suspeita de fraude, para a gente poder melhorar o Executivo, o Legislativo e também o Judiciário, porque quem indica vagas para o STF passa por mim [líder do Executivo]. A palavra final não é minha, é do Senado – tem uma sabatina lá. Mas, você já sabe né, que o [ministro indicado] de 5 de julho agora será um terrivelmente evangélico”, garantiu Jair Bolsonaro.

E concluiu: “Tem um cotado aí, por enquanto é ele, mas não está batido o martelo ainda. Eu até falei uma vez: imagina um Supremo Tribunal Federal, as sessões começarem com uma oração por parte desse ministro. Deus é essencial em todos os lugares e o Supremo é um local que… eu não sei qual é o superlativo de essencial. Alguém sabe qual é? ‘Esseencialíssimo’?”, finalizou o presidente, querendo ressaltar a necessidade de uma personalidade como essa para o Supremo.

Atualmente, o próximo ministro a deixar a Suprema Corte, no próximo dia 5 de julho, é o decano Marco Aurélio Mello, por completar 75 anos de idade – limite para permanecer no STF.

 
Matérias Relacionadas