42 anos e diabético: enfermeiro brasileiro disse a seus amigos via WhatsApp que morreria de Covid-19

Por Biobiochile, César Vega Martínez

Uma história triste impactou os brasileiros nas últimas horas, é sobre um enfermeiro que avisou seus amigos via WhatsApp que ele estava falando sério devido ao vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), mais conhecido como novo coronavírus e que ele morreria por falta de atenção. Conforme relatado, a morte ocorreu duas horas após o envio da mensagem.

Segundo o O’Globo, Evandro Silva estava em um Hospital da Campanha de Tratamento para a COVID-19, em Macapá, cidade na região amazônica do Brasil.

Ele tinha 42 anos e era diabético, portanto fazia parte do grupo de risco da doença.

No entanto, como relatado, o enfermeiro não recebeu a ajuda de que precisava, então enviou desesperadamente uma mensagem para um grupo de amigos do WhatsApp, onde relatou sua situação.

“Vou morrer, estou sentado aqui morrendo, sem qualquer ajuda”, explicou ele naquele texto, que alcançou cerca de 20 pessoas.

Mensagem de Evandro

Segundo um de seus associados próximos, Evandro havia entrado em uma clínica no início de maio devido a uma infecção pela COVID-19, que ocorreu durante o trabalho. No entanto, ao longo dos dias, ele foi transferido para um hospital de campanha.

“Evandro nos pediu ajuda, disse que estava doente e que ia morrer porque ninguém estava lhe dando atenção”, disse um dos destinatários da mensagem, Odilon Ribeiro.

“Ele não teve assistência. Falei com ele na manhã anterior à sua morte, quando ele nos disse que estava sozinho em uma sala abandonada e até bebeu água da pia. Isso foi muito doloroso, muito cruel”, acrescentou Ribeiro.

No último final de semana, o Conselho Federal de Enfermagem do Brasil informou que 98 autoridades de saúde morreram no contexto atual da pandemia.

Para isso, acrescentaram que cerca de 10.000 trabalhadores, incluindo médicos, enfermeiros e técnicos, foram retirados de suas funções devido a contágios pela doença.

Deve-se notar que o Brasil foi o país mais afetado pela pandemia na América do Sul, com mais de 17.000 mortes pela doença.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 

 
Matérias Relacionadas