11 províncias da China sofrem inundações intensas enquanto mídia estatal se mantém em silêncio

Autoridades locais descarregaram a água da chuva acumulada nos reservatórios sem alertar as pessoas com antecedência fazendo com que dezenas de pessoas fossem arrastadas

Por Nicole Hao

As fortes chuvas de junho levaram a graves inundações em pelo menos onze províncias da China.

Moradores de duas cidades disseram ao Epoch Times que as autoridades locais descarregaram a água da chuva acumulada nos reservatórios sem alertar as pessoas com antecedência, fazendo com que dezenas de pessoas fossem arrastadas.

Muitos também perderam suas casas devido às enchentes, mas a mídia estatal mal cobriu as notícias, enquanto a mídia local publicou alguns artigos que glorificaram principalmente os esforços de resgate das autoridades.

Inundações Pesadas

Chen Yang (pseudônimo), morador da rua Liangjiang na cidade de Shuangjiang, cidade de Lipu, na região de Guangxi, no sul da China, disse ao Epoch Times em língua chinesa mais detalhes sobre as recentes inundações.

“Estávamos vendo que nossos colegas moradores foram levados pelas águas da enchente, mas não pudemos ajudar. Ainda não descobrimos o corpo deles porque a água da enchente ainda é profunda”, disse ele em uma entrevista por telefone em 11 de junho.

“Os moradores idosos nunca haviam visto esse tipo de inundação pesada na vida”, acrescentou Chen.

A vila de Chen tem cerca de 2.000 a 3.000 habitantes, com muitos deles morando em casas feitas de barro e palha. Chen disse que a população local é pobre e, portanto, não tem dinheiro para comprar tijolos e cimento para construir suas casas.

“Quando a enchente entrou em nossa vila, a água atingiu de dois a três metros (6,56-9,84 pés) de altura. O primeiro andar de todos os edifícios em nossa vila estava submerso na água da enchente naquela época”, disse Chen. “90% das casas de barro desabaram após serem encharcadas na água da enchente. Não ousamos entrar nas que ainda não desabaram”, acrescentou.

Hong Chen (pseudônimo) opera uma pousada na cidade de Yangshuo, que fica a cerca de 40 quilômetros da casa de Chen Yang.

Ela disse ao Epoch Times em língua chinesa em 10 de junho que a chuva começou a cair em 6 de junho. Agora, as cidades de Yangshuo, Yongfu e Pingle, no município de Guilin, no nível do condado, estão completamente inundadas.

“Todo o centro de Yangshuo está inundado. Durante o pior período, o segundo andar de algumas casas também ficou submerso na água. As pessoas tiveram que dormir no terceiro ou mais andares”, disse Hong.

O abastecimento de água e a eletricidade da cidade foram cortados, com algumas áreas não tendo o serviço restaurado ainda, acrescentou.

Hong disse que algumas casas de barro no centro da cidade também desabaram.

Campos e edifícios inundados submergiram em Rongan, na região sul de Guangxi, na China, em 10 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Campos e edifícios inundados submergiram em Rongan, na região sul de Guangxi, na China, em 10 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

Inundações artificiais

Ela explicou por que as inundações foram agravadas pelas ações das autoridades.

“Chuvas fortes fizeram com que o nível da água do rio Li se tornasse muito alto. Ontem (9 de junho) às 18h, as autoridades não nos alertaram e descarregaram a água de um grande reservatório no rio Li ”, disse ela.

Um pequeno reservatório próximo à cidade de Yangshuo não pôde conter a água e a barragem local quebrou. “A água lavou nossa cidade”, disse Hong.

O proprietário de uma loja em um local de turismo em Yangshuo também transmitiu a mesma informação. Ele disse que o nível da água do rio Li ainda é alto.

Chen, da cidade de Lipu, disse que as inundações em sua cidade natal também foram causadas pela descarga do reservatório.

A cidade de Lipu recebeu o nome do rio Lipu que atravessa a cidade. A cidade natal de Chen está localizada entre dois afluentes do rio Lipu, um é o rio Maling. Existem vários reservatórios a montante do rio Maling, incluindo o reservatório de Dajiang.

“O regime descarregou o reservatório de Dajiang sem notificação. Então, a represa de um pequeno reservatório quebrou”, disse Chen. “Dentro de alguns minutos, a água entrou em nossa aldeia. Não tivemos tempo para nos preparar”.

Chen disse que as águas levaram três cidades através da jusante do rio: Huaze, Shuangjiang e Maling.

“Tudo se foi”, disse Chen. A inundação submergiu os campos agrícolas e arruinou a colheita dos moradores, acrescentou Chen. Outros perderam seus utensílios domésticos.

Pessoas observam uma rua submersa em Rongan, na região sul de Guangxi, na China, em 10 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Pessoas observam uma rua submersa em Rongan, na região sul de Guangxi, na China, em 10 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

Ajuda governamental

Após a inundação, as autoridades locais prometeram distribuir ajuda. No entanto, os moradores disseram que pouco foi realizado.

“Ouvimos dizer que em outros municípios, um pouco de pão foi distribuído. Mas para uma família de três membros, [as autoridades] apenas lhes deram um pão. Não é quase nada”, disse Chen.

Em uma vila próxima, as autoridades distribuíram uma garrafa de óleo de cozinha, um saco de arroz e uma caixa de mingau em lata para cada família. Mas Chen disse que as autoridades logo recolheram os itens de famílias que não usavam os produtos. Um aldeão que comeu o mingau foi convidado a pagar por isso.

“Alguns moradores não se qualificaram para a ajuda, pois oficiais do governo disseram que suas casas não irão desmoronar”, disse Chen.

Um homem checa sua moto em meio às águas da enchente em Rongan, na região sul de Guangxi, na China, em 10 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Um homem checa sua moto em meio às águas da enchente em Rongan, na região sul de Guangxi, na China, em 10 de junho de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

Propaganda

Em 11 de junho, vários meios de comunicação de Taiwan relataram que pelo menos 19 pessoas morreram nas recentes inundações que ocorreram em 11 províncias chinesas. Segundo suas estimativas, 230.000 pessoas perderam suas casas e 2,62 milhões de pessoas perderam suas propriedades ou ficaram feridas.

No entanto, a mídia estatal da China manteve o silêncio durante todo esse tempo.

No jornal oficial do Partido Comunista Chinês, People’s Daily, não houve cobertura relacionada.

Na mídia estatal Xinhua, há apenas um breve relatório relacionado à enchente em sua primeira página. Este relatório focou em como as autoridades ajudaram as pessoas.

No site da emissora estatal CCTV, existem apenas dois artigos relacionados. Um relatou que os níveis de água de 148 rios eram superiores ao nível de alarme designado pelas autoridades. O outro artigo relatou que as autoridades ajudaram as pessoas que perderam suas casas durante as inundações na cidade de Huizhou, província de Guangdong.

No Weibo, uma plataforma semelhante ao Twitter, as inundações não foram amplamente discutidas. Os tópicos de tendências incluíam motins e fofocas sobre a namorada de um ator de cinema chinês.

Você sabia?

O Epoch Times é a primeira e única mídia que expõe a verdadeira natureza, impacto e objetivo final do comunismo. Explicamos seu dano ao nosso fundamento moral e às tradições orientais e ocidentais. Também discutimos os resultados do socialismo e seu impacto na estabilidade econômica e política dos países.

Estamos trabalhando dia e noite para cobrir o surto de vírus do PCC para você. Doar tão pouco quanto uma xícara de café ajudará a manter nossa mídia funcionando.

Ajude-nos agora doando para o ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

Regime chinês ataca e persegue companhia internacional de dança

 
Matérias Relacionadas