​​Mídia estatal chinesa acidentalmente libera regras de censura na cobertura Rússia-Ucrânia

Postagem fornece uma rara revelação sobre o funcionamento da máquina da mídia estatal chinesa

Por Eva Fu 

Uma postagem que foi rapidamente deletada da mídia social – divulgada ao público aparentemente por acidente – fornece um raro vislumbre de como as mensagens do PCCh sobre a crescente tensão Ucrânia-Rússia são canalizadas para as massas.

A Horizon News, uma rede de notícias em vídeo sob o comando estatal da Beijing News, no dia 22 de fevereiro instruiu a equipe a evitar postar qualquer conteúdo relacionado à Ucrânia na plataforma de mídia chinesa Weibo, semelhante ao Twitter, que possa parecer desfavorável à Rússia ou pró-ocidente.

“Deixe-me revisar seu rascunho antes de publicá-lo”, afirmou a publicação na Weibo, que já foi removida. Os comentários, acrescentou, devem ser “cuidadosamente selecionados e controlados”, enquanto as seleções de tópicos devem seguir a liderança do People ‘s Daily, Xinhua e CCTV – três dos principais porta-vozes do Partido no país.

“Quem os publicar será responsabilizado”, afirmou a publicação, observando que cada postagem deve ser monitorada por pelo menos dois dias.

Embora a China seja bem conhecida por suas rígidas restrições à liberdade de imprensa, a postagem fornece uma rara, embora pequena, revelação sobre o funcionamento da máquina da mídia estatal chinesa e as ansiedades internas do regime à medida que os desenvolvimentos internacionais politicamente tensos se desenrolam.

Ao mesmo tempo em que aprofunda os laços com Moscou, Pequim também é cautelosa para evitar repercussões ao ser vista como apoiando diretamente um movimento unilateral para tomar a soberania de outra nação – dados os próprios projetos do regime em absorver a autogovernada Taiwan.

Tropas ucranianas patrulham a cidade de Novoluhanske, no leste da Ucrânia, no dia 19 de fevereiro de 2022 (Aris Messinis/AFP via Getty Images)
Tropas ucranianas patrulham a cidade de Novoluhanske, no leste da Ucrânia, no dia 19 de fevereiro de 2022 (Aris Messinis/AFP via Getty Images)

A ​​necessidade da China de lidar com o delicado evento geopolítico com especial delicadeza foi elucidada por Ming Jinwei, ex-editor sênior da Xinhua, em seu blog pessoal.

“Na crise da Ucrânia, um leve empurrão desencadeará uma reação em cadeia”, escreveu ele, alertando a China para lidar cuidadosamente com as relações com todas as partes envolvidas para evitar “causar problemas”.

A China, declarou ele, deve “apoiar a Rússia moral e emocionalmente, mas sem provocar excessivamente os Estados Unidos e a União Europeia”.

Embora “os problemas tenham vindo principalmente dos Estados Unidos”, ele acredita que a situação atual está trabalhando a favor de Pequim em sua rivalidade com os Estados Unidos, e seria imprudente atrair a ira de Washington.

“Fale mais, faça menos”, foi o conselho de Ming aos diplomatas chineses, que, segundo ele, deveriam usar canais privados para transmitir seu apoio sentimental à Rússia e incentivar o diálogo em ambientes públicos.

É um conselho que o regime parece seguir.

Durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas em 23 de fevereiro, Zhang Jun, embaixador chinês na ONU, exortou todos os lados a exercer moderação e “buscar soluções razoáveis… por meios pacíficos com base na igualdade e respeito mútuo”. O Ministério das Relações Exteriores da China e Wang Yi, que é o ministro das Relações Exteriores do país e o conselheiro de Estado, também fizeram comentários semelhantes.

O Representante Permanente da Federação Russa nas Nações Unidas (ONU) Vasily Nebenzya (C) cumprimenta o Embaixador Zhang Jun, Representante Permanente da China na ONU. A Embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield (E) e a Representante Permanente da Noruega às Nações Unidas, Mona Juul (2ª E) olham durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU sobre a crise da Ucrânia, em Nova Iorque, no dia 21 de fevereiro de 2022 (Timothy A. Clary/AFP via Getty Images)
O Representante Permanente da Federação Russa nas Nações Unidas (ONU) Vasily Nebenzya (C) cumprimenta o Embaixador Zhang Jun, Representante Permanente da China na ONU. A Embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield (E) e a Representante Permanente da Noruega às Nações Unidas, Mona Juul (2ª E) olham durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU sobre a crise da Ucrânia, em Nova Iorque, no dia 21 de fevereiro de 2022 (Timothy A. Clary/AFP via Getty Images)

À medida que a Rússia transferiu tropas para duas regiões separatistas no leste da Ucrânia que declarou como “independentes”, a Ucrânia declarou estado de emergência e instou seus cidadãos a deixar a Rússia imediatamente.

Desde 21 de fevereiro, o presidente Joe Biden impôs uma série de sanções contra as duas regiões separatistas da Ucrânia, juntamente com bancos estatais russos e elites russas. No dia 22 de fevereiro, o governo Biden ordenou mais tropas para a Europa Oriental em meio a temores de uma invasão russa na Ucrânia. Então, na quarta-feira, a UE também adotou um pacote de sanções contra 351 membros da Duma, a câmara baixa do parlamento russo.

Enfrentando o crescente isolamento do mundo, a Rússia se uniu mais estreitamente à China. No dia da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, voou para Pequim para se encontrar com seu homólogo chinês, que terminou com os dois líderes anunciando uma parceria “sem limites”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas