​​América Latina acolhe refugiados ucranianos, mas poucos permanecem

Brasil tem o maior número de residentes ucranianos na região

Por Autumn Spredemann 

Ucranianos que fogem da guerra com a Rússia estão chegando às fronteiras de países fora da Europa.

Na América Latina, países como Brasil, Argentina, México, Guatemala e Bolívia ajustaram a política de imigração e estão aceitando refugiados em meio à mais recente crise de desabrigados que chegam de zonas de conflito na região.

Mesmo nos estágios iniciais desse dilema humanitário, porém, uma tendência começou a surgir: os ucranianos estão chegando à América Latina, mas muitos não ficam.

Quase 900 requerentes de asilo chegaram ao Brasil de 24 de fevereiro a 17 de março, depois que o presidente Jair Bolsonaro anunciou um visto humanitário para refugiados ucranianos no dia 28 de fevereiro.

“Faremos todo o possível para acolher o povo ucraniano”, disse o presidente do Brasil.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro é fotografado antes da cerimônia de boas-vindas ao presidente cabo-verdiano Jorge Carlos Fonseca no Palácio do Planalto, em Brasília, em 30 de julho de 2021 (Evaristo Sa/AFP via Getty Images) 
O presidente brasileiro Jair Bolsonaro é fotografado antes da cerimônia de boas-vindas ao presidente cabo-verdiano Jorge Carlos Fonseca no Palácio do Planalto, em Brasília, em 30 de julho de 2021 (Evaristo Sa/AFP via Getty Images)

O Brasil oferece uma atração única para os refugiados, pois tem o maior número de residentes ucranianos na região.

A maioria dos expatriados e reassentados ucranianos vive no Paraná, que é o sexto estado mais populoso do Brasil e abriga mais de 400.000 ucranianos. O gigante sul-americano também tem uma economia forte e um perfil linguístico diversificado, incluindo muitos falantes de inglês e outras línguas ocidentais.

O visto humanitário brasileiro permite que os ucranianos que chegam da guerra trabalhem e estudem normalmente. A documentação inicial é válida por 180 dias, porém, os refugiados poderão morar no país por até dois anos após a expiração do visto inicial.

No dia 18 de março, 29 refugiados ucranianos que chegaram a Curitiba, Paraná, foram recebidos por um comitê de acolhimento voluntário com kits repletos de roupas, produtos de higiene e alimentos.

A coordenadora do comitê de acolhimento, Natalia Waszcynskie, filha de imigrantes ucranianos, disse: “sinto-me grata e feliz por poder ajudar os refugiados. Não custa ajudar, é uma questão humanitária”.

No entanto, apesar da recepção calorosa de funcionários do governo e moradores, poucos dos 894 refugiados aproveitaram a oportunidade para reassentamento de longo prazo.

Em 18 de março, a Polícia Federal brasileira informou que havia apenas 21 pedidos de visto temporário, cinco de residência e dois pedidos de outras classificações de visto.

No México, um padrão semelhante surgiu com refugiados ucranianos chegando, mas não ficando. Como tantos outros, os requerentes de asilo estão se aproximando da fronteira sul dos Estados Unidos.

O presidente Andrés Manuel López Obrador disse em 2 de março que o México oferecerá asilo a todas as pessoas que o solicitarem, independentemente de sua nacionalidade.

Autoridades de imigração estão oferecendo vistos de turista válidos por até seis meses para quem busca refúgio do conflito na Ucrânia.

“Gostaríamos de acolher a todos, abraçar a todos, gostaríamos que não houvesse fronteiras, somos do partido da fraternidade universal”, disse Obrador.

Centenas de ucranianos estão chegando ao México, muitos pelo aeroporto internacional de Tijuana, e viajando para o norte até a fronteira dos EUA perto de San Diego.

A onda de novos deslocamentos começou com rumores de guerra e um aumento militar russo no ano passado.

Somente de outubro de 2021 a fevereiro deste ano, os agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA se depararam com mais de 1.300 ucranianos.

Um delegado federal representando o estado da Baixa Califórnia, Jesús Alejandro Ruiz Uribe, destacou que desde o início do ataque da Rússia à Ucrânia, em 24 de fevereiro, 487 refugiados chegaram ao estado, dos quais 310 fizeram a viagem apenas em março.

A pressão para que os ucranianos entrem nos Estados Unidos através da fronteira terrestre do sul começou depois que a Casa Branca concedeu entrada especial a uma mãe e seus três filhos, que chegaram à América Latina pela Cidade do México, após primeiramente se negar a entrada em San Ysidro devido às restrições sanitárias pandêmicas pelo Título 42.

O analista do Centro de Estudos de Imigração, Todd Bensman, acredita que isso define o tom errado para os ucranianos que buscam asilo nos Estados Unidos, especialmente porque mais de 3 milhões de refugiados já fugiram da nação europeia sitiada e estão buscando reassentamento.

Bensman disse que as exceções feitas na fronteira para os refugiados ucranianos “sem dúvida, atrairão ainda mais a fronteira sul e um sistema de asilo que não serve nem aos ucranianos nem ao interesse nacional americano”.

Enquanto isso, os países latino-americanos estendem o tapete de boas-vindas para seus vizinhos europeus deslocados.

A Argentina oferece visto humanitário para quem foge do conflito. A Direção Nacional de Migração autorizou a entrada de cidadãos ucranianos e seus familiares diretos por até três anos como parte do esforço de resposta à crise.

A nação sul-americana também abriga a segunda maior população de imigrantes ucranianos da região.

Na América Central, a Guatemala começou a aceitar refugiados da Ucrânia em 11 de março, quando duas famílias chegaram ao Aeroporto Internacional La Aurora, na Cidade da Guatemala.

O diretor do Instituto de Migração, Stuard Rodríguez, conheceu pessoalmente as famílias e disse que o país “as recebe de braços abertos e está à sua inteira disposição para ajudar no que for pertinente”.

A diretora do Instituto de Migração da Bolívia, Katherine Calderón, dirige-se aos jornalistas ao lado dos refugiados ucranianos Mykhailo Karpenko e Oksana Karpenko em Santa Cruz, no dia 13 de março de 2022 (Autumn Spredemann/Epoch Times)
A diretora do Instituto de Migração da Bolívia, Katherine Calderón, dirige-se aos jornalistas ao lado dos refugiados ucranianos Mykhailo Karpenko e Oksana Karpenko em Santa Cruz, no dia 13 de março de 2022 (Autumn Spredemann/Epoch Times)

A diretora do Instituto de Migração da Bolívia, Katherine Calderón, reforçou a política de vistos abertos do país para refugiados que fogem da guerra no dia 13 de março.

Isso aconteceu logo após um desastre com um casal de refugiados ucranianos que foi detido ilegalmente e deportado por funcionários da imigração no dia 12 de março, apesar de terem a documentação correta para entrar no país.

Além disso, Calderón convidou cidadãos ucranianos a virem para a Bolívia, oferecendo-lhes o status de refugiado imediato, já que o conflito na Europa entra em seu segundo mês.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas