Publicado em 31/12/2016 às 1:55 - Atualizado em 31/12/2016 às 2:28

Venezuelanos são obrigados a sobreviver com apenas $1 por dia

"A Venezuela nunca passou tanta necessidade, hoje há crianças comendo lixo, pessoas roubando"

Uma mulher mostra seu refrigerador vazio em sua casa em Caracas, Venezuela, em 2 de junho. Muitos venezuelanos são incapazes de comprar comida suficiente (RONALDO SCHEMIDT / AFP / Getty Images)

Uma mulher mostra seu refrigerador vazio em sua casa em Caracas, Venezuela, em 2 de junho. Muitos venezuelanos são incapazes de comprar comida suficiente (RONALDO SCHEMIDT / AFP / Getty Images)

CARACAS, Venezuela – Os venezuelanos celebraram o Natal no rescaldo de violentos protestos e saques que ocorreram em algumas partes do país, em consequência da escassez de dinheiro.

A decisão do governo de eliminar o maior projeto de lei antes da chegada de novas e maiores contas foi a mais recente de uma série de erros financeiros em uma crise financeira paralisante de três anos.

O presidente Nicolás Maduro voltou atrás, dizendo aos venezuelanos que continuem usando as notas de 100 bolívares – que valem apenas 4 centavos americanos no mercado negro – até 2 de janeiro.

Um supermercado em Caracas, no dia 28 de maio. A Venezuela está enfrentando uma grave escassez de produtos básicos (JUAN BARRETO / AFP / Getty Images)

Um supermercado em Caracas, no dia 28 de maio. A Venezuela está enfrentando uma grave escassez de produtos básicos (JUAN BARRETO / AFP / Getty Images)

Mas a maioria dos venezuelanos já tinha ficado sem dinheiro depois de uma corrida desesperada para depositar as notas sem valor com a promessa de que eles iriam receber, em breve, as novas notas de 500, 2,000 e 20,000 Bolívars.

No final de 2016, os venezuelanos fizeram uma retrospectiva de um ano marcado pela escassez de alimentos e médicos, bem como inflação e criminalidade, incluindo seqüestros violentos.

“O dia a dia é sobre a sobrevivência. Sinto que não vivemos”, disse Adriana Arias, de 36 anos.

Arias faz parte da classe média educada venezuelana, um grupo que desaparece à medida que as dificuldades financeiras do país arrastam as famílias de renda média para a pobreza.

“Nos últimos três anos … todas as coisas ruins que vieram do governo do ex-presidente Chávez aumentaram com o governo de Maduro”, disse Arias. “Essas pessoas (o governo) venderam uma idéia socialista onde todos nós poderíamos ser iguais. Eles nos igualaram, transformando-nos todos em pobres.”

Amigos íntimos de Arias fazem parte de uma fuga de cérebros em massa, onde muitos jovens venezuelanos procuraram por uma melhor qualidade de vida no exterior. Algumas estimativas afirmam que cerca de 1,5 milhão de pessoas deixaram o país desde que Chávez chegou ao poder em 1999. As estatísticas oficiais não estão disponíveis.

Depois de esperar por uma cara renovação de passaporte que levou três meses para ser processada e impressa, Arias está pensando em deixar o país também: “É mais uma fuga, uma fuga forçada”.

Uma mulher atravessa uma ponte ligando a Venezuela e a Colômbia depois de comprar bens essenciais, como papel higiênico, na Colômbia devido a escassez na Venezuela, em 16 de julho (GEORGE CASTELLANOS / AFP / Getty Images)

Uma mulher atravessa uma ponte ligando a Venezuela e a Colômbia depois de comprar bens essenciais, como papel higiênico, na Colômbia devido a escassez na Venezuela, em 16 de julho (GEORGE CASTELLANOS / AFP / Getty Images)

A jovem instrutora de yoga, cujo irmão e primo foram assassinados por gangues de rua, diz que o medo é o que finalmente a levará para fora do país.

“Você acorda todos os dias, sai da sua casa, e não sabe se voltará.”

Leia também:
Colapso de mina de carvão na Índia deixa 15 soterrados
WikiLeaks diz que e-mails de Hillary são de fonte democrata, não de russos

O que antes era uma vida noturna vibrante, se tornou um toque de recolher compulsório em Caracas, muitas vezes classificada como a cidade mais violenta do mundo, se tornando vazia após o pôr-do-sol.

“Eu tinha sido otimista e teimosa em não querer sair porque eu sempre pensei que essa situação iria terminar em algum momento”, explicou Arias.

Mas as estimativas do Fundo Monetário Internacional prevêem que a já assustadora inflação do país chegará a 1.660 por cento em 2017, sugerindo que haverá pouco consolo para os venezuelanos no novo ano.

Em Petare, a maior favela de Caracas, Diana Guainet Sequera, de 39 anos, se preocupa com a forma como ela irá prover seu terceiro filho não nascido e não planejado.

Foi a primeira vez neste ano que a mãe de dois tinha sido incapaz de comprar roupas novas para seus filhos para celebrarem o dia de natal. Embora ela e seu marido tenham empregos, o dinheiro é gasto inteiramente com comida e com a educação das crianças – não há mais espaço para lazer.

Atividades de fim de semana simples como ir jantar ou ir ao cinema com seus dois filhos tornaram-se impossíveis. Sequera, que faz apenas 3.000 bolívares por dia – menos de US $ 1 – complementa a renda da família, vendendo decorações e luzes durante a temporada de Natal.

“As pessoas estão preocupadas com a compra de alimentos, não roupas ou qualquer outra coisa, apenas comida. … Este ano, eu não vendi nada “, disse ela sentada em sua sala de estar.

Pessoas exibem as notas de 100 bolívares - cada uma vale apenas US $ 0,04 - durante um protesto contra a falta de dinheiro em San Cristóbal, Venezuela, no dia 16 de dezembro (GEORGE CASTELLANOS/AFP/Getty Images)

Pessoas exibem as notas de 100 bolívares – cada uma vale apenas US $ 0,04 – durante um protesto contra a falta de dinheiro em San Cristóbal, Venezuela, no dia 16 de dezembro (GEORGE CASTELLANOS/AFP/Getty Images)

Sequera passa agora todas as terças-feiras em filas intermináveis ​​de supermercados para comprar bens subsidiados pelo governo.

A Venezuela foi uma das economias mais bem sucedidas da América do Sul. Agora, os venezuelanos estão inundando a Colômbia para atendimento médico urgente e saqueando mercearias.

“Nunca passamos tanta necessidade”, disse Sequera. “Hoje em dia há crianças comendo lixo, pessoas roubando.”

Não houveram novas decorações de Natal na casa muitas famílias venezuelanas, bem como na casa da família Cedeño este ano.

Longe dos perigos de Petare, na cidade de Valência, o membro mais novo da família, Andrea Cedeño, de 30 anos, lembrou os últimos Natais em outros tempos.

Compartilhando uma sensação nacional de revolta, Cedeño lista os problemas de seu país, onde as celebrações não têm lugar no atual estado da Venezuela.

“Nós sempre tentamos convidar as pessoas e celebrar junto com a família, mas isso não acontece mais”, disse ela.

“Eu não sinto o verdadeiro espírito de Natal. … Quando você vê pessoas na rua sem comida para comer, perde qualquer desejo de celebrar o Natal. ”

Leia também:
Congresso discutirá PL contra extração forçada de órgãos na China
Gao Zhisheng, renomado advogado chinês, prevê fim do regime comunista

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016