Publicado em 18/11/2016 às 22:00 - Atualizado em 18/11/2016 às 22:00

Marcelo Calero pede demissão do Ministério da Cultura

Calero se desgastou depois de divergências com integrantes do alto escalão

Ministro da Cultura, Marcelo Calero (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Ministro da Cultura, Marcelo Calero (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Marcelo Calero pediu demissão do cargo de ministro da Cultura na manhã desta sexta-feira (18) após brevíssima passagem pelo cargo. O presidente Michel Temer convidou então o deputado Roberto Freire (PPS-SP) para substituí-lo, que aceitou o convite.

Calero está saindo do governo sem ter deixado claro o que motivou sua decisão, provocando espanto no Palácio do Planalto. Ele foi nomeado para conduzir a pasta depois que o presidente Michel Temer, à época, obteve várias recusas de outras pessoas para o cargo.

O ministro entregou a carta de demissão na noite de quinta-feira ao presidente Michel Temer no Palácio do Planalto. O presidente pediu ao ministro que voltasse atrás na decisão, mas no final da tarde desta sexta-feira, Calero reafirmou sua decisão de deixar o governo através de um telefonema para Temer.

Leia também:
PT, PSDB, PMDB e PP boicotam comissão das ’10 Medidas Contra Corrupção’
Garotinho se desespera ao ser levado do hospital para presídio de Bangu (+Vídeo)

De acordo com o Ministério da Cultura, discordâncias de opinião entre Calero e determinados membros do governo motivaram sua saída. Calero pediu demissão seis meses depois de aceitar o cargo. Há algum tempo ele vinha fazendo reclamações sobre a falta de verbas na área para colocar em execução os principais programas da pasta.

Calero foi secretário de Cultura da Prefeitura do Rio depois de ter trabalhado como presidente do Comitê Rio 450, criado para organizar a celebração dos 450 anos da cidade, em 2015.

Assim que Temer tomou posse em definitivo do principal gabinete do Palácio do Planalto, ele transformou a pasta da Cultura em secretaria ligada ao Ministério da Educação. Devido ao fim do Ministério da Cultura (Minc), Calero assumiu primeiro uma secretaria para cuidar da área, ligada ao Ministério da Educação. Temer, no entanto, sofreu pressões para recriar o Minc e convidou Calero para ser ministro.

Com a demissão imprevista de Marcelo Calero, assume agora a pasta o deputado federal Roberto Freire (PPS-SP), presidente nacional do partido. Até que a nomeação de Freire seja oficializada, quem assume o ministério, na posição de ministra interina, é a secretária executiva da pasta, Marina Ribas.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016