Publicado em 20/12/2016 às 8:33 - Atualizado em 20/12/2016 às 8:33

China e globalização no mundo pós-Trump

Enquanto o número de pessoas ricas na China excede o dos EUA, o número de chineses de baixa renda ocupa o segundo lugar mundial

Homem faz entrega de produtos embalados com código de barras na Compania Fonte de Energia VerdeTianwei Yingli LTDA., em 24 de junho de 2009 em Baoding, China. A China não está em posição de liderar a globalização no lugar dos Estados Unidos, argumenta Qinglian (Feng Li / Getty Images)

Homem faz entrega de produtos embalados com código de barras na Compania Fonte de Energia VerdeTianwei Yingli LTDA., em 24 de junho de 2009 em Baoding, China. A China não está em posição de liderar a globalização no lugar dos Estados Unidos, argumenta Qinglian (Feng Li / Getty Images)

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, finalmente anunciou sua intenção de abolir a Parceria Trans-Pacífico (TPP) depois de assumir o cargo, deixando alguns países em desespero. Chile e Peru finalmente aderiram a acordos comerciais alternativos na região da Ásia-Pacífico liderados pela China. O mundo relutantemente percebeu que Trump, que defende os interesses dos EUA como sua prioridade, pode desocupar a posição de um “Presidente Mundial” benfeitor. O Financial Times da Grã-Bretanha dividiu essa posição entre a China e a chanceler alemã Angela Merkel. Em dois artigos, intitulados “A China promete liderar o caminho para o comércio global” e “Merkel assume um posicionamento liberal-democrata no mundo pós-Trump”, o jornal concedeu a missão de globalização econômica à China e a sucessão de valores ocidentais para Merkel.

A China foi a que mais se beneficiou com a globalização

Em agosto de 2016, citei os resultados de um estudo publicado pelo ex-economista do Banco Mundial, Branko Milanovic, e pelo professor de ciência política da Universidade de Yale, John E. Roemer. A reportagem afirma que dois países em desenvolvimento, a China e a Índia, estão  atravessando um rápido crescimento econômico dentro da tendência da globalização, enquanto nos países desenvolvidos a discrepância entre ricos e pobres aumentou. O estudo conduz à conclusão terrível  que  embora a globalização conduza inevitavelmente à ascensão da renda global no mundo e ao estreitamento do hiato global da renda, ela piorou a desigualdade nos países desenvolvidos. Nos países desenvolvidos, a globalização pode, portanto, ser percebida ao estar criando um mundo mais desigual.

Outro estudo realizado por Justin Pierce, economista da Reserva Federal, e Peter Schott, professor da Yale School of Management, concluiu que desde que os Estados Unidos atribuíram à China o estatuto de PNTR (Permanent Normal Trade Relations), em 2000, metade dos postos de trabalho perdidos na indústria manufatureira dos EUA podem ser atribuídos ao aumento das importações provenientes da China. Além disso, o suicídio e as causas relacionadas à mortalidade foram significativamente maiores nas áreas mais afetadas pelo PNTR. Um aumento de apenas 1 por cento no desemprego resultou em um aumento de 11 por cento na taxa de suicídio. Os homens brancos foram os mais atingidos, uma vez que são mais propensos a estar envolvidos no setor de manufatura do que outros grupos, segundo o relatório.

Leia também
FMI e China se unem para implementar nova moeda de reserva global

O regime chinês, em comparação, não perdeu nada e só se beneficiou da globalização, que se reflete em quatro grandes áreas:

  • Crescimento acentuado do PIB: o PIB da China aumentou 48 vezes, passando de US $ 216,8 bilhões em 1978, primeiro ano de sua reforma e abertura, para US $ 10,9 trilhões em 2015.
  • Deixou de ser importador de capital líquido e passou a ser o principal exportador de capital: antes da reforma e abertura, a China apenas concedia ajuda externa aos países da “fraternidade”; não fornecia investimento estrangeiro. Em 2015, a China se tornou o segundo maior investidor estrangeiro do mundo, com investimento estrangeiro direto superando US $ 1 trilhão.
  • Muitos bilionários: a China possui mais bilionários do que qualquer país. Um quarto dos 2.188 bilionários do mundo são chineses. Não havia pessoas ricas na China antes da reforma e abertura, mas em 2015  havia  568 bilionários na China, superando os 535 nos Estados Unidos.
  • Grande classe média: a China desenvolveu uma classe média significativa, englobando mais de 20% de sua população total. De acordo com o Credit Suisse Global Wealth Report 2015, a China tem a maior população de classe média do mundo, com cerca de 109 milhões de pessoas, ultrapassando os 92 milhões dos Estados Unidos.

No entanto, a China não adotou completamente a globalização. Recusou-se a implementar direitos humanos e políticos universais, incluindo eleições democráticas. Desde o início do período de Hu Jintao, o Comitê Central do Partido Comunista Chinês (PCC) frequentemente anunciou sua intenção de impedir uma revolução de cores e declarou explicitamente sua rejeição com relação à infiltração de valores ocidentais.

Este ocorrido foi similar à era colonial da dinastia Qing, quando a China optou em “manter o sistema da China e aprender a tecnologia ocidental.”  Hoje, o PCC quer manter o Marxismo e o Maoismo e, ao mesmo tempo, utilizar a ciência e a tecnologia ocidentais.

Poderá a China erguer a bandeira da globalização?

Em termos de poderio militar, a China ocupa o terceiro lugar no mundo. No entanto, em comparação com os Estados Unidos, há uma grande lacuna, especialmente em termos de sua força aérea e capacidade de combate naval, que são necessários para a intervenção global.

Quanto à força econômica, embora o PIB da China e dos Estados Unidos sejam ambos de mais de US $ 10 trilhões, há uma grande diferença per capita  com relação ao PIB. Enquanto o número de pessoas ricas na China excede o dos Estados Unidos, o número de pobres na China ocupa o segundo lugar no mundo, só perdendo para a Índia. Além disso, o montante que a China gasta em segurança nacional em Xinjiang e no Tibete é semelhante ao gasto militar que é utilizado apenas para manter a estabilidade interna. Somente esses pontos demonstram que não é possível para a China liderar a globalização como os Estados Unidos fizeram.

Hu Jintao cunhou o termo “modelo da China” e um grupo de estudiosos chineses e estrangeiros proclamou que  “o consenso de Pequim substituirá o consenso de Washington”. Depois que Xi Jinping assumiu, essas declarações foram arquivadas.

Leia também
WikiLeaks diz que e-mails de Hillary são de fonte democrata, não de russos

O governo chinês está bem ciente de suas fraquezas. Embora seja muito atraente ser um líder global, Pequim sabe claramente que tem um trabalho duro em suas mãos ao lidar com o sistema financeiro da China.

No mais recente mercado financeiro global do Société Générale (um dos maiores bancos da Europa), o “Black Swan”, a China foi apontada como o maior “risco econômico”, devido à bolha imobiliária, à grande dívida e aos mau empréstimos. Também foi estimado que a China tem 20 por cento de chance de  fazer uma aterrizagem forçada. Esta estimativa não é exagerada. Os meios de comunicação chineses estão agora publicando slogans como: “Desista do setor imobiliário e proteja as reservas cambiais”. Podemos dizer que as reservas cambiais da China estão enfrentando um risco de perda rápida e são a parte mais fraca da barragem financeira. Pense nisso: o governo chinês está tentando proteger a moeda dos EUA, em vez de resguardar sua própria moeda! Embora o RMB tenha se tornado uma das cinco moedas de reserva do Fundo Monetário Internacional, sua força é muito menor que a do dólar dos EUA.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016