Publicado em 16/12/2016 às 12:58 - Atualizado em 17/12/2016 às 18:42

Advogado Gao Zhisheng enfrenta calvário por livro contrabandeado

Seu livro expôs as torturas e os crimes contra a humanidade cometidos pelo Partido Comunista Chinês

Cópias do livro do renomado advogado chinês de direitos humanos Gao Zhisheng em exposição durante uma conferência de imprensa no Complexo do Conselho Legislativo em Hong Kong, em 14 de junho de 2016. (Anthony Wallace / AFP / Getty Images)

Cópias do livro do renomado advogado chinês de direitos humanos Gao Zhisheng em exposição durante uma conferência de imprensa no Complexo do Conselho Legislativo em Hong Kong, em 14 de junho de 2016. (Anthony Wallace / AFP / Getty Images)

Gao Zhisheng, um importante advogado chinês de direitos humanos, que passou muitos anos preso por seu trabalho, foi recentemente mantido incomunicável na China.

Em entrevista ao Epoch Times, em 15 de novembro, Geng He, esposa de Gao, disse que os policiais de Pequim “correram para a remota Shaanxi”, uma província do noroeste a mais de 350km da capital chinesa onde Gao vive, para rasgar uma cópia de seu novo livro que tinha sido lançado no exterior por seus amigos e  enviado a ele.

“Agentes chineses cortaram, mais uma vez, o contato entre mim e Gao Zhisheng”, disse Geng, que atualmente vive na Califórnia com seus dois filhos. “A vigilância e o assédio sobre nossos parentes em Shaanxi também aumentaram.”

No passado, Gao havia sido elogiado pelo Ministério da Justiça chinês como um dos dez melhores advogados da China. Gao, um cristão forte, enfrentou o regime comunista quando começou a prestar assistência jurídica aos praticantes do Falun Gong, uma das maiores comunidades espirituais perseguidas na China.

Leia também:
Congresso discutirá PL contra extração forçada de órgãos na China
Gao Zhisheng, renomado advogado chinês, prevê fim do regime comunista
Gao Zhisheng: ícone dos direitos humanos abre o jogo sobre torturas sofridas na China

ao depois que ele escreveu cartas abertas para a liderança chinesa condenando a perseguição contra o Falun Gong, tendo sido formalmente preso em 2006. Gao passou oito anos dentro e fora da prisão, onde foi submetido à  métodos de tortura que foram usados em praticantes de Falun Gong – incluindo privação de sono, espancamentos brutais e choques com bastões elétricos.

Em 2014, Gao foi transferido para um tipo de prisão domiciliar em sua província natal, Shaanxi. Em uma entrevista para a Associated Press, no ano seguinte, Gao contou sobre a tortura a que  foi submetido e disse que não tinha permissão para ir ao dentista para tratar de seus dentes, que estavam soltos – devido aos espancamentos e torturas que sofreu – ou visitar uma cidade local para tomar um banho quente.

Enquanto sob prisão domiciliar, Gao Zhisheng secretamente compôs e contrabandeou um manuscrito de 500.000 palavras intitulado “Stand Up China 2017 – China’s Hope: What I Learned During Five Years as a Political Prisoner ” (Levante-se China 2017—A esperança da China: O que aprendi em cinco anos como prisioneiro político). O livro detalha as experiências de Gao como prisioneiro, de 2009 a 2014, e exibe a previsão de Gao de que o Partido Comunista terá seu fim em 2017. O livro foi publicado em chinês em junho, e uma versão em inglês ja está disponível.

“Este livro expôs completamente as pretensões do Partido Comunista”, disse Geng He, esposa de Gao. “Todas as torturas e crimes contra a humanidade, bem como a brutalidade anti-direitos humanos perpetrada contra a pessoa de Gao Zhisheng por agentes da polícia, pela segurança pública, prisões e exército, estão registradas aqui e escritas com sangue e lágrimas”.

“Do que o Partido Comunista tem medo?”, ela disse. “Eles têm medo de um livro? Tudo bem, vou fazer uma publicação gratuita e todos podem fazer o download como quiserem.”

Desde então, Geng fez uma cópia digital da versão em chinês disponível para download.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
  • Vitor Quaranta Santos

    Alguém tem uma previsão de quando será lançada a tradução para o Inglês?

Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016